Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 28 Setembro |
Santos Alfeu, Alexandre e Zósimo
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Eles adotaram 6 sobrinhos que perderam os pais em um acidente

NEBOT BAYANO

Gentileza

Dolors Massot - publicado em 14/02/20

Miguel e Elisa estavam esperando o terceiro filho quando receberam a terrível notícia: uma irmã e o marido haviam morrido em um acidente de trânsito. Eles deixaram 6 crianças órfãs. Então eles decidiram dar um passo que mudou suas vidas

Miguel Nebot, 39 anos, e Elisa Bayano, 37,  são um casal que vive em Bilbao (Espanha). Ele é autônomo em desenvolvimento de projetos, e ela é farmacêutica.

Eles tinham dois filhos, e Elisa estava grávida do terceiro (uma menina) quando receberam um golpe: no dia 15 de maio de 2018, a irmã de Elisa, chamada Teresa, e seu marido, Xavi Prats, morreram em um terrível acidente de trânsito em uma rodovia. Soria, a avó, mãe de Elisa e Miguel, também morreu no evento.

Teresa e Xavi eram pais de 6 filhos, com idades entre 8 e 18 anos. O que aconteceria com essas crianças?

“Conversamos sobre isso em família e o que percebemos era a necessidade de não separar as crianças”, explica Miguel.

Por outro lado, havia ocorrido algo misterioso antes: “Há algum tempo, Xavi e Teresa tinham nos perguntado se cuidaríamos das crianças caso algo acontecesse com eles. São coisas para as quais você não dá relevância, mas que depois adquirem todo o significado. Tínhamos respondido que sim.”

Mudança

Então, depois de chegarem a um acordo em família, Elisa e Miguel decidiram dar as boas-vindas aos 6 sobrinhos e levá-los para morar com eles, em Bilbau.

Na semana passada, a Associação de Famílias Grandes de Euskadi concedeu a eles o Prêmio Hirukide “por sua atitude exemplar e generosidade diante das adversidades”. Miguel e Elisa não queriam prêmios, mas agradeceram porque isso ajudou a divulgar sua experiência.

“Não é fácil”, diz Miguel. “Estamos a caminho da reconstrução.” Para eles, o mais importante é garantir que os 9 filhos da família “se amem como irmãos”.

“No dia a dia você está lutando para avançar, e nisso o relacionamento com Deus é primordial. Uma de minhas filhas diz que, se isso acontecesse com alguém que não tem fé, daria pena.

Encontrar o sentido da vida nessa situação também exigiu um crescimento enquanto casal. “Elisa e eu estamos avançando no caminho do amor conjugal. Percebo que meu relacionamento com Deus está mudando e descobri que o sacramento do matrimônio é o mais lindo dos sacramentos.”

Amar e ser amados

Ao receber os 6 filhos de Teresa e Xavi Prats, muitas coisas tiveram de ser repensadas. Miguel deixou o emprego (como consultor em Madri) e agora ajuda Elisa na farmácia.

“Aprendi – ele explica – que o trabalho é apenas um meio de realizar a coisa mais importante que buscamos nesta vida, que é amar e ser amado.”

A habitação também foi outro capítulo: eles tiveram de encontrar outra casa onde os onze se encaixassem.

“No começo, você não tem tempo para viver a dor pela morte de sua irmã, sua mãe e seu cunhado, porque você só tem cabeça para cuidar das mil tarefas que surgiram”, disse Elisa.

Aprender a pedir ajuda

Mas, no meio da desgraça, Miguel e Elisa agora veem um crescimento enorme. “A família nos ajuda muito. Eu venho de uma família de 12 irmãos e Xavi também é de uma família numerosa”.

“Aprendemos a pedir ajuda, e eles se voltam para o que precisamos. Existe suporte constante em tudo, desde questões legais, que não são fáceis, até conselhos e orientações.”

Ainda é muito cedo para fazer um balanço, mas Miguel enfatiza que “no final, você sempre pensa que será melhor para nossos filhos biológicos que esses novos irmãos tenham chegado”. Para Elisa, a união da família, o amor e a dedicação são o motor que faz as coisas avançarem.

Miguel não duvida: “o melhor que meus pais me deixaram são meus irmãos. E, no final, o que Elisa e eu estamos procurando é que todos se amem como irmãos.”

“Isso não é alcançado com um dia ou dois, mas é alcançado com a vivência e o tempo. Quando me casei, pensei que sabia muito sobre a vida, mas é agora que estou realmente aprendendo. E confiar em Deus é essencial”, diz.

Tags:
FamíliaMorteTestemunhoVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Claudio de Castro
O Purgatório e o misterioso alarme das 3 da manhã
2
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
3
Maria Paola Daud
O dia em que Nossa Senhora parou a lava do vulcão Etna
4
Caio Batista, jovem ex-protestante que se tornou católico
Reportagem local
Carta de jovem ex-protestante repercute nas redes: “Sim, eu me to...
5
Vulcão Cumbre Vieja
Violeta Tejera
Vulcão Cumbre Vieja obriga pároco a evacuar capela às pressas
6
Santa Missa
Reportagem local
Quanto tempo devemos chegar antes da Missa?
7
Irmã Cecilia
Reportagem local
Quem sorri assim no momento da morte?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia