Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconEspiritualidade
line break icon

O contexto cultural da espantosa deusa-mãe esmagada pela Virgem de Guadalupe

Reportagem local - publicado em 13/02/20

O povo asteca vivia sob o horror dos massivos sacrifícios humanos em oferenda a ídolos de brutal crueldade

O Dr. Andrés Brito Galindo é doutor em Ciências da Informação pela Universidade de Burgos e professor de Antropologia da Educação no Centro de Estudos Teológicos de Tenerife. Ambas as instituições ficam na Espanha. É dele a conferência “Os mistérios da tilma de Guadalupe“, já visualizada mais de 2 milhões de vezes no YouTube.

A “tilma” em questão é o poncho ou manto usado pelo indígena São João Diego e sobre o qual a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe ficou inexplicavelmente estampada. A seu respeito, o professor faz uma exposição longa e minuciosa, rica em detalhes religiosos, espirituais, científicos e históricos. O Dr. Andrés, diga-se de passagem, é também especialista em Astrofísica e em estudos sobre o Santo Sudário, outro tecido cujos mistérios não puderam até hoje ser desvendados pela ciência, apesar de inúmeras tentativas.

O milagre guadalupano

No idioma de seu povo, São João Diego se chamava Cuauhtlathohuac, isto é, “Aquele que fala como a águia”. Nascido em 1474, ele tinha 57 anos quando Nossa Senhora lhe apareceu e orientou a abrir o seu manto na presença do bispo, momento em que a imagem de Guadalupe ficou estampada sobre o tecido rústico – feito, aliás, de uma fibra vegetal muito frágil, que não poderia ter durado mais de 20 anos e que, no entanto, já tem quase 490 e continua inexplicavelmente em perfeito estado de conservação, mesmo tendo sido alvo de atentado químico.

Ao mesmo tempo, Nossa Senhora aparece também a Juan Bernardino, parente enfermo de São João Diego: além de curar a sua doença, ela lhe revela o seu verdadeiro nome. Este ponto é de imensa importância, mas, para ser compreendido, requer que se conheça um pouco mais da mitologia dos astecas e da história que os envolve naquele momento.

O contexto histórico

O milagre de Guadalupe acontece em 12 de dezembro de 1531, 40 anos após a chegada de Colombo ao continente americano e 10 anos após a conquista do México pelo espanhol Hernán Cortés e sua tropa de 500 soldados – muito poucos diante dos milhões de habitantes do Império Asteca, que não poderia ser considerado um império “indefeso”: os astecas dominavam avançadas técnicas de arquitetura e infraestrutura, eram astrônomos extraordinários, tinham exércitos vultosos com os quais submetiam cerca de 300 tribos da região e, frise-se, eram adeptos de frequentes e implacáveis sacrifícios humanos em oferenda às cruéis deidades que idolatravam.

Um desses deuses era Huitzilopochtli, divindade canibal da guerra: para os astecas, o sol só sairia no dia seguinte se Huitzilopochtli fosse alimentado com as entranhas de vítimas de sacrifícios rituais, pois isto o impediria de comer o sol. Em um dos templos chegava a existir uma estátua de Huitzilopochtli de boca aberta, pela qual era emitida uma voz medonha pedindo mais vítimas e declarando ter sede de sangue.

As crônicas de 1519 narram que Hernán Cortés ficou horrorizado a ponto de destruir ele próprio aquele ídolo a marretadas.

Os astecas acreditavam que o oferecimento de sangue a Huitzilopochtli garantia a continuidade do mundo. O derramamento era tamanho que as populações locais viviam apavoradas com a perspectiva de que a próxima vítima poderia ser qualquer um deles ou de seus filhos.

Andrés de Tapia e Gonzalo de Umbria contaram 136.000 caveiras humanas em apenas um templo. Chegou-se a calcular que cerca de 100.000 vítimas eram sacrificadas por ano a Huitzilopochtli.

O terror da deusa-mãe

E se o simples conhecimento das características de Huitzilopochtli é capaz de despertar repulsa e horror até os nossos dias, o Dr. Brito Galindo nos alerta para nos prepararmos antes de saber quem era a deusa-mãe de Huitzilopochtli: Coatlicoe, correspondente, mais ou menos, à Pachamama dos incas.

Trata-se de um ídolo de cuja cabeça saíam duas serpentes, com outras duas formando os braços e garras de ave de rapina constituindo os pés. A essa aberração em forma de ídolo, os astecas sacrificavam mulheres grávidas, arrancando-lhes os fetos para dissecar a sua cabeça e fazer colarinhos de pequenos crânios para adornar a satânica deusa-mãe. Representações posteriores incluem nesses colares corações, mãos e caveiras.

E agora vem um dos dados mais arrepiantes: o templo de Coatlicoe ficava na colina do Tepeyac – precisamente aquela sobre a qual apareceu Nossa Senhora de Guadalupe.

E qual é, então, o nome com que Nossa Senhora se apresenta a Juan Bernardino?

Tequatlasupe, termo que acabou se popularizando como Guadalupe, que foi como os espanhóis o entenderam porque não falavam bem a língua dos astecas.

E o que quer dizer a palavra Tequatlasupe?

Quer dizer, nada menos, “Aquela que esmaga a serpente”.

Tags:
guadalupeHistóriaNossa Senhora
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia