Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Cultura e Viagem

Camus, a peste e nós hoje

Manuel Ballester - publicado em 11/03/20

O coronavírus causou um aumento no interesse (ou pelo menos nas vendas de) A peste (1947) de Albert Camus (1913-1960). Mas por quê?

É bom ver que, diante de um problema, as pessoas se voltem para a grande literatura (que é sabedoria condensada, tradição escrita) para se orientar.

Camus, com seu grande livro sobre uma epidemia – A peste – pode nos ensinar algo, isso não está relacionado à dimensão da saúde. Nem à econômica.

O que “A peste” retrata é, antes, uma questão antropológica. O começo se refere a como é o homem moderno. Depois, mostra como essa mentalidade moderna é afetada pela peste.

O homem moderno é problemático para si mesmo. Assim, por exemplo, de maneira estrondosa, Nietzsche o caracteriza como um “animal doméstico manso”. Saint-Exupéry fala do “formigueiro humano”.

Camus, em “A peste”, vê o homem moderno como uma mistura equilibrada de cigarra e formiga: “Sem dúvida, hoje nada é mais natural do que ver as pessoas trabalhando de manhã à noite e depois escolher, entre o café, o jogo e conversa, como perder o tempo que resta para viver”.

O tom do livro busca uma objetividade sóbria. O problema é – interpretado literalmente – um problema de saúde. A narrativa segue de perto o Dr. Rieux, já que “durante todo o tempo da praga, sua profissão o coloca no transe de frequentar a maioria de seus concidadãos e recolher as manifestações de seus sentimentos”.

Em nossa vida tão moderna, regida por hábitos e costumes, de repente algo se rompe, algo quebra todas as rotinas.

Ninguém acredita que uma sociedade como a nossa possa ser atingida por pestes, doenças ou, em outras palavras: por algo que não podemos controlar.

“Houve tantas pragas no mundo quanto guerras, e mesmo assim pragas e guerras pegam as pessoas sempre de surpresa”.

A peste não é algo planejado. Portanto, é vista como injusta. E ainda mais injusta quando atinge um inocente.

Religião. Deus. Um Deus que permite a morte de um inocente, um Deus que cria um mundo assim, pode ser bom, pode existir? Todos nós não vamos morrer? – prosseguem as questões levantadas pelo livro.

De qualquer forma, o que fazer? O médico tenta deter a peste cientificamente, mas a dor, o isolamento, a expectativa certa de uma morte próxima não são meros assuntos médicos.

Assim, o homem moderno vive alienado, sem saber se vale a pena viver ou não e, no contexto médico, ser salvo ou não. Se todos vamos morrer, quanto esforço vale?

E essa situação que nos tira de nossos hábitos apenas mostra que o significado da vida já deveria ter sido esclarecido. Agora não temos tempo para pensar. Ah! disse Rieux, “não se pode curar e saber ao mesmo tempo”. Então, vamos curar o mais rápido possível, é o que é urgente.

Quando o mal ocorre, abala a existência pacífica, torna visível o desenraizamento e é percebido como injusto. No coração do livro, há um personagem, Tarrou, que dá uma interpretação alegórica à peste.

Tarrou entende que somos todos pragas, que todos transmitimos o mal. E, portanto, ele procura o caminho para a paz ou, nos seus próprios termos: “o que me interessa é saber como me tornar santo”.

A peste, o mal, colocou a população em uma situação de urgência, exaustão e indiferença, mas, em qualquer caso, longe da autossuficiência do formigueiro. Ali emergem as reais necessidades humanas, o verdadeiro significado.

No meio da epidemia, Rieux, o médico cansado, entra em cafés lotados duas vezes: ele parecia estúpido ao fazer isso, mas sentia urgente “a necessidade de calor humano”.

Durante a peste, todos se tornaram refugiados. Isso a partir do momento em que a peste obrigou ao fechamento dos portões da cidade. Eles viveram apartados, foram amputados pelo calor humano.

Sentimos falta do que nos falta radicalmente: ternura, calor humano, pátria, lar. E é isso que queremos: voltar para casa, para o lugar a que pertencemos, porque existem nossas raízes e nossa vida, que consiste em amar e ser amado.

Se o desejo de ternura, o desejo de amar e ser amado está tão na raiz do ser humano, o remédio para o desenraizamento não estará lá também?

Assim, o sentido da vida estará relacionado com a abertura, com nos deixarmos abraçar por alguém que nos ama acima de tudo.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia