Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco fala do “dom das lágrimas”: chorar faz parte da cura da alma

POPE FRANCIS
Antoine Mekary | Aleteia
Compartilhar

“Deus sempre perdoa, não se esqueçam disto. Mesmo os piores pecados. O problema está em nós, que nos cansamos de pedir perdão”

Dando continuidade às catequeses sobre as bem-aventuranças, o Papa Francisco falou na Audiência Geral desta quarta-feira, 12/02, sobre a segunda delas: “Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados“.

Francisco explicou que o choro pode ter dois aspectos nas Sagradas Escrituras:

  • o sofrimento pela morte ou pela dor de alguém;
  • as lágrimas pelo pecado, quando o coração sofre por ter ofendido a Deus e o próximo.

Nesse contexto, o Papa mencionou o “dom das lágrimas”:

“Podemos amar de maneira fria? Podemos amar por obrigação, por dever? Com certeza não! Existem pessoas aflitas para consolarmos, mas, às vezes, também existem consolados que precisam sofrer a aflição, para despertarem, porque têm um coração de pedra e desaprenderam a chorar. Despertar quem não sabe se comover com a dor dos outros”.

A dor do luto, por exemplo, é um caminho amargo, mas pode ser útil para abrir os olhos sobre a vida e o valor sagrado de cada pessoa, ressaltou o Papa, enfatizando ainda a brevidade do tempo.

Quanto ao choro do arrependimento, Francisco disse que é preciso diferenciar entre quem chora pelo orgulho ferido de ter errado e quem chora porque entende que rompeu sua relação com Deus:

“Este é o choro por não ter amado: porque não se corresponde ao Senhor, que nos quer tão bem, e nos entristece o pensamento do bem não feito; este é o sentido do pecado. Deus seja louvado se nos vierem essas lágrimas!”

Francisco agregou que enfrentar os próprios erros é “difícil, mas vital”, e citou o exemplo de São Pedro, cuja decepção o levou a amar mais: Pedro olhou para Jesus, chorou e teve o coração renovado. Judas, por outro lado, não aceitou o seu erro e se suicidou.

“Entender o pecado é um dom de Deus, é uma obra do Espírito Santo. Nós, sozinhos, não podemos entender o pecado. É uma graça que temos que pedir: ‘Senhor, que eu entenda o mal que fiz ou que posso fazer’. É um grande dom. E depois de entender isso, vem o choro do arrependimento. Deus sempre perdoa, não se esqueçam disto. Mesmo os piores pecados. O problema está em nós, que nos cansamos de pedir perdão. Este é o problema: quando alguém se fecha, não pede perdão e Ele está ali para perdoar. Que o Senhor nos conceda amar em abundância, amar com o sorriso, com a proximidade, com o serviço e também com o choro”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia