Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconAtualidade
line break icon

Mudança climática ameaça o Canal do Panamá 20 anos após a devolução

PANAMA

I.MEDIA

Agências de Notícias - publicado em 31/12/19 - atualizado em 31/12/19

O Panamá recebeu a via interoceânica da parte do governo dos Estados Unidos, que a inaugurou em 15 de agosto de 1914 e a administrou por 85 anos

A falta de chuvas, consequência da mudança climática, ameaça as operações do Canal do Panamá, já comprometidas pela queda do comércio, 20 anos após a transferência da administração americana para as mãos panamenhas.

Ao meio-dia de 31 de dezembro de 1999, a ex-presidente panamenha Mireya Moscoso hasteou pela primeira vez a bandeira do país no edifício da administração do Canal, em um clima de euforia.

O Panamá recebeu a via interoceânica da parte do governo dos Estados Unidos, que a inaugurou em 15 de agosto de 1914 e a administrou por 85 anos.

Vinte anos depois, a mudança climática é a principal ameaça para a via de 80 quilômetros, que liga o Oceano Pacífico e o mar do Caribe. Os principais usuários são Estados Unidos, China e Japão.

“A mudança climática no Canal do Panamá está amplamente evidenciada”, disse o administrador da via, o economista Ricaurte Vásquez.

Os alarmes foram acionados porque o país enfrenta níveis mínimos históricos de chuvas. Isso gerou “um déficit de água importante” nos lagos da bacia hidrográfica que abastecem a rota.

“O desafio que o Canal do Panamá enfrenta agora é como resolver a demanda de água pelos próximos 50 anos”, disse Vásquez.

A Autoridade do Canal do Panamá (ACP) afirmou que este ano as chuvas ficaram 27% abaixo da média. Além disso, a temperatura do lago Gatún, principal afluente do Canal, subiu 1,5 grau Celsius na última década, o que produziu uma perda significativa de água por evaporação.

A situação fez com que dos 5,25 bilhões de metros cúbicos de água doce necessários para que o Canal opere de maneira sustentável, o local disponha apenas de 3 bilhões.

A falta de água pode criar incerteza para as empresas de navegação. As autoridades do Canal temem que estas possam procurar outras rotas marítimas como o Canal de Suez que, admite a ACP, reduziu os pedágios em 60% e tem custos de operação mais baratos.

Além disso, a mudança climática “ameaça o degelo dos polos, especialmente no Polo Norte, o que poderia abrir novas rotas marítimas de concorrência”, destacou à AFP Felipe Chapman, da empresa Indesa.

A ACP adotou várias medidas, consideradas insuficientes. Agora cogita buscar novas fontes de água, subterrânea ou de estações de tratamento, construção de reservatórios ou dessalinização de água do mar.

Mas o custo das medidas pode afetar negativamente a contribuição anual do Canal para o Tesouro panamenho, que este ano foi de 1,786 bilhão de dólares.

– Queda do comércio e novas rotas-

O Canal, ampliado em 2016 e usado principalmente por navios em rotas da Ásia (China, Japão e Coreia do Sul) para a costa leste dos Estados Unidos, também enfrenta a queda do comércio com a desaceleração da economia global.

O perigo vem de fatores que “obedecem a padrões globais que estão fora do controle do Panamá, e que tem a ver com a consolidação das economias asiáticas, principalmente a China”, declarou Horacio Estribí, assessor do ministério da Economia.

A rota panamenha recebia há pouco temo 5% do comércio mundial, mas o número caiu a 3,5%, apesar de ter registrado este ano o recorde de faturamento (US$ 3,365 bilhões) e de carga (450,7 milhões de toneladas).

A incerteza do comércio mundial com a nova onda de protecionismo também gera preocupação.

Vinte anos depois da transferência de controle, Vásquez não tem dúvidas de que o Canal do Panamá vai seguir forte, mas alerta: “Não podemos continuar presos ao modelo tradicional de negócios, temos mais concorrência e as rotas estão mudando”.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia