Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Alunos doam dinheiro de formatura para pagar tratamento do filho da professora

Divulgação / WhastApp
Estudantes doaram dinheiro, mas não ficaram sem a festa
Compartilhar

O dinheiro tinha sido arrecadado com a venda de rifas; caso sensibilizou empresários, que deram um final inesperado para a história

Aconteceu em Pontes e Lacerda, a quase 500 quilômetros de Cuiabá, MT. Os alunos do último ano do ensino médio de uma escola pública decidiram doar para uma professora todo o dinheiro que tinham arrecadado para a festa de formatura. O motivo: eles quiseram ajudar a pagar o tratamento de saúde do filho da professora.  

O dinheiro, cujo montante não foi divulgado, foi conseguido através de vendas de rifas, organização de eventos e da economia dos próprios estudantes. 

A ideia de abrir mão da festa para ajudar a professora Lucilene Ezequiel foi lançada em grupo no WhatsApp e rapidamente teve a adesão de todos. “Não pensamos tanto pelo lado de não ter uma comemoração da nossa sala. Pensamos mais em ajudar a professora que estava precisando”, disse Athur Felipe Sales Cayres, de 17 anos, ao portal G1.

A professora ficou emocionadíssima como gesto de solidariedade de seus alunos. “Só chorei, pois foi uma mistura de dó, porque sei que para eles [a formatura] é importante, e alegria, pois de alguma forma fiz diferença para eles. Temos visto tantas coisas tristes, desrespeito ao professor, que nos sentimos desmotivados, mas o que esses alunos fizeram foi tão bonito que esquecemos dessas coisas”, contou Lucilene.

O tratamento 

Os estudantes se sensibilizaram com a história da professora, cujo filho de sete anos foi diagnosticado com uma doença autoimune que causa dores e feridas pelo corpo. 

O tratamento é feito em outra cidade e, apesar da ajuda do governo, a família tem que bancar viagens, exames e alguns remédios. Segundo a professora, embora a doença esteja controlada, ela não tem cura. 

Mais solidariedade 

O exemplo de solidariedade dos estudantes correu a cidade e sensibilizou os moradores. A repercussão foi tão grande que empresários da região se reuniram e decidiram doar uma festa de formatura para os jovens. Sim, “solidariedade gera solidariedade”. 

Boletim
Receba Aleteia todo dia