Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Quem chega atrasado na Missa pode comungar?

MASS OF THE AMERICAS,WASHINGTON DC
Communion was distributed at the altar rail.
Compartilhar

Infelizmente, muitos católicos desconhecem suas obrigações

Para responder a esta pergunta, é preciso diferenciar duas coisas: uma coisa é a missa de preceito e outra, muito diferente, é a missa cotidiana.

Vamos falar primeiro da missa de preceito:

Ir à missa aos domingos e dias de preceito é uma das obrigações mais básicas dos católicos (Código de Direito Canônico, cânon 1247).

Infelizmente, muitos católicos desconhecem suas obrigações. Inclusive desconhecem que ser batizado envolve deveres a ser cumpridos. Alguns pensam que, por ser o amor a máxima lei cristã, tudo teria de ser amor sem obrigações, amor sem normas.

Mas já sabemos que não é assim; pelo contrário, o amor é muito exigente: quanto mais amor, maior a exigência de manifestá-lo e de evitar tudo o que vá contra ele.

Tudo o que a Igreja diz, por meio dos diversos documentos (especialmente o Código de Direito Canônico), precisa ser cumprido; não são conselhos. É importante, então, saber diferenciar as leis (que nos obrigam em consciência) e os conselhos ou recomendações. Neste último caso, cada um fará o que considerar mais oportuno, pois não está obrigado canonicamente a seguir um conselho ou recomendação e, por conseguinte, tampouco falamos de pecado.

O Catecismo, no n. 2042, explica que existe uma obrigação importante para o cristão católico: ouvir missa inteira aos domingos e demais festas de preceito. Este não é somente o terceiro mandamento da lei de Deus, mas também o primeiro preceito da Igreja.

É importante prestar atenção nestas palavras: “MISSA INTEIRA”. Devemos participar da missa completa aos domingos e festas de guarda. Falta a este mandamento também quem chega tarde à missa. E, se chega tarde, a missa não vale.

Se, além disso, a pessoa costuma regularmente chegar tarde à missa, isso significa despreocupação e ela comete o grave pecado da preguiça. Nestas circunstâncias, antes de comungar, a pessoa precisa se confessar.

Enquanto houver pecados mortais ou graves, não se pode comungar. Então, chegue à igreja antes da missa começar.

A “missa inteira” consta principalmente de duas partes que formam uma unidade, partes que, por sua vez, estão formadas por outras, e todas são importantes.

“Estão tão intimamente ligadas entre si as duas partes de que se compõe, de algum modo, a missa – a liturgia da Palavra e a liturgia eucarística – que formam um só ato de culto. Por isso, o sagrado Concilio exorta com veemência os pastores de almas a instruírem bem os fiéis, na catequese, sobre o dever de ouvir a missa inteira, especialmente nos domingos e festas de preceito” (Sacrosanctum Concilium, 56).

O documento fala da participação na missa inteira; é por isso que nenhum outro documento da Igreja fala, por exemplo, que o fiel cumpre o preceito dominical se chegar durante as leituras, ou durante o Credo, o ofertório, consagração etc. Não “sobra” nada na missa, não há nada secundário nela.

Se afirmamos que cremos em Deus e na Igreja, devemos cumprir suas normas. A fé é regida por preceitos e normas que precisamos cumprir por disciplina, para benefício pessoal e da própria Igreja. Na medida em que a pessoa vai cumprindo tais preceitos, poderá obter bens espirituais necessários para a vida.

Para cumprir o preceito, é preciso ouvir a missa inteira, ou seja, desde o momento em que o padre aparece até o momento em que ele dá a bênção final. É por isso que chegar tarde, indiferentemente do momento em que se chegue, impede o cumprimento da lei.

Se, por algum motivo alheio à pessoa, ela excepcionalmente não consegue chegar à missa pontualmente, e está em estado de graça, pode comungar. Porém, está obrigado a participar da missa inteira em outra missa do mesmo dia, seja na própria paróquia ou em outra. Não é porque já comungou que cumpriu o preceito. Uma coisa é comungar em uma missa de preceito e outra, muito diferente, é cumprir o preceito em si.

É por isso que se pode comungar duas vezes ao dia, ainda que seja só por piedade, mas a segunda vez deve ser dentro da celebração eucarística completa (cânon 917).

Em outras palavras, o ato de comungar é independente da missa: uma coisa é comungar e outra coisa é cumprir ou não cumprir o preceito de ouvir a missa inteira todos os domingos e festas de guarda.

Se a pessoa chega tarde à missa, ela pode comungar, mas precisa ouvir outra missa inteira depois, no mesmo dia. Se ela comungar na missa à qual chegou tarde e não participar de outra missa inteira, cometerá pecado grave, por não ter cumprido o preceito de ouvir a missa inteira.

É comum ver a seguinte atitude: “Cheguei à primeira missa no final do Credo; portanto, para cumprir o preceito dominical, participarei de uma segunda missa, mas somente até o final do Credo”.

Deus não quer um amor pela metade e quem ama não faz as coisas de qualquer jeito. Ou se cumpre, ou não se cumpre.

Se a pessoa tem uma fé responsável, madura e realmente conhece o valor da missa, e prevê que chegará tarde à celebração da qual tanto queria participar, certamente buscará outra opção para cumprir o preceito.

Como se vê, os documentos não dão lugar a dúvidas. Tudo o que sair disso será apenas uma opinião pessoal, à margem do que a Igreja estabelece.

Se, em uma região afastada, onde só existe uma paróquia e uma única missa dominical, o fiel chegar tarde por sua própria culpa ou negligência, espere que a missa termine para confessar-se e depois, fora da missa, comungar.

O preceito de ouvir missa inteira todos os domingos e festa de guarda é para todos os fiéis com uso de razão. Se podem ou não comungar, isso é outra questão. O preceito não obriga a comungar.

Só existe obrigação de comungar uma vez ao ano, na Páscoa; e isso pressupõe a confissão sacramental. Porém, há fiéis que, mesmo podendo confessar-se e comungar, não fazem nem uma coisa nem outra.

O fato de que, por circunstâncias da vida, alguém esteja impedido de comungar, não o exime de ouvir a missa inteira aos domingos e festa de preceito.

Mas para que ir à missa, se não posso comungar? Para oferecer a Deus o sacrifício redentor de Cristo!

É claro que a Igreja recomenda, para as pessoas que estiverem em condições de fazê-lo, que comunguem; mas isso não significa que é imprescindível comungar para participar da missa. São duas questões muito diferentes.

A comunhão sempre supõe as devidas disposições, sem as quais a pessoa que comunga prejudicaria a própria alma. Além disso, no caso da missa dominical, não assistir à missa inteira acrescentaria outro pecado mortal à pessoa.

O cumprimento do preceito dominical é absolutamente independente da comunhão: tal preceito é cumprido com a assistência completa, plena, consciente e ativa na missa.

A missa cotidiana

Tendo falado do cumprimento do preceito de participar da missa inteira aos domingos e festas de preceito, cabe recordar que, nas missas cotidianas (de segunda a sábado), a norma é diferente; neste caso, não há obrigação de ir à missa; a pessoa pode chegar na hora da comunhão e comungar.

“Recomenda-se vivamente um modo mais perfeito de participação na missa, que consiste em que os fiéis, depois da comunhão do sacerdote, recebam do mesmo Sacrifício, o Corpo do Senhor”, afirma a Sacrosanctum Concilium, n. 55.

“Antes tarde do que nunca”, diz o provérbio. Ou seja, mais vale chegar tarde à missa que não ir.

Penso que, para Deus, é mais importante a presença de um filho seu na missa (ainda que chegue atrasado) do que sua ausência. Deus não fica controlando a chegada de um fiel com um relógio na mão.

Cada pessoa é diferente, com circunstâncias diferentes, e tal pessoa, com sua consciência, precisa ser sincera diante de Deus; porque pode agradar mais a Deus a vivência da missa de um fiel que chega tarde, mas que, mesmo assim, participa plenamente da celebração, do que a vivência distraída, despreocupada ou passiva de alguém que tenha chegado pontualmente antes da missa.

Isso sim: quando se chega tarde à missa, é preciso ser discretos, não fazer barulho ao caminhar, não se sentar nos primeiros bancos para não distrair os outros.

O fiel pode inclusive comungar fora da missa. Não há proibição de comungar fora da missa. A maneira mais apropriada de comungar é dentro da celebração, certamente, mas, quando se pede a comunhão fora da missa, por causa justa, o padre é obrigado a atender a petição (cânon 918).

Boletim
Receba Aleteia todo dia