Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A cura para a solidão que o mundo nunca vai te revelar

LONELINESS
Flegere - Shutterstock
Compartilhar

À Igreja foram confiados os remédios para solidão

Se você teve a sorte de ouvir boa parte da melhor música country-ocidental ou o de ler a maioria das poesias adolescentes, sabe que a solidão é dolorosa, penetrante e perene. No entanto, a experiência e a consciência da solidão parecem estar se acelerando hoje em dia. Psicólogos falam sobre uma epidemia de solidão; os carteiros são, inclusive, treinados para procurar sinais de que um morador possa ter morrido sozinho, robôs estão sendo projetados para serem companheiros de idosos; os (ricos) sem filhos falam de seus animais de estimação como bebês

O que está acontecendo com o mundo? Faço essa pergunta porque recentemente entrevistei o pesquisador e escritor Francis Etheredge, abordando o tópico “Quando a vida humana começa?”. A conversa, misteriosamente, evoluiu para uma reflexão sobre a solidão.

Em resumo: nós, seres humanos, somos criados a partir da generosidade absoluta e infinita à imagem e semelhança de Deus – isto é, somos racionais, livres, morais e sociais; nossos corpos e almas são lembretes permanentes de que somos feitos para a comunhão e a comunidade; a razão indica e o Apocalipse confirma que somos feitos para uma perfeita realização no amor (isto é, em comunhão com a vida Santíssima Trindade). Como então, criaturas de tal origem, natureza e destino podem sofrer com a solidão generalizada e crônica?

Vamos começar com o óbvio e trabalhar o nosso caminho até as raízes.

Um bom lugar para começar é com um dos meus blogueiros favoritos, Dean Abbott: “A tarefa incessante do homem moderno é disfarçar o quão solitário, assustado e confuso ele está entre todas as suas bugigangas”.

Tanto a modernidade quanto a sabedoria perene da Igreja concordam que não devemos sofrer de solidão generalizada e teimosa. A modernidade, prometendo libertar todos nós de Deus e de nossa alma, garantiu-nos que todos os nossos anseios poderiam ser satisfeitos com brinquedos e prazeres. Quando isso não funciona, o único remédio é se esforçar mais, com brinquedos mais brilhantes e prazeres mais intensos. Já sabemos que isso não funciona. E isso não funciona porque somos criaturas espirituais, e não apenas acidentes corporais circulando e esperando a morte.

CS Lewis nos aponta na direção certa: “A exigência dos que não têm amor e dos que se aprisionam a si mesmos de que eles possam chantagear o universo: que até que eles consintam em ser felizes (em seus próprios termos), ninguém mais experimentará a alegria: que o deles deveria ser o poder final; que o inferno possa vetar o céu. ”

Esse é um grande primeiro passo – devemos admitir que vivemos em uma cultura que facilita (e até prospera com) o cultivo da solidão patológica. Quando organizamos nossas vidas individuais e sociais em torno de tentar ser humano em nossos próprios termos, em vez de estarmos em harmonia com a realidade, nos tornamos infelizes e, deixados sem tratamento, nos tornamos irritantes e rancorosos.

Por que nós fazemos isso? Mais uma vez, passemos a C.S. Lewis: “Se aceitarmos o Céu, não seremos capazes de reter nem mesmo as menores e mais íntimas lembranças do Inferno”.

Lewis identifica para nós a raiz do problema. Uma cultura que acelera e aprofunda a solidão – ao mesmo tempo tão desumana quanto ímpia – é construída sobre uma idolatria, uma vontade rebelde que rejeita o que Deus oferece. Se queremos ser felizes e construir famílias, comunidades, culturas e uma civilização humana e humanizada – isto é, levando-nos à nossa realização pretendida por Deus – então devemos estar livres de nossas ilusões para nos tornarmos livres para a felicidade verdadeira e duradoura.

Mas como podemos fazer isso?

Nosso intelecto é obscurecido, nossa vontade é enfraquecida e parece que nossa capacidade de egoísmo, vício e ilusão é difícil, se não impossível, de remediar. A Igreja sempre soube que a natureza humana é comprometida pelo pecado original e, portanto, não pode ter felicidade verdadeira e duradoura nesta vida ou na próxima – além da obra salvadora de Cristo.

Foram confiados à Igreja os remédios para a solidão: o Evangelho e os sacramentos. As pessoas que conhecem e amam a Cristo, que vivem de acordo com o Evangelho e o encontram lá e nos sacramentos – elas e somente elas – sabem quem são e de quem são. Sendo curadas e aperfeiçoadas pela graça, elas podem dar e receber o amor que Deus sempre pretendeu para os seres humanos. Que a Igreja proclame que o remédio para a solidão é Cristo!

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia