Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Covid-19: você corre pouco risco, mas ajude a proteger idosos, diabéticos e cardíacos

WASH HANDS

FotoHelin|Shutterstock

Aleteia Brasil - publicado em 12/03/20

Sim, a gravidade é baixa em mais de 80% dos casos, mas a pandemia satura o sistema de saúde - e é isto o que pode matar quem precisa de atendimento

A pandemia Covid-19 tem apresentado uma proporção relativamente baixa de mortos: alguma coisa entre 0,5% e 3,5% do total de infectados. Esta é uma boa notícia. E há outras boas notícias: a grande maioria dos casos (mais de 80%) tem gravidade reduzida. Mais boas notícias ainda: o risco para crianças é mínimo. E ainda mais boas notícias: o pico do surto já passou na China e, por lá, os novos casos estão em declínio.

Porém, há motivos suficientemente comprovados e sérios para mantermos grande atenção e firmes cuidados numa tarefa crucial: a de conter a expansão do vírus.

Apesar do relativo “baixo risco”, atenção total: por quê?

Porque, apesar da pouca gravidade da Covid-19 para a maioria das pessoas, ela acarreta riscos muito relevantes para grupos específicos, como idosos, diabéticos e doentes do coração. Se ocorrer um brusco aumento de casos de contágio, vai haver um grande afluxo de pessoas aos hospitais e postos de saúde: a maioria delas não vai precisar de maiores cuidados, mas o simples fato da sobrecarga do sistema de saúde pode acabar deixando sem atendimento quem realmente vai precisar – e isto já acontece com frequência no Brasil desde muito antes do surto deste novo vírus.

O seguinte gráfico é eloquente:

Carl Bergstrom e Esther Kim / CC BY 2.0

A “curva de contágio” e suas consequências no sistema de saúde

Trata-se de um gráfico publicado pela jornalista Rosamund Pearce na revista The Economist, ajustado posteriormente por Drew Harris, especialista em saúde pública, a partir de recomendações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) para a epidemia de gripe de 2017. A versão traduzida ao português foi publicada pelo G1.

O que este gráfico está mostrando é a diferença na curva de expansão da doença quando não se tomam medidas preventivas e quando elas são tomadas adequadamente. A imagem enfatiza que o grande problema da pandemia de Covid-19 realmente não é a gravidade da doença em si, mas sim a incapacidade dos sistemas de saúde de atenderem os infectados com risco alto na hora em que eles mais precisam.

Este é o problema principal que está ocorrendo na Itália: os hospitais estão lotados não só pacientes da Covid-19, mas também dos pacientes de qualquer outra doença, inclusive câncer, infarto, AVC e ferimentos graves, além de quadros prosaicos como a gripe comum. Neste momento, há italianos morrendo em decorrência de quadros pelos quais não morreriam numa situação normal. A causa deste cenário é a sobrecarga do sistema de saúde – e olhe que o sistema público de saúde na Itália é considerado muito bom, inclusive acima da média do continente europeu. Mas ele foi construído para atender bem a população no dia-a-dia, e não num cenário de pandemia.

O fato, como bem resumiu o colunista David von Drehle, do Washington Post, é simples:

“Uma doença não precisa ser a pior de todos os tempos para produzir o pior cenário de todos os tempos. Basta impor uma carga aos recursos de saúde que seja maior do que a capacidade dos recursos de saúde”.

Como ajudar quem corre mais risco do que você

Em resumo, a diretriz é: evite tudo aquilo que facilite a proliferação do vírus. Faça o simples e básico:

  • Lave bem as mãos, com alta frequência, sobretudo após tocar em superfícies nas quais muita gente também tocou, como balcões de atendimento, caixas eletrônicos, assentos e apoios do transporte público, etc.
  • Evite levar as mãos à boca, nariz e olhos;
  • Evite aglomerações, reduzindo as saídas de casa ao indispensável;
  • Se precisar estar em meio a grupos grandes de pessoas, procure manter uma distância de ao menos 1 metro e fique apenas durante o menor tempo possível;
  • Evite cumprimentos como apertos de mão, abraços e beijos;
  • Recorra a postos de saúde e hospitais somente em casos de objetiva e real necessidade, para não sobrecarregar inutilmente o sistema e até para evitar um risco ainda maior de contágio, dado que são ambientes em que se fica mais exposto a micro-organismos;
  • Mantenha uma rotina de alimentação saudável, exercício físico adequado às suas condições, boa ventilação e luz natural em casa ou no local de trabalho;
  • Não divulgue fake news: compartilhe informação objetiva, o que inclui algumas notícias tristes, mas também várias notícias boas e tranquilizadoras;
  • Mantenha a serenidade, sem se deixar levar pelos promotores de histeria;
  • Mantenha a fé, pedindo sempre forças a Deus para que todos façamos bem a nossa parte e Ele nos conceda a graça de enfrentar e vencer esta pandemia com inteligência, disciplina e solidariedade, em especial com os mais vulneráveis;
  • Obedeça responsavelmente às diretrizes das autoridades em caso de medidas excepcionais de controle.

Achatando a curva do contágio

Essas medidas simples ajudam a “achatar a curva do contágio”, como se vê no gráfico acima, reduzindo desta forma a sobrecarga dos sistemas de saúde.

Se houver um pico de acessos aos postos de saúde e hospitais, com milhares de pessoas precisando ser atendidas ao mesmo tempo, aqueles que tiverem mais necessidade não conseguirão ser atendidos com a devida rapidez e morrerão em maior número.

Quanto mais se evitar o contágio, ou seja, quanto mais se “achatar” a curva de contágio ao longo do tempo, evitando picos, menor será a sobrecarga do sistema de saúde e, portanto, menor o risco de faltarem leitos, respiradores e outros equipamentos cruciais para quem realmente precisa deles para sobreviver.

Não pense só em você. Dê graças a Deus pela sua boa saúde, pela sua juventude e pelo pouco risco que você corre. Mas pense nos idosos de mais de 80 anos, especialmente se eles já tiverem outras doenças; pense nos diabéticos; pense nos doentes do coração. Em suma: pense nos outros. E faça a sua parte, que é simples e barata. Seus irmãos agradecem.


POPE ANGELUS COVID-19

Leia também:
Muito cuidado, mas também esperança: o pico do coronavírus já passou na China

Tags:
CidadaniaCoronavírus
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia