Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Monges contemplativos dão conselhos sobre como viver bem o tempo em casa

MODLITWA
Roman Zaiets | Shutterstock
Compartilhar

A pandemia de coronavírus nos forçou a desacelerar e passar mais tempo juntos. Aqui estão algumas maneiras pelas quais podemos aproveitar ao máximo esse período

À medida que cada vez mais pessoas têm de se recolher em casa por causa da pandemia do coronavírus, as famílias cristãs podem buscar inspiração no testemunho de vida de monges e monjas contemplativos.

“Nós nos esforçamos para viver em companhia habitual de Deus, o que alguns chamam de ‘prática da presença de Deus'”, disse à Aleteia um monge que pediu para não ser identificado.

“E essa prática realmente nos aproxima um do outro, mesmo que nosso corpo esteja distante. Visto que Deus é a fonte e o fim de cada um de nós, só podemos nos aproximar uns dos outros nos aproximando dele.”

Outra contemplativa, Ir. Sophie Marie, das Irmãs de Mary Morning Star, em Monona, Wisconsin, usou a imagem do sol para explicar a mesma ideia. Quando esses raios estão mais próximos do sol, eles também estão mais próximos uns dos outros.

Ir. Sophie Marie ofereceu conselhos práticos sobre como as famílias podem se aproximar de Deus neste momento.

“Não ceda à tentação de ficar apenas no seu computador, telefone ou TV. Santo Tomás de Aquino diz que nossa inteligência é o que mais se assemelha a Deus. É realmente o maior presente que ele nos deu”, ela diz.

“Este é realmente um momento em que, se as pessoas apenas sentarem na frente de suas TVs ou telefones e tentarem preencher esse vazio recebendo passivamente o que a mídia decide dar, isso é lamentável, porque nossa inteligência é como uma folha em branco.”

“A maioria dos americanos diz que está muito ocupada ou não tem tempo, mas aqui, com muitas atividades extras cortadas, deparamo-nos com essa possibilidade preciosa. Portanto, poderia ser uma maneira das pessoas colocarem o dom precioso de sua inteligência e o dom de ter mais tempo e usá-los juntos para aprofundar seu conhecimento de Deus.”

O monge concorda: “parece-me que grande parte da perturbação da sociedade hoje é resultado do fluxo constante de poluição sonora e sobrecarga de mídia social que não permite nenhum silêncio, algo tão necessário para a oração e para a pura sanidade”.

“A presente circunstância é uma oportunidade de ouro, proporcionada pela grande misericórdia de Deus, para que possamos aprender mais sobre nós mesmos como imagem de Deus – algo que está mais dentro de nós do que fora.”

Para isso, Ir. Sophie Marie incentiva a leitura das Escrituras, especialmente os Evangelhos. “No Evangelho de São João, lemos que a Palavra é a verdadeira luz, que ilumina todo homem”.

Ir. Sophie Marie também incentivou as famílias a rezarem o Terço, “especialmente agora, quando estamos vivendo uma crise difícil”.

“Tantas coisas na história da Igreja foram conquistadas ou curadas pela oração do Terço”, disse ela, citando pragas, guerras e invasões.

“Encontre um tempo para se reunir em família”, ela aconselhou. “Talvez seja algo novo, que você ainda não fez. Então é preciso praticar.”

A religiosa afirma que, para vencer a ansiedade, é preciso usar os cinco sentidos. “É muito bom provar, cheirar, ouvir, ver e tocar. Portanto, qualquer tipo de trabalho no quintal pode ajudar.”

Cozinhar em família é outra alternativa, especialmente agora que muitos restaurantes estão fechados. E isso também pode ser uma maneira de exercitar os sentidos – “provar a comida de verdade novamente”.

Ir. Mary Grace, das freiras carmelitas de Nossa Senhora da Graça, em Christoval, Texas, disse que ela e as irmãs se revezam no planejamento do que irão fazer.

Isso também pode funcionar para as famílias. Talvez depois de um dia de trabalho ou estudo em casa, um membro diferente da família possa planejar alguma coisa divertida a cada noite.

“Assistir a um bom filme, como ‘Jesus de Nazaré’, pode ser bom, principalmente nesta temporada” da Quaresma, sugeriu Ir. Mary Grace.

Pais com famílias subitamente confinadas em casa podem se perguntar:‘ O que faremos o dia todo? Por semanas?

O Ir. Aleydis Johnson, do Mosteiro Cisterciense do Vale de Nossa Senhora, na Prairie du Sac, Wisconsin, afirma que os pais podem ficar tentados a manter as crianças constantemente ocupadas para evitar brigas.

“Mas talvez esse conflito nos diga algo sobre nós mesmos e sobre nossa família que não queremos saber”, diz.

“A vida monástica, com ênfase na separação do mundo, silêncio, quietude e simplicidade, repetidamente nos coloca frente a frente com nossos próprios pecados, defeitos e feridas e os dos outros com quem vivemos o dia todo, todos os dias.”

“Acho que os membros da família, principalmente os pais, podem experimentar a tentação de impedir os conflitos por meio de uma tempestade de atividades. Mas os conflitos, internos e externos, são portadores de mensagens que você ignora ou silencia com grande prejuízo para você e sua família. Uma das mensagens do conflito é: ‘você não sabe amar. O amor é difícil e você é fraco. Você é pobre no que mais importa.”

Essa mensagem pode ser “purificadora e redentora”, disse Ir. Aleydis, “porque Cristo veio restaurar e transformar os doentes, os cegos, os pobres; aqueles que não conseguem aceitar ou acertar; aqueles que não podem salvar a si mesmos ou a qualquer outra pessoa. O conflito oferece uma oportunidade incomparável de aprender, curar, amar. Quando fugimos do conflito, fugimos da nossa própria pobreza e da possibilidade de sermos ricos em Cristo.”

“Então, em vez de concentrar seus esforços em mantê-los à distância por meio de uma série de atividades neutralizantes, sugerimos dedicar sua atenção e disponibilidade um ao outro, simplesmente estar juntos, na empresa um do outro, sem listas de coisas a serem feitas. conhecendo uns aos outros como pessoas que podem ser preenchidas com a plenitude de Deus.”

Além disso, Ir. Sophie Marie aconselharia ter um “equilíbrio entre momentos de união e também momentos de solidão”.

“Temos que ser prudentes em não passar grudados 24 horas por dia, sete dias por semana, é preciso saber como se dar algum espaço para respirar”, disse ela. “Isso é uma coisa humana básica.”

“Tanta coisa boa pode vir dessa situação”, disse Ir. Sophie Marie. “As pessoas estão ocupadas demais para ir à missa. As pessoas saem para comer umas com as outras e ficam olhando seus telefones. Se tudo isso nos tornar menos ocupados, desacelerar e ajudar a ver o que é essencial, no grande plano, Deus pode permitir que esse tipo de coisa nos atraia para mais perto dele.”

Boletim
Receba Aleteia todo dia