Aleteia

O que perdemos com a “revolução” sexual

couple silence
© Song_about_summer - Shutterstock
Compartilhar

Ninguém mais sabe para que serve o sexo. O homem se acostumou de tal modo a praticar o ato por puro prazer que, talvez, as crianças tenham mesmo de começar a vir carregadas por cegonhas.

O termo “revolução sexual”, usado para denominar as mudanças sociais e culturais acontecidas na década de 1960, que acompanharam principalmente a invenção da pílula anticoncepcional, é uma expressão enganosa, para dizer o mínimo.

Primeiro porque, para os nossos contemporâneos, a palavra revolução é quase sempre algo positivo. Evoca a descoberta de alguma coisa a respeito do que “está sendo revolucionado” e à qual ainda não se havia dado a merecida atenção. Supõe ainda que se está extraindo, a partir dele mesmo, o melhor de um dado objeto. É como se os hippies dos anos 60 tivessem aportado numa praia de nudismo e descoberto um mundo a que o homem, até então, não tivera acesso. O novo mundo era a América, agora é o sexo.

Nós, fundamentalistas?

Exagero? Os livros que contam a história recente da humanidade falam do advento da pílula, do divórcio e das chamadas “liberdades sexuais” como grandes avanços. E ponto. Contrapostos aos “horrores” da rigorosa moral medieval e da queima de seus infratores nas fogueiras da Inquisição, esses fatos constituem para muitos uma verdadeira “libertação”. É o que escreve uma jornalista, por exemplo:

O sexo evoluiu da condição de pecado para a de manifestação inevitável e saudável de vida. A tolerância em torno dele, seja profissional [sic], seja amador, tornou-se universal. A última barreira é o preconceito contra homossexuais, mas ele perde espaço em toda parte. Apenas nas sociedades pré-modernas, em que o fundamentalismo religioso e os comportamentos tradicionais ainda vigoram, persistem a proibição sexual e as patrulhas do comportamento.

Comecemos por dizer que não, o sexo não evoluiu da condição de pecado porque, em si mesmo, ele nunca foi pecado. Abusus non tollit usum. O abuso de algo não tolhe o seu uso. A existência de pecados sexuais pressupõe, na verdade, que há um modo correto de relacionar-se sexualmente. E é contra isso que a chamada “revolução sexual” se insurgiu.

Também as nossas sociedades continuam cheias de proibições sexuais, e creio que até a nossa jornalista, tão elogiosa do sexo, “seja profissional, seja amador”, haveria de convir que não seria nada interessante pôr abaixo todas elas. Se ela abrir um velho manual de teologia moral católica, deparará não só com os palavrões fornicação, adultério e masturbação, mas também com incesto, estupro e bestialismo. Será que a “superação” dessas formas de relacionar-se sexualmente também seria uma “evolução”? Há grupos hoje que defendem a “livre manifestação afetivo-sexual das crianças” — expressão bonita que arrumaram para pedofilia. Digam-nos os arautos da revolução sexual: “avançar” a ponto de normalizar esse tipo de comportamento seria aceitável? O Código Penal brasileiro reserva um título especial para “crimes contra a dignidade sexual”, entre os quais constam o estupro e o assédio. Também seria o caso de acabar com eles?

Supondo que nossos interlocutores ainda não tenham perdido de todo o bom senso e respondam não a todas estas perguntas, o que mais podemos dizer deles? Que não passam de um bando de “fundamentalistas” e “preconceituosos”? Ora, só alguém fora do juízo para defender o sexo totalmente livre. Não só não “é proibido proibir”; é muitíssimo sadio fazê-lo, é a única forma de nos protegermos da selvageria.

A pergunta central é: quais são os verdadeiros critérios de proibição? Se deixássemos ao arbítrio dos indivíduos o decidir se esta ou aquela é a melhor forma de relacionar-se sexualmente, isso facilmente abriria as portas para comportamentos bastante destrutivos. Se, por outro lado, encarregássemos disso o Estado, só teríamos proibidos justamente os comportamentos mais destrutivos. Não queremos isso, mas também não queremos o caos social. A quem recorrer, então?

Ninguém mais sabe para que serve o sexo

A posição dos cristãos católicos é a seguinte: se Deus criou o sexo, é a Ele, o Autor da natureza, que devem ser feitas as perguntas a esse respeito, e não ao governo, nem aos pedagogos, tampouco aos sexólogos. Até mesmo os sacerdotes e pais de família só devem ser escutados, nessa matéria, na medida em que procuram conformar suas opiniões e conselhos ao que Deus revelou por meio de Nosso Senhor e de sua santa Igreja. Caso contrário, estamos à mercê das opiniões; destas, porém (e não só de boas intenções), o inferno está cheio. Só a verdade liberta; é atrás dela que devemos ir.

E a verdade nessa matéria (comecemos por diagnosticar o problema de nossa época) é que ninguém sabe mais para que serve o sexo. O homem se acostumou de tal modo ao sexo por puro prazer que, talvez, as crianças tenham mesmo de começar a vir carregadas por cegonhas… Em alguns lugares isto já é real: é mais fácil as crianças caírem do céu do que serem concebidas e nascerem normalmente. Se se leva isso em conta, a última coisa que a revolução sexual fez foi transformar o sexo em uma “manifestação inevitável e saudável de vida”, como quer a nossa jornalista. Depois da pílula, nunca se evitaram tanto os filhos; depois do aborto, nunca se mataram tantos depois de concebidos. O nome disso não é vida; é esterilidade e morte.

Mas por que chegamos a essa situação? Porque a revolução sexual, longe de “revolucionar” o sexo (trazendo algum aspecto dele que não conhecíamos ou ainda não haviamos apreciado suficientemente), o que realmente fez foi desnaturá-lo. Depois da pílula e da legalização generalizada do aborto, os seres humanos se habituaram aos que Santo Tomás de Aquino considerava, já no século XIII, os mais graves dos pecados sexuais: aqueles que são cometidos contra a natureza mesma do sexo (contra naturam).

É interessante notar que, embora as pessoas, quase de imediato, associem esta expressão ao ato homossexual, a doutrina moral da Igreja sempre incluiu, no rol dos pecados “contra a natureza”, não só a sodomia, mas qualquer relação que vá contra a capacidade de gerar vida. Assim, vão contra a natureza não só os homossexuais, mas também os jovens que se tocam, os casais que praticam a contracepção e os mais depravados que vão atrás dos animais. Todos estão à procura do prazer que o sexo proporciona, mas sem o seu efeito primário e conatural, que é dar origem a novos seres humanos.

O fato de não acharmos que isso seja um problema constitui, por si só, o maior dos nossos problemas. Na verdade, nossa época não só não vê mal algum no sexo contra a natureza, como há classes profissionais inteiras sendo formadas só para derrubar o “mito católico” de que o sexo foi feito para a procriação. As consequências práticas disso, só não as vê quem (ainda) se deixa ludibriar pela “propaganda”: dissociado da graves responsabilidades que traz consigo, o sexo transformou-se num parque de diversões, em que se aventura quem quiser, na hora que quiser, com que parceiro e com que “brinquedo” quiser.

Daí a tragédia moderna de jovens viciados no consumo de pornografia e na prática da masturbação, confusos a respeito da própria sexualidade e incapazesde levar adiante relacionamentos maduros e saudáveis com outras pessoas. Daí a tragédia dos casais modernos que só olham para o próprio umbigo e para o próprio bolso e, por isso, naufragam diante da primeira dificuldade, deixando os (poucos) filhos que eles mesmos geraram (por acidente) à mercê da TV, do smartphone e do nosso sistema educacional falido e depravado — que só o que faz é dar início a este mesmo ciclo. Daí o completo esvaziamento do próprio conceito de família, que diante de tantos casamento falidos, passou a abarcar qualquer agrupamento humano… E os animais que se cuidem, porque o poço parece não ter fundo.

O curioso é que, em linhas gerais, todas essas tristes consequências da separaçãoentre o prazer sexual e a sua dimensão procriativa foram devidamente profetizadas pelo Papa Paulo VI, cinquenta anos atrás, em sua encíclica Humanae Vitae. Falando dos métodos contraceptivos artificiais, ele escreveu:

Considerem, antes de mais, o caminho amplo e fácil que tais métodos abririam à infidelidade conjugal e à degradação da moralidade. Não é preciso ter muita experiência para conhecer a fraqueza humana e para compreender que os homens — os jovens especialmente, tão vulneráveis neste ponto — precisam de estímulo para serem fiéis à lei moral e não se lhes deve proporcionar qualquer meio fácil para eles eludirem a sua observância. É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada (n. 17).

Sobre esse último ponto, as atrizes da indústria pornográfica certamente têm muito a testemunhar. Mas elas são apenas mais um dos muitos grupos vitimados pela “revolução sexual”. Não foram as únicas, e estão longe de ser as últimas. Todos fomos afetados de alguma forma pelos acontecimentos culturais do último século, e o drama continuará enquanto teimarmos em ignorar a verdade do sexo, tal como ele foi desenhado por Deus.

Onde está a solução?

Esse texto não é, pois, um manifesto de intolerância para com o que se convencionou chamar “minorias sexuais”. Até porque, os adeptos do “politicamente correto” que nos perdoem, mas, tecnicamente, minoria mesmo, nessa área, são as religiosas e os sacerdotes celibatários, assim como os casais católicos que querem viver o sexo aberto à vida. Num mundo que se gaba de ser sexualmente revolucionário, a verdadeira minoria somos nós, que remamos contra a corrente e ousamos querer viver o dom da sexualidade tal como ele nos foi dado pelo Autor da natureza.

Além do mais, quando falamos mais acima de “proibir” comportamentos sexuais destrutivos, falávamos principalmente de coerção moral, e não de repressão estatal. Nem tudo o que é pecado deve ser tido como crime. A César o que é de César, a Deus o que é de Deus.

O que aqui vai escrito não passa, portanto, de um apelo às consciências modernas, para que se dêem conta de que há algo muito errado em como temos nos relacionado sexualmente. Não se trata de transformar o sexo num demônio, como sugeriu apressadamente a nossa jornalista; trata-se, na verdade, de desmistificá-lo, tirando-o do altar em que o adoram como deus e devolvendo-lhe o status de criatura de Deus.

Alguém nos acusará, com o dedo em riste, de querer “regredir à idade das trevas”. Mas, como Chesterton dizia, diante de um precipício, o único modo de avançar é dando um passo atrás. É o que a nossa geração precisa fazer. Nossos avós e nossos pais foram longe demais nesse terreno, e só uma comunidade de famílias fortes, dispostas a viver o plano de Deus para a sexualidade humana, pode restaurar o que a imprudente soberba de nossos antepassados fez perder.

Pe. Paulo Ricardo 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia