Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Migrantes hondurenhos se aproximam do México na esperança de chegar aos EUA

CARAVAN
JOHAN ORDONEZ | AFP
Compartilhar

O grupo avança a pé ou sobre caminhões e ônibus, apesar da advertência do presidente guatemalteco

Centenas de migrantes hondurenhos que abandonaram seu país formando uma caravana se aproximaram nesta sexta-feira (17) da fronteira entre Guatemala e México, convencidos de que conseguirão chegar aos Estados Unidos, deixando para trás a pobreza e a violência.

Depois de cruzar a Guatemala, dezenas começam a se concentrar em duas passagens fronteiriças com o México, principalmente em Tecún Umán (sudoeste), uma rota usada por caravanas anteriores para entrar no território mexicano.

Alejandra Mena, porta-voz do Instituto Guatemalteco de Migração, disse à imprensa que a caravana é integrada por 3.543 personas, incluindo crianças, que saíram na noite de terça-feira de San Pedro Sula, norte de Honduras, e desde a quarta-feira começaram a entrar na Guatemala, onde se dispersaram.

Na tarde de sexta-feira não se reportou a entrada de hondurenhos, acrescentou a funcionária, ao indicar que o “monitoramento da atividade” se concentra em Tecún Umán.

O grupo avança a pé ou sobre caminhões e ônibus, apesar da advertência do presidente guatemalteco, Alejandro Giammattei, de que o México não os deixará entrar.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, ofereceu, entretanto, nesta sexta-feira, empregos à caravana de migrantes hondurenhos que, segundo as autoridades migratórias da Guatemala, é integrada por 3.543 pessoas, incluindo crianças.

A migração histórica de centro-americanos para os Estados Unidos, empurrados principalmente pela falta de emprego e o assédio das gangues, teve uma inflexão em 2018 com a saída de caravanas maciças convocadas nas redes sociais.

Essas caravanas provocaram a ira do presidente americano, Donald Trump, que pressionou Guatemala, Honduras e El Salvador a assinar acordos na intenção de conter a migração ilegal.

Boletim
Receba Aleteia todo dia