Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As andorinhas nos ensinam com simplicidade a importância de ser nós mesmos

andorinha; swallow; golondrina
CC
Compartilhar

As andorinhas estão contentes sendo andorinhas: não pretendem ter a imponência das águias, a elegância dos pavões ou o melodioso canto dos rouxinóis

Compartilhamos a seguir um belo texto escrito pela irmã Giuliana d’Amaro, EP, publicado na revista Arautos do Evangelho e reproduzido via agência Gaudium Press.

Cena de verão

Há uma cena muito conhecida por aqueles que vivem em um país de latitude tropical: durante os dias de verão, junto aos telhados, deslizam pelo céu algumas dezenas de pássaros. São pequenos e delicados, porém o contorno de suas asas pontudas é de uma perfeição retilínea, de tal modo que se assemelham a tesourinhas cortando o ar. O padrão das cores de sua plumagem, branco alternado com azul-marinho ou preto, faz-nos recordar o hábito dominicano: …são as andorinhas.

As andorinhas

É notável a vivacidade destes simpáticos animais: seu voo é ágil, o bater de suas asas, ligeiro: parecem brincar entre si fazendo acrobacias no ar e lançando-se para cima e para baixo… Às vezes, vemo-las dar uns voos rasantes e passar a milímetros dos obstáculos que surgem em seu caminho. Quase se diria que estão a festejar a luz do sol! Ao contemplar esse espetáculo, tem-se uma impressão de suavidade e leveza, ao mesmo tempo que nos é transmitido um sentimento de regozijo.

As andorinhas estão contentes sendo andorinhas e fazendo aquilo que uma ave como elas faz! Rejubilam-se em planar pela imensidão celeste, estendendo suas asas ao sol e deixando-se carregar pela brisa vespertina. Sua vivacidade é um verdadeiro reflexo da alegria de viver, sendo aquilo que se é com toda a simplicidade.

Nada de comparações

Não pretendem ter a imponência das águias, o esplendor dos beija-flores ou a elegância dos pavões. Antes, sua beleza é delicada e cheia de inocência.

Também nunca se ouviu dizer que apresentassem um canto melodioso, como os rouxinóis e os canários. Entretanto, o seu singelo pipilar sugere-nos a mesma alegria que caracteriza o seu modo de ser.

A alegria de ser: a verdadeira felicidade

Assim devemos ser nós. Não precisamos estar preocupados em nos tornar algo para o qual não fomos feitos, ou em demonstrar qualidades e aptidões que não possuímos. Cada alma é chamada a fazer resplandecer em si determinado aspecto das infinitas perfeições de Deus. E é refletindo de forma única essa luz específica que o homem realiza sua missão, dando glória ao Pai Celeste.

Eis a verdadeira felicidade: saber-se filho de Deus, fonte da eterna paz e do júbilo supremo! Eis a alegria das almas inocentes que, como pequenas andorinhas imersas no vasto azul do céu, vivem tranquilas por sentirem-se dentro de seu Criador. N’Ele são livres, e somente n’Ele são felizes.

Esta é a vontade de Deus

A contemplação dessas avezinhas nos convida a elevar nossas vistas às realidades superiores, às doçuras celestes. Quase se poderia dizer que ali não estão somente pássaros a voar, mas também – e sobretudo – uma revoada de Anjos a cantar as maravilhas de Deus, transmitindo-nos o seu próprio gáudio.

Desse modo, o voo das andorinhas nos remete àquelas palavras das Sagradas Escrituras:

Caminhai sempre alegres, pois esta é a vontade de Deus a vosso respeito” (cf. I Tes 5, 16-18).

___________

Publicado na revista Arautos do Evangelho pela Irmã Giuliana d’Amaro, EP (via Gaudium Press)

Boletim
Receba Aleteia todo dia