Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como fazer seu cônjuge se sentir mais amado

TRAVEL
Shutterstock | Vera Petrunina
Compartilhar

As pessoas têm expectativas diferentes em relação à expressão do amor

Quando decidimos embarcar na vida de casados, fazemos isso com um sincero desejo de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para trazer felicidade à pessoa com quem escolhemos compartilhar nossa vida e amar por toda vida.

No entanto, esse desejo pode se frustrar se percebermos que, apesar de nossa boa vontade e de nossas ações feitas por amor, nosso cônjuge não se sente amado e há conflitos persistentes entre nós.

Uma razão para o problema pode ser que chegamos ao casamento apenas com o conceito de amor que experimentamos em nossa família quando criança.

É bem possível que reproduzamos o que aprendemos com nossos pais, mas as maneiras de amar e se sentir amados não são as que nosso cônjuge está acostumado ou esperando.

Precisamos examinar como nosso cônjuge expressa e experimenta o amor, para entender como se adaptar a fim de lhe dar a energia emocional de que precisa e renovar nosso amor mútuo.

Veja como ele(a) expressa o amor

Ser bom observador nos ajudará a identificar os padrões de comportamento da maneira como a pessoa que amamos expressa amor pelos outros – como ele ou ela se relaciona habitualmente com outras pessoas e mostra afeto.

Ele(a) mostra sua afeição com presentes? Ele(a) faz isso com uma ligação? Essas informações podem ser muito valiosas, porque normalmente nos comportamos em relação às pessoas que amamos do modo como gostaríamos que elas se comportassem em relação a nós. Ou seja, esperamos receber o mesmo tipo de tratamento em troca.

Identifique a reclamação mais comum que ele(a) nos faz

Quando não nos sentimos amados, geralmente manifestamos isso de alguma forma. Uma maneira comum é reclamar. Quando nosso cônjuge se queixa, vale a pena olhar além da negatividade do comentário para entender o que a pessoa quer nos dizer naquele momento, embora possa ser difícil.

Saber ouvir o que nosso cônjuge precisa ou espera de nós pode nos ajudar a preencher um vazio emocional que ele(a) está enfrentando. Se nosso cônjuge está sempre reclamando porque “ninguém tira o lixo”, tirando-o, podemos oferecer o tipo de amor pelo qual eles se sentem valorizados.

Observe o que ele(a) nos pede com mais frequência

Algo que uma pessoa tende a solicitar com frequência é claramente importante para ela. No caso das mulheres, esses pedidos às vezes são menos diretos do que quando feitos pelos homens, mas suas palavras sempre serão uma mensagem que comunica o que as faz se sentir amadas.

Nosso cônjuge costuma pedir abraços? Ou que cuidemos de nossas roupas? Se ouvirmos esses pedidos com frequência, podemos antecipar seus desejos e fazer esses atos de amor para surpreendê-lo(a) e dar o que ele(a) esper de nós.

Pergunte-lhe o que o faz se sentir amado

Podemos iniciar uma conversa com nosso cônjuge para perguntar como e quando ele(a) se sente mais amado, que situações o(a) inspira ou parecem mais românticos para ele(a) e quais são suas expectativas concretas quando falam sobre amor.

É uma boa ideia estabelecer metas pedindo ao cônjuge que faça uma lista das coisas que ele(a) gostaria que fizéssemos por um período de tempo. Pergunte a ele(a) como podemos amá-lo(a) melhor; como ele(a) poderia se sentir mais amados de acordo com o que entende por amor.

Em resumo, para que os relacionamentos funcionem, precisamos aprender a amar as pessoas como elas querem ser amadas, não apenas como estamos acostumados a amar (e elas devem fazer o mesmo por nós).

Isso requer prestar atenção um ao outro e a todas as formas de comunicação verbal e não verbal que usamos na vida cotidiana. A prática leva à perfeição. Com base nos pontos mencionados acima, o que podemos fazer hoje para amar melhor?

Boletim
Receba Aleteia todo dia