Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 16 Abril |
Santa Maria Bernarda (Bernadete) Soubirous
home iconEstilo de vida
line break icon

A cura para a solidão que o mundo nunca vai te revelar

LONELINESS

Flegere - Shutterstock

Robert McTeigue, SJ - publicado em 10/02/20

À Igreja foram confiados os remédios para solidão

Se você teve a sorte de ouvir boa parte da melhor música country-ocidental ou o de ler a maioria das poesias adolescentes, sabe que a solidão é dolorosa, penetrante e perene. No entanto, a experiência e a consciência da solidão parecem estar se acelerando hoje em dia. Psicólogos falam sobre uma epidemia de solidão; os carteiros são, inclusive, treinados para procurar sinais de que um morador possa ter morrido sozinho, robôs estão sendo projetados para serem companheiros de idosos; os (ricos) sem filhos falam de seus animais de estimação como bebês

O que está acontecendo com o mundo? Faço essa pergunta porque recentemente entrevistei o pesquisador e escritor Francis Etheredge, abordando o tópico “Quando a vida humana começa?”. A conversa, misteriosamente, evoluiu para uma reflexão sobre a solidão.

Em resumo: nós, seres humanos, somos criados a partir da generosidade absoluta e infinita à imagem e semelhança de Deus – isto é, somos racionais, livres, morais e sociais; nossos corpos e almas são lembretes permanentes de que somos feitos para a comunhão e a comunidade; a razão indica e o Apocalipse confirma que somos feitos para uma perfeita realização no amor (isto é, em comunhão com a vida Santíssima Trindade). Como então, criaturas de tal origem, natureza e destino podem sofrer com a solidão generalizada e crônica?

Vamos começar com o óbvio e trabalhar o nosso caminho até as raízes.

Um bom lugar para começar é com um dos meus blogueiros favoritos, Dean Abbott: “A tarefa incessante do homem moderno é disfarçar o quão solitário, assustado e confuso ele está entre todas as suas bugigangas”.

Tanto a modernidade quanto a sabedoria perene da Igreja concordam que não devemos sofrer de solidão generalizada e teimosa. A modernidade, prometendo libertar todos nós de Deus e de nossa alma, garantiu-nos que todos os nossos anseios poderiam ser satisfeitos com brinquedos e prazeres. Quando isso não funciona, o único remédio é se esforçar mais, com brinquedos mais brilhantes e prazeres mais intensos. Já sabemos que isso não funciona. E isso não funciona porque somos criaturas espirituais, e não apenas acidentes corporais circulando e esperando a morte.

CS Lewis nos aponta na direção certa: “A exigência dos que não têm amor e dos que se aprisionam a si mesmos de que eles possam chantagear o universo: que até que eles consintam em ser felizes (em seus próprios termos), ninguém mais experimentará a alegria: que o deles deveria ser o poder final; que o inferno possa vetar o céu. ”

Esse é um grande primeiro passo – devemos admitir que vivemos em uma cultura que facilita (e até prospera com) o cultivo da solidão patológica. Quando organizamos nossas vidas individuais e sociais em torno de tentar ser humano em nossos próprios termos, em vez de estarmos em harmonia com a realidade, nos tornamos infelizes e, deixados sem tratamento, nos tornamos irritantes e rancorosos.

Por que nós fazemos isso? Mais uma vez, passemos a C.S. Lewis: “Se aceitarmos o Céu, não seremos capazes de reter nem mesmo as menores e mais íntimas lembranças do Inferno”.

Lewis identifica para nós a raiz do problema. Uma cultura que acelera e aprofunda a solidão – ao mesmo tempo tão desumana quanto ímpia – é construída sobre uma idolatria, uma vontade rebelde que rejeita o que Deus oferece. Se queremos ser felizes e construir famílias, comunidades, culturas e uma civilização humana e humanizada – isto é, levando-nos à nossa realização pretendida por Deus – então devemos estar livres de nossas ilusões para nos tornarmos livres para a felicidade verdadeira e duradoura.

Mas como podemos fazer isso?

Nosso intelecto é obscurecido, nossa vontade é enfraquecida e parece que nossa capacidade de egoísmo, vício e ilusão é difícil, se não impossível, de remediar. A Igreja sempre soube que a natureza humana é comprometida pelo pecado original e, portanto, não pode ter felicidade verdadeira e duradoura nesta vida ou na próxima – além da obra salvadora de Cristo.

Foram confiados à Igreja os remédios para a solidão: o Evangelho e os sacramentos. As pessoas que conhecem e amam a Cristo, que vivem de acordo com o Evangelho e o encontram lá e nos sacramentos – elas e somente elas – sabem quem são e de quem são. Sendo curadas e aperfeiçoadas pela graça, elas podem dar e receber o amor que Deus sempre pretendeu para os seres humanos. Que a Igreja proclame que o remédio para a solidão é Cristo!


ERASMUS RELIGIJNY

Leia também:
O guia definitivo para vencer a solidão

Tags:
evangelhoSacramentossolidao
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia