Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O Papa Francisco está preocupado com a crise entre o Irã e os Estados Unidos

POPE FRANCIS AUDIENCE
Antoine Mekary | ALETEIA
Compartilhar

Núncio vaticano em Teerã e bispo auxiliar de Bagdá descrevem situação de tensão

A morte do general iraniano Qassem Solemaini pelas forças norte-americanas no aeroporto de Bagdá, no Iraque, levou a uma brusca piora das já tensas relações entre os Estados Unidos e o Irã, cenário que deixa o Papa Francisco apreensivo.

O que diz o núncio em Teerã, Irã

O Vatican News, órgão informativo do Vaticano, conversou sobre a situação com dom Leo Boccardi, o núncio apostólico no Irã. Ele comenta:

“O Papa foi informado do que está ocorrendo nestas horas em toda a região e também no Irã, após o assassinato do general Solemaini (…) O apelo é para diminuir a tensão, chamar todos à negociação e acreditar no diálogo, sabendo, como a história sempre nos ensinou, que a guerra e as armas não são as soluções para os problemas que afligem o mundo de hoje. Temos de acreditar na negociação. Temos de acreditar no diálogo. Devemos renunciar ao conflito e armar-nos com as outras armas que são as da justiça e da boa vontade. Devemos continuar a fazer todos os esforços para chamar a atenção da comunidade internacional para a situação no Oriente Médio, uma situação que deve ser resolvida. E todos devem ser chamados à responsabilidade direta que temos. Pacta sunt servanda [os pactos devem ser preservados, ndr], diz uma regra importante da diplomacia. E as regras do direito devem ser respeitadas por todos”.

O Papa pede orações pela paz

Neste sábado, 4, a conta oficial do Papa Francisco no Twitter, @Pontifex, publicou:

“Devemos acreditar que o outro tem a nossa mesma necessidade de paz. Não se obtém a paz se não se espera por ela. Peçamos ao Senhor o dom da paz!”

No Ângelus deste domingo, 5, Francisco voltou ao tema:

“Em tantas partes do mundo se sente um terrível ar de tensão. A guerra traz apenas morte e destruição. Convido todas as partes a manterem acesa a chama do diálogo e do autocontrole e a evitarem a sombra da inimizade. Rezemos em silêncio para que o Senhor nos dê esta graça”.

As declarações do bispo auxiliar de Bagdá, Iraque

País em que o general iraniano foi morto, o Iraque vive uma situação particularmente delicada, porque a sua população está dividida entre celebrar e indignar-se com o episódio. A respeito, o Vatican News conversou com dom Shlemon Warduni, bispo auxiliar de Bagdá, que declarou:

“É um momento crítico, muito difícil, porque a nossa religião é a paz: ‘Eu vos dou a paz, não como a dá o mundo’. Em vez disso, o mundo de hoje quer apenas interesses pessoais, quer apenas ‘a matéria’, quer apenas ocupar aqui e ali porque nestes últimos dois meses duas ou três nações quiseram ocupar outras nações. É uma coisa terrível e por isso os nossos iraquianos estão em grandes dificuldades, eles sofrem tanto. Este é o apostolado do Santo Padre: semear a paz no mundo. E ele tira isso do Evangelho de Jesus, porque ele, Cristo, nos diz: ‘Amai-vos uns aos outros’. Portanto, pedimos ao mundo inteiro para fazer a paz, para ajudar verdadeiramente a semear a paz, sem interesses pessoais.

Todos [no Iraque] têm medo de que estejamos indo ao encontro da guerra e isso seria uma coisa terrível, porque a família iraquiana já está espalhada por todo o mundo: um filho neste país, um filho em outro país e assim por diante. Não temos paz, é por isso que só queremos paz e tranquilidade. Esperemos que seja isso que os chefes de Estado façam, porque o mundo inteiro está de cabeça para baixo: em vez de semear a paz, semeia-se o ódio. Agradecemos ao Santo Padre, mas pedimos ao mundo inteiro que reze, que volte a Deus: isto é o mais importante, porque, afastando-se de Deus, todo o mal possível é feito. Por isso, pedimos a todos vocês que rezem pela paz.

Uma paz duradoura e forte é possível? Eu não sei. Porque há interesses pessoais, quando o Senhor nos disse claramente durante dois mil anos que não podemos servir a riqueza (Mammona) e a Deus ao mesmo tempo: ou Deus ou a riqueza. É assim que as coisas estão. A maioria quer dinheiro. Onde está o mundo, onde está? Suplicamos ao mundo inteiro que reze pela paz, para ajudar a semear a paz”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia