Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Medite sobre o amor de Maria e José pelo Menino Jesus

HOLY FAMILY
Nancy Bauer | Shutterstock
Compartilhar

Após o nascimento de Jesus, seus pais o olharam com um amor que nós deveríamos imitar

O Natal é uma oportunidade perfeita para usar nossa imaginação durante a oração. Especialmente para os pais, pode ser uma experiência poderosa meditar no terno amor que José e Maria tiveram pelo filho recém-nascido.

Em um livro de orações do século XIX, o autor olha para o casal sagrado e pondera o que estava acontecendo em seus corações. Primeiro, podemos imaginar o imenso amor que Maria teve pelo menino Jesus:

É Jesus, o grande Deus do céu, que veio viver e sofrer como uma criança pequena, para que possamos ver o quanto Ele nos ama e como deseja estar conosco.

Ele não está sozinho. Uma jovem e gentil mãe se inclina sobre ele. Seus olhos estão cheios de amor e adoração.

Uma mãe terna e vigilante.

A Terra nunca viu uma mãe assim. Nunca pode haver outra igual a ela, tão pura, tão santa, como uma flor de lírio branco e impecável entre os espinhos escuros da terra.

Ela não tem lugar melhor nesta noite para colocar seu bebê recém-nascido.

É Maria, nossa Mãe Maria.

Sua e nossa mãe para sempre.

Depois de meditar sobre o amor que Maria tinha por Jesus, podemos voltar nossos pensamentos a José e a toda admiração que ele deve ter sentido:

Um homem sério e pacífico os vigia, calmo no meio de toda essa cena de pobreza.

Nada pode perturbá-lo, nada o assusta, pois seu coração pertence a Deus, àquela criança cujo pai adotivo ele é a partir de agora.

É José, nosso querido São José.

José deve ter tido muito o que contemplar naquela noite de Natal. Ele nunca esperava ser o pai-guardião do Messias.

É providencial que a época do Natal tenha uma “oitava”, oito dias durante os quais a Igreja celebra o dia de Natal, refletindo sobre os muitos mistérios revelados naquela noite.

Para nós, vamos tentar lembrar a noite de Natal e meditar sobre os santos pais de Jesus, colocando-nos com eles, até segurando o Menino Jesus em nossos próprios braços. Que a paz que eles sentiram esteja conosco e, esperançosamente, permaneça conosco pelo resto do ano.

Boletim
Receba Aleteia todo dia