Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Coronavírus: padre morre ao abrir mão de respirador em favor de pessoa mais jovem

KSIĄDZ ODDAŁ RESPIRATOR
sfam_photo | Shutterstock
Compartilhar

50 padres mortos até hoje na Itália pelo coronavírus. O Papa Francisco reza por eles: “Demos graças a Deus por este exemplo de heroísmo”

No norte da Itália, foco da pandemia do coronavírus, existem histórias heróicas de padres, como a do padre Giuseppe Berardelli, 72 anos. Ele morreu no hospital após abrir mão do respirador em favor de uma pessoa mais jovem.

Hoje, seus paroquianos choram e lembram-se dele pregando a eles: “Amai-vos uns aos outros… não há amor maior do que dar a vida por seus amigos”.

Padre Giusseppe era pároco de Casnigo, uma cidade italiana da província de Bergamo, região da Lombardia.

Um enfermeiro do hospital de Casnigo disse que o padre desistiu do respirador de que precisava, renunciando-o em favor de uma pessoa mais jovem, e ele não se importava em saber quem seria a outra pessoa.

Precisamente, na missa de hoje, na Casa Santa Marta, o Papa Francisco rezou pelos padres e profissionais de saúde que morreram ou que estão colocando suas vidas em risco para ajudar os pacientes com coronavírus: “Oramos por eles, por seus famílias. Demos graças a Deus pelo exemplo de heroísmo.”

50 padres falecidos

O jornal da Igreja na Itália, Avvenire, relatou que 50 padres já morreram durante a pandemia de coronavírus no país.

Esse dado apresentado pelo jornal tem como fonte as dioceses, as paróquias, as famílias e os fiéis que não param de chorar por seus pastores.

Quinta-feira passada foi o dia mais dramático, quando oito sacerdotes morreram em decorrência da Covid-19. Outros nove faleceram no final de semana.

Grande parte do luto está concentrado no norte da Itália: em Bergamo, a “cidade mártir” onde os corpos são transportados por caminhões do exército, houve 15 óbitos de sacerdotes.

Além disso, há dezessete outros padres que ainda estão hospitalizados. Em Parma, o Covid-19 matou seis padres, quatro em Piacenza, em Lodi e Cremona.

O mais novo, padre Sandro Brignone, 45, era do sul, de Salerno e era pároco em Caggiano. Há vítimas na casa dos 50 e 60 anos. Eles recordam os testemunhos heróicos dos padres que atendiam nas trincheiras das grandes guerras.

A maioria desses padres eram próximos do povo. “Pastores com cheiro das ovelhas”, no dizer do Papa Francisco.

Em meio à pandemia, os padres italianos continuam a servir os doentes e os idosos. Alguns se mudaram provisoriamente para cemitérios e hospitais para abençoar os cadáveres nesses dias dramáticos em que nem se pode fazer funerais.

Eles leem o Evangelho e a Bíblia para médicos e enfermeiros massacrados pelo trabalho e pelo estresse, e também visitam a unidade de terapia intensiva para consolar os que estão morrendo.

Religiosos e consagrados também trabalham nas cozinhas, ajudando os pobres e os sem-teto, seguindo as diretrizes dos bispos italianos de usar máscara, luvas e outros equipamentos obrigatórios de proteção.

Boletim
Receba Aleteia todo dia