Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Julho |
Santa Marta
home iconAtualidade
line break icon

Argentina lança plano para sair de sua pior crise desde 2001

LUJAN

CEA

Agências de Notícias - publicado em 25/12/19 - atualizado em 25/12/19

Em 2016, quando Macri assumiu, a Argentina tinha uma dívida equivalente a 20% de seu PIB. Agora é de quase 90% do PIB

O novo governo argentino promulgou nesta segunda-feira (23) um pacote de medidas econômicas e fiscais emergencial que busca resgatar um país em “default virtual” e imerso em uma crise semelhante à de 2001, segundo o presidente Alberto Fernández.

O texto da chamada ‘mega lei’ entrou em vigor ao ser publicado no Diário da República nesta segunda-feira, várias horas depois do esperado, devido a ajustes de última hora.

A lei dá ao Poder Executivo, durante um ano, uma série de poderes para administrar o Estado em matéria econômica, financeira, fiscal, administrativa, previdenciária, tarifária, energética, sanitária e social.

O governo pretende “atender às necessidades dos setores mais vulneráveis e colocar todos os esforços para recuperar a demanda agregada e impulsionar o crescimento”, explicou o chefe da Administração de Seguridade Social (Anses), Alejandro Vanoli.

Nesse contexto, o governo lançará um “plano contra a fome”, bem como a concessão de bônus de emergência por aposentadorias mínimas e o congelamento dos aumentos no serviço público.

“A situação é difícil. É um país que teve que reavaliar sua dívida, com um profundo déficit fiscal e financeiro, com uma situação de recessão e inflação. O Estado está colocando todo o esforço naqueles que mais sofrem com a situação social”, insistiu Vanoli.

O ex-presidente liberal Mauricio Macri iniciou em setembro negociações para reformular (estender os vencimentos) as dívidas com os credores e com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que lhe concedeu em 2018 um empréstimo de cerca de US$ 57 bilhões. Deste total, a Argentina recebeu US$ 44 bilhões, em troca de um programa de forte ajuste fiscal.

Na sexta-feira, o governo adiou de modo unilateral até agosto o pagamento de quase 9 bilhões de dólares de vencimentos, o que custou ao país o rebaixamento da nota de sua dívida por parte das agências de classificação de risco Fitch e S&P, que consideraram o país em default seletivo.

– Perto de 2001 –

Fernández, um peronista de centro-esquerda, diz que herdou uma “situação dramática”.

“É o que herdamos. Não podemos enfrentar e pagar as obrigações que estão vencendo. Tínhamos um forte desemprego e hoje temos o mesmo. O que não tínhamos era um processo inflacionário que temos agora”, disse o presidente, ao comparar o cenário com a crise de 2001, quando a Argentina declarou um default de 100 bilhões de dólares.

Estima-se que o PIB caia 3,1% em 2019, a inflação é de cerca de 55% ao ano e o peso sofreu uma desvalorização de 38% desde janeiro.

“A ideia de um default virtual proposto por Fernández é deixar claro aos credores que eles precisarão negociar uma nova reestruturação com a Argentina. Ele se refere ao default virtual para dramatizar a situação e mostrar que Macri deixou um grande problema para ele”, afirmou à AFP Claudio Loser, economista , do American Centennial Group.

Loser explicou que “houve um adiamento dos pagamentos da dívida doméstica, o que é um padrão técnico, mas não um padrão para o não pagamento. Isso não é endereçado ao FMI, porque não há reestruturação direta com a organização internacional”.

A dívida é calculada em US$ 330 bilhões, o que inclui até o momento desembolsos US$ 44 bilhões do FMI.

Em 2016, quando Macri assumiu, a Argentina tinha uma dívida equivalente a 20% de seu PIB. Agora é de quase 90% do PIB.

A Lei de Emergência inclui o aumento de impostos para as classes alta e média, benefícios sociais para os setores carentes e uma tarifa de 30% para a compra e gastos em divisas, entre outros pontos.

“A Argentina ficou sem dólares. Macri perdeu 100 bilhões de dólares. A Argentina precisa do retorno dos dólares”, explicou Fernandez.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira reza todos os dias às 3h ...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
4
menino Lázaro curado câncer
Aleteia Brasil
Brasil: família testemunha cura de menino com câncer por interces...
5
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
6
Padre Zezinho
Reportagem local
Cura pela televisão é possível? Pe. Zezinho desmascara manipulaçõ...
7
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia