Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

FMI reduz estimativa de crescimento mundial, mas vê melhora no Brasil

AIR POLLUTION,CARS,HIGHWAY

MONEY SHARMA | AFP

Agências de Notícias - publicado em 27/01/20 - atualizado em 27/01/20

Espera-se que Brasil cresça 2,2% este ano, e 2,3% no ano que vem, após uma alta das estimativas

O Brasil deve crescer mais nos próximos anos, enquanto a América Latina vai tirar o pé do acelerador, em um contexto de melhora nas relações comerciais entre China e Estados Unidos, que reduziu as incertezas globais – declarou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta segunda-feira (20).

Apesar da atenuação dos riscos econômicos globais, o FMI alertou que os resultados econômicos “dependem em grande medida de evitar uma nova escalada” das tensões comerciais entre Washington e Pequim.

Na atualização de seu informe econômico mundial de outubro (WEO), o FMI reduziu em um décimo, a 3,3%, sua expectativa de crescimento para este ano. Em 2021, esta redução foi um pouco maior, a 3,4%.

A maior responsável pela revisão para baixo é a Índia, explicou o Fundo.

“Depois de uma desaceleração sincronizada em 2019, esperamos uma recuperação moderada do crescimento mundial neste ano e no próximo”, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em uma entrevista coletiva em Davos, na véspera do início da 50ª edição do Fórum Econômico Mundial, na estação de esqui suíça.

Já a América Latina continuará com crescimento baixo, e as projeções foram reduzidas para 1,6% em 2020, e 2,3% em 2021 – abaixo da média mundial.

O Brasil, contudo, melhorou. Espera-se que o país cresça 2,2% este ano, e 2,3% no ano que vem, após uma alta das estimativas.

A entidade explicou a revisão em alta de 0,2 ponto em 2020 na maior economia da região com “uma melhora na confiança após a aprovação da reforma da Previdência e menos interrupções do fornecimento no setor de mineração”.

O FMI reduziu o prognóstico regional, devido a uma queda na previsão de crescimento do México em 2020 e em 2021 e ao desempenho ruim do Chile. Este último foi atribuído à crise social iniciada em outubro, em uma onda de protestos contra a desigualdade.

“Esta revisão se deve a um corte nas perspectivas de crescimento para o México entre 2020-2021, devido, entre outras coisas, ao investimento persistentemente fraco, bem como a uma revisão descendente considerável para o Chile, afetado pela agitação social”, explicou o Fundo.

A ONG Oxfam publicou um relatório nesta segunda-feira em que revelou que há uma crescente concentração de riqueza e que, segundo seus cálculos, 2.153 milionários no mundo possuem mais de 60% do total da população mundial.

“As desigualdades indecentes estão no centro de fraturas e conflitos sociais em todo mundo”, afirmou Pauline Leclère, porta-voz da Oxfam France, em comunicado.

– EUA e China –

No mundo, a relação entre China e Estados Unidos, as maiores economias globais, continua abalada por “disputas não resolvidas” que mantêm o risco de problemas em potencial.

“O risco de um prolongamento de um crescimento global lento continua tangível, apesar de sinais de tentativas de estabilização”, diz o relatório.

“Erros de política nesse estágio podem enfraquecer ainda mais a própria economia global”, alertou o Fundo.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou na semana passada um acordo com a China que atenua o conflito comercial entre as duas potências. As tarifas sobre dois terços dos produtos importados da China continuam, porém, em vigor.

A trégua levou a uma melhoria do prognóstico de crescimento do PIB da China a 6% em 2020, com uma leve queda a 5,8% no ano seguinte. A economia chinesa já estava, contudo, em desaceleração.

Para os EUA, o FMI recortou em apenas um décimo, a 2%, sua expectativa de crescimento neste ano, e para 2021 espera 1,7%.

Desde 2018, Washington e Pequim aplicaram tarifas recíprocas sobre centenas de bilhões de dólares.

Na análise anterior, o FMI havia estimado que conflitos e tarifas comerciais reduziriam o crescimento mundial em 0,8 ponto. Dois terços desse dano correspondem a despesas e investimentos interrompidos, devido à incerteza comercial, segundo o Fundo.

Se as tensões reaparecerem, ou se Trump se envolver em disputas comerciais com a Europa, ou ainda se a tensão entre Estados Unidos e Irã aumentar, o comércio e o setor industrial serão prejudicados, e o crescimento global será menor do que o previsto, disse o Fundo.

– Desaceleração na Índia –

As perspectivas econômicas melhoraram um pouco para a União Europeia e a Grã-Bretanha, com a clareza maior nas perspectivas para o Brexit.

Em relação ao relatório de outubro, o FMI cortou novamente a previsão de crescimento esperado para a Índia em 1,2 ponto este ano, e 0,9 ponto em 2021, em função de uma queda maior do que o esperado na demanda doméstica, assim como de pressões crescentes no sistema financeiro indiano.

Embora a expansão permaneça relativamente robusta (5,8% em 2020, e 6,5% em 2021), não é suficiente para reduzir a pobreza nessa economia, avaliou o FMI.

Georgieva aconselhou os países a “continuarem fazendo as coisas que funcionam”, como políticas monetárias expansivas e a se concentrar no que pode “estimular o crescimento”.

Em sua apresentação, ela também enfatizou que as iniciativas destinadas a criar resiliência aos riscos que pairam sobre o sistema financeiro, mas também aos riscos climáticos, devem ser reforçadas.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia