Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Coronavírus e fome: menino boliviano anda 8 km atrás de comida para 7 irmãos

BOLIVIA
Facebook | Calentando Corazones Bolivia
Compartilhar

A fome é um drama colateral cada vez mais evidente na epidemia de Covid-19 na América Latina

Luis Marcelo tem 11 anos de idade. Ele tomou coragem e partiu do bairro de Virgen de Luján, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e percorreu 8 quilômetros a pé até a região da Avenida Cristo Redentor, no centro da cidade, com um objetivo bastante concreto: conseguir comida para os 7 irmãozinhos, que estão confinados em casa por causa da pandemia da Covid-19.

O menino tinha ficado sabendo que uma fundação chamada Calentando Corazones (Aquecendo Corações) estava doando cestas para famílias carentes. Ele queria ganhar uma delas para os seus irmãos.

A história de Luis Marcelo, divulgada pelo jornal boliviano El Deber, escancara um drama colateral ligado ao avanço do coronavírus na Bolívia e no resto da América Latina: a fome.

Os pais das crianças são um pedreiro desempregado e uma dona-de-casa igualmente sem renda. O casal, que já lutava para alimentar os oito filhos, agora está dependendo de ajuda do próximo, só que o próximo ficou ainda mais distante por conta das regulamentações de afastamento social voltadas a reduzir a curva dos contágios. O governo anunciou auxílios à população carente, mas muitos cidadãos ainda não receberam nada.

Luis Marcelo não podia esperar mais.

“Faz três dias que a gente não come. A gente estava comendo um ovo com arroz, mas acabou faz três dias”.

A estarrecedora declaração foi feita à mídia local.

Luis Marcelo chegou às portas da fundação bem a tempo de conseguir uma das cestas.

“Eu estava com medo que a polícia me pegasse porque eu tinha saído para a rua”.

Foi a própria fundação que divulgou o esforço de Luis Marcelo nas redes sociais, o que tocou o coração de muitos: algumas ajudas começaram a chegar até a família.

Mas quanto essa ajuda vai durar? E a quantas outras famílias esse tipo de ajuda vai chegar?

Boletim
Receba Aleteia todo dia