Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A freira que foi esfaqueada para defender um padre durante a Missa

NOŻOWNIK
Brian A Jackson | Shutterstock
Compartilhar

Agressor entrou na igreja brandindo uma faca e gritando “eu sou o diabo, eu sou satanás”

Um homem de 57 anos, com transtornos mentais, entrou numa igreja de Gênova, na Itália, brandindo uma faca e gritando “eu sou o diabo, eu sou satanás“.

Ao perceber que ele pretendia atacar o pe. Giovanni Battista Delfino, celebrante da Missa, uma religiosa indiana se interpôs para defender o sacerdote e levou facadas no pescoço. A corajosa irmã Divya, de 30 anos, foi imediatamente levada para um hospital e não corre risco de morte.

Ela faz parte das Filhas da Divina Providência de Don Aste e estava na igreja porque a sua comunidade costuma participar ali da Missa e da Adoração Eucarística.

Depois do ataque na igreja, enquanto a irmã Divya era atendida, o pe. Giovanni conseguiu acalmar o agressor até a chegada da polícia. Quando os policiais entraram, porém, ele tentou novamente atacar o padre, mas não conseguiu ferir mais ninguém. Ele teria perdido os pais havia pouco tempo e, desde então, passou a manifestar transtornos mentais.

Uma religiosa da mesma congregação da irmã Divya relatou:

“Havia muita confusão e muito medo na igreja. As pessoas se afastaram do homem, que tinha uma faca grande e um frasco de gás de pimenta”.

Segundo o jornal Avvenire, da Conferência Episcopal Italiana, a irmã Divya é conhecida e muito querida na localidade, onde atende as crianças do setor infantil do hospital administrado pela sua congregação. Ela também é catequista na paróquia de San Francesco, onde ocorreu o ataque no dia 31 de janeiro.

Boletim
Receba Aleteia todo dia