Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 09 Maio |
home iconEstilo de vida
line break icon

Como a paternidade mudou minha visão sobre a masculinidade

CZAS SPECJALNY DLA DZIECKA

Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 16/03/20

Através da experiência da paternidade, homens aprendem a ser fortes o suficiente para se tornarem vulneráveis

Desde o momento em que meu primeiro filho emergiu do útero e começou a chorar, meu cérebro mudou. A mudança dentro de mim não foi registrada imediatamente porque o nascimento, como na maioria dos nascimentos, começou lento. Houve um longo período de espera: nove meses para que eu e minha filha crescêssemos silenciosamente, até que um dia ela anunciou sua chegada iminente em uma manhã de neve com a primeira contração. Minha esposa andava pela casa e se distraía com o café da manhã, até que as ondas de contrações se transformaram em uma maré de atividade frenética e súbita.

No começo, não parecia real. Fiquei ali, incrédulo, quando mãe e filha se uniram imediatamente e a atmosfera passou do caos total para uma cena pastoral serena de felicidade doméstica. Corri para arranjar uma refeição comemorativa para a mãe, o bife mais caro que encontrei no restaurante do outro lado da rua. Todo o meu papel na história do nascimento foi assistir, preocupar-me, sentir-me impotente e, em seguida, triunfalmente chocar com a ideia de trazer muita comida.

Mas aquele bebezinho estendeu a mão e ligou um interruptor em minha mente: de repente eu me tornei pai. Não sei ao certo como explicar, mas de alguma forma, durante toda a minha vida, eu queria essa criança. Quando o próximo chegou, o mesmo sentimento. E o próximo, e assim por diante. Sabemos que as mães são vitais para o desenvolvimento de seus filhos. Ninguém pode substituir uma mãe. É igualmente verdade, porém, que ninguém pode substituir um pai.

Nossa filha chutou minha esposa na barriga por nove meses; depois disso, ela me chutou nas costas a noite toda, todas as noites, até que conseguimos mudá-la para um berço.

Minha masculinidade, que eu expressei anteriormente através de esportes de contato agressivos, silenciosamente se transformou em jogos de bebê, abraços e risadinhas.

Uma coisa que aprendi sobre a paternidade é que ela está cheia de nostalgia, sentimento e emoções ternas. Como homem, eu sempre quis ser um poeta-guerreiro, embarcar em uma grande e heróica jornada como um cavaleiro da Távola Redonda do Rei Arthur ou um grego antigo de pé na passagem das Termópilas, pronto para a batalha. Tanto o cavaleiro quanto o grego escreveriam um poema cheio de beleza e vulnerabilidade sobre sua experiência. A paternidade finalmente me transformou naquele poeta guerreiro. Não há nada pelo qual eu lutaria mais ferozmente do que para proteger meus filhos e fazer deste o melhor mundo possível para eles crescerem. Eles também trouxeram à tona toda a ternura e instintos de carinho em mim, um desejo descarado de expressar meu interior vida.

A masculinidade é complexa, e traz uma série de atributos sobrepostos. A paternidade parece trazê-los de uma maneira particular. Como sacerdote, vejo isso o tempo todo com os rapazes que desejam servir no altar ou se juntar coral da igreja. Ao fazer isso, esses homens estão participando do auge da masculinidade, colocando-se como poetas guerreiros a serviço de um ideal superior. Ao fazer isso, eles andam pelo santuário com precisão militar, cantam salmos antigos e se ajoelham em devoção silenciosa. Acho isso particularmente impactante – são os homens sendo homens. Nada é mais amável, nada mais viril do que um grupo de homens cantando um hino terno à Mãe Santíssima. Eles me lembram Santo Inácio, um bravo e poderoso guerreiro que colocou sua espada no altar de Maria e jurou fidelidade eterna a ela.

São homens que, através da experiência da paternidade, aprenderam a ser fortes o suficiente para serem vulneráveis, masculinos o suficiente para buscar a beleza descarada e dedicados o suficiente para se colocar a serviço daqueles que amam. A paternidade me revelou que a masculinidade não é o que eu pensava que fosse. Isso me mudou para sempre – até no âmago do meu ser.




Leia também:
Uma nova paternidade

Tags:
Educação dos FilhospaisPaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
3
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
4
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
5
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
6
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
J-P Mauro
Vídeo mostra a última liquefação do sangue de São Januário
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia