Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como participar da Missa com mais amor?

HARLEM,NEW YORK,BURKINA FASO,CORPUS CHRISTI
Compartilhar

Que fazer quando se indicam ou praticam gestos se afastam da liturgia e até a contrariam?

A família de Deus

Você já ouviu dizer que a Igreja deseja que todos os fiéis participem na Missa «com conhecimento de causa, ativa e frutuosamente». Essa foi uma das metas que propôs o Concílio Vaticano II (Constituição sobre a Liturgia, n. 11).

Pois bem, é sobre isso que agora vamos conversar. Você imagine que já está dentro da igreja ou capela onde vai ser celebrada a Missa. Quem é que lá se reuniu? Umgrupo – grande ou pequeno – de fiéis. A Missa não é uma oração individual. É a oração, o culto de uma família reunida, da família de Deus, de que fala São Paulo, referindo-se à Igreja (Ef 2,19).

Quer dizer que a Missa é um ato comunitário, mas um ato comunitário especial, porque cada uma das Missas – qualquer Missa – não é apenas o culto de umacomunidade concreta, mas da Igreja inteira. Na realidade, em cada Missa é sempre a Igreja toda, o Corpo de Cristo (1 Cor 12,12), que, juntamente com Jesus – Cabeça desse Corpo, Sacerdote Eterno, Celebrante principal e Vítima do Sacrifício -, se oferece a Deus Pai, na unidade do Espírito Santo. O sacerdote celebrante é apenas o «instrumento vivo de Cristo Sacerdote». Não se esqueça nunca disso, e pense que essa realidade grandiosa se dá mesmo numa Missa a que assista uma só pessoa.

Mas voltemos ao que dizíamos no início. Imagine que está começando a participar na Santa Missa. Se a Missa é – como de fato é – um ato de Cristo e da Igreja, é natural que o seu coração – juntamente com os dos que participam dessa Missa -bata bem unido ao coração de Jesus e ao coração da Igreja, seu Corpo inseparável. Essa é a principalparticipação: a união sincera, íntima, amorosa, com a oração da Igreja, ou seja, com a Liturgia santa da Igreja. Sem ela, qualquer outra participação é superficial ou falha.

Participação externa e interna

Por isso a Igreja insiste em que a principal «participação» é a interior. As orações litúrgicas, que todos devemos recitar em comum, serão «nossas», se realmente são «minhas», isto é, se são preces vividas intimamente por mim, por você, e não sons externos que se limitam a acompanhar os sons de outras pessoas (falados ou cantados). Penso que isso se pode resumir bem com umas palavras de São Josemaria Escrivá: «Viver a Santa Missa é permanecer em oração contínua» (É Cristo que passa, n. 88).

Como deve ser essa oração? Não pretendo – não daria – esgotar as imensas riquezas da Liturgia da Missa. Vou sugerir-lhe apenas – neste capítulo e nos próximos – alguns dos modos (podem ser muitos) de «orar na Missa».

1) Nos ritos iniciais, toda Missa inclui um «ato penitencial». Você, com a sua oração, unida à do celebrante e à dos outros participantes, realiza nesse momento o que o Catecismo da Igreja chama «o primeiro movimento da oração de súplica», o «pedido de perdão» (n. 2631), lembrando a seguir a parábola do fariseu e o publicano: Deus não ouviu , no Templo, a oração vaidosa do fariseu, mas acolheu com carinho a oração humilde do publicano: Ó Deus, tem piedade de mim, que sou um pecador! (Lc 18,13). Por isso, procure rezar ou cantar esse ato penitencial fomentando a dor pelos seus pecados e pelas suas indelicadezas para com Deus.

2) Após a «oração coleta» recitada pelo sacerdote, começa a Liturgia da Palavra. Por meio das leituras bíblicas, Deus nos fala, (Palavra do Senhor! – dizemos). E essa Palavra de Deus é, para cada um de nós, um começo de conversa, um apelo que se dirige à alma e sugere – sob a inspiração do Espírito Santo -uma resposta. Portanto, também essa parte da Missa é oração, diálogo.

Escute as leituras e seu comentário – a homilia – com atenção. Caso ouça mal (coisa não rara, às vezes) acompanhe-as lendo os textos do dia no folheto dominical, no impresso da Liturgia semanal, ou num missal dos fiéis…, mas acompanhe. A própria Liturgia, depois, ajuda a responder à Palavra com o Salmo responsorial e a aclamação ao Evangelho. Mas você, que quer aprofundar na vida espiritual, não se contente com isso. Vá mais a fundo. Um bom costume é fazer, antes da Missa, um tempo de oração sobre essas leituras; ou fazer a meditação das leituras da liturgia do dia depois, ao voltar a casa, num horário oportuno. Não lhe digo mais, porque a essa reflexão litúrgica se aplicam as mesmas coisas que já foram comentadas ao falarmos da oração mental, da meditação e da leitura do Evangelho.

3) A segunda parte da Missa, riquíssima – centro e cume da Missa -, é a Oração Eucarística, que começa com o Prefácio. Tudo, nessa parte – especialmente no seu ápice, a Consagração, que é a essência da Missa -, eleva e arrasta para uma oração intensa, maravilhosa, que nunca – por longa que seja a nossa vida – nos cansaremos de vivenciar e saborear. Ao contrário, a pessoa que ama a Missa, descobre nela cada dia mais uma «fonte de águas vivas» inesgotável, que sacia sem saciar.

Acompanhe, pois, atentamente, com sede espiritual, cada palavra, como a abelha que vai libando o mel de cada flor. «Diga» essas palavras a Deus, fazendo-as «suas». E peça a nosso Senhor que o livre do absurdo de assistir como um espectador, que só fica observando e julgando como é que o padre se mexe, fala ou canta. Nunca esqueça que nós, os padres, não somos nem o centro nem o pivô da Missa. E que, às vezes, você terá que se esforçar bastante por viver bem o Sacrifício da Missa, «apesar de nós, os padres».

4) Não quero terminar a reflexão de hoje sem uma referência aos gestos e posições do corpo previstos na liturgia da Igreja. Eles também são oração: de pé, de joelhos, fazendo uma inclinação profunda (por ex., ao dizer E se encarnou…, no Credomais longo), sentados… Os gestos são «símbolos», como o são as palavras. Tanto valor tem para exprimir o amor entre os esposos uma palavra carinhosa, como o gesto de dar uma flor ou um beijo. Para uma pessoa que ama, seria incompreensível desprezar ou dispensar esses gestos e atitudes.  Na Missa, ajudam o espírito a acompanhar melhor a oração, a viver atentamente a escuta orante da Palavra, a expressar a adoração, a união fraterna (rito da paz), a receber com reverência o Corpo de Cristo na Comunhão, etc. E, além disso, são gestos vividos em conjunto, que refletem a união da «família de Deus», que quer viver o máximo momento da vida cristã com as mesmas expressões de fé e oração.

Talvez você queira me perguntar: Que fazer quando se indicam ou praticam gestos se afastam da liturgia e até a contrariam? O Papa Bento XVI os lamenta e diz que a liturgia, que é «ação de Deus […], não está a mercê do nosso arbítrio e não pode suportar a chantagem das modas passageiras» (Exortação Sacramentum caritatis, n. 37), frisando ainda que «a simplicidade dos gestos e a sobriedade dos sinais, situados na ordem e nos momentos previstos, comunicam e cativam mais do que o artificialismo de adições inoportunas» (n. 40). Aquilo que não está de acordo com a Liturgia da Igreja não obriga em consciência. Não temos por que obedecer a uma desobediência. Mas devemos evitar atitudes que manifestem externamente crítica ou falta de caridade.

(via Padre Faus)

Boletim
Receba Aleteia todo dia