Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
Atualidade

Moçambique: ataque jihadista revela instabilidade crescente

LUIZ FERNANDO LISBOA

ACN

Fundação AIS - publicado em 01/04/20

“É uma vergonha o que está a acontecer”, desabafa bispo de Pemba após ataque de grupo armado a Mocímboa

Forças de segurança e militares fugiram perante o avanço dos “insurgentes” que hastearam bandeiras negras iguais às dos grupos jihadistas. D. Luiz Fernando Lisboa comentou o ataque à Fundação AIS e descreve o sentimento de medo nas populações.

Foi um ataque de envergadura, inédito até pela forma como ocorreu. Segunda-feira, durante várias horas, um grupo armado – a imprensa moçambicana fala em “insurgentes” – atacou e ocupou a vila de Mocímboa da Praia, que é a capital distrital e tem cerca de vinte mil habitantes.

Praticamente sem oposição das forças de segurança, os atacantes queimaram edifícios públicos, libertaram os detidos na prisão local e chegaram a patrulhar as ruas. Sinal desta manifestação de força, “os insurgentes” hastearam a bandeira negra que identifica os grupos jihadistas.

Para D. Luiz Fernando Lisboa o que aconteceu foi “uma vergonha para Moçambique”. Em declarações ao telefone para a Fundação AIS em Lisboa, o Bispo de Pemba sublinha a forma quase impune como o ataque ocorreu.

“Não houve uma reação forte das forças de segurança, das forças de defesa. Muitos fugiram porque os atacantes eram em número maior, e então eles levaram roupa, armamento, comida, carros e roupas dos militares. Alguns [dos atacantes] estavam vestidos com [uniformes] militares. O dito reforço das forças de defesa chegou só depois de eles se terem retirado. Quer dizer: não chegou nenhum reforço. Eles não foram confrontados.”

A forma como ocorreu este ataque à vila de Mocímboa da Praia veio sublinhar a ausência de capacidade de afirmação das autoridades. “Eles entraram e saíram na hora que quiseram”, explica o Bispo. “Isto foi uma vergonha. É uma verdadeira vergonha para Moçambique o que está a acontecer e que a nossa população esteja a ser humilhada dessa forma.”

Este ataque poderá ter marcado um ponto de viragem na instabilidade crescente que se está a viver na região norte de Moçambique desde Outubro de 2017. Até agora, os ataques ocorreram sobretudo em zonas rurais ou pouco habitadas. Desta vez, “os insurgentes”, para usar a terminologia da imprensa moçambicana, ousaram fazer uma verdadeira manifestação de força na capital de distrito.

Se havia já um sentimento de medo nas populações, agora a situação é bem pior. “E eles deixaram o recado que iam voltar”, lembra o prelado. “Agora, as populações estão com medo. Se eles atacaram Mocímboa, que é a vila maior que existe naquela região, [as populações] de Palma, de Mueda, de Macomia, estão todas com medo. O pessoal está todo amedrontado. Já estavam antes, agora piorou.”

Os relatos entretanto surgidos na imprensa descrevem cenas de “caos e pânico” durante o tempo em que a vila esteve tomada pelos atacantes que exibiram bandeiras negras, as que identificam os grupos jihadistas, e chegaram mesmo a hastear uma no principal edifício público na vila. “Não sei onde foi hasteada, mas o que tem sido reportado é isso: que eles tiraram a bandeira de Moçambique e colocaram uma bandeira deles. Mas eu não sei que bandeira é essa. Eu não vi, e então não posso fazer afirmações gratuitas. Mas que eles hastearam uma bandeira, isso eles fizeram”, descrever o Bispo de Pemba na conversa telefónica com a Fundação AIS.

O grupo terrorista Daesh (o autoproclamado Estado Islâmico) tem reivindicado nos últimos tempos diversos ataques na província de Cabo Delgado. No início de Março, através da Internet, o Daesh assumiu mesmo a morte de soldados do exército moçambicano nesta região, na sequência de confrontos com forças governamentais. Eventualmente ter-se-á tratado do ataque ocorrido dias antes, a 19 de Fevereiro, na aldeia de Chiculua, no distrito de Palma, em que terão morrido pelo menos quatro soldados, sido queimadas diversas casas e saqueados alguns estabelecimentos comerciais.

Situação complexa

A Igreja Católica está a acompanhar com natural preocupação o evoluir desta realidade. Também para D. Diamantino Antunes, Bispo de Tete, as notícias que chegam do norte de Moçambique são inquietantes. “Em Cabo Delgado a situação de facto não está fácil”, diz este prelado, acrescentando que os ataques, por parte de grupos “de que não se conhece a origem nem a motivação”, estão a criar “uma situação de pânico entre as populações”.

Em entrevista no final do passado mês de Fevereiro à Fundação AIS, D. Diamantino Antunes descreve esta situação como muito complexa. “Desde que começaram os primeiros ataques, já se contabilizaram cerca de cinco centenas de mortos e uma onda muito grande de pessoas que são obrigadas, por falta de segurança, a fugir e a refugiar-se, deslocar-se, para as zonas urbanas.”

As pessoas “precisam de comida”

O ataque desta semana veio agravar este sentimento de insegurança. No entanto, a Igreja católica vai continuar junto das populações, apesar do risco evidente de novos incidentes armados. D. Luiz Fernando Lisboa assegura à Fundação AIS que os missionários presentes na região de Cabo Delgado “não querem sair”. “A casa dos missionários acaba por ser um porto seguro que as pessoas buscam à procura de conselho, de algum tipo de ajuda. Eles conhecem o trabalho dos missionários. Os missionários ajudam os mais pobres. Então, os missionários têm essa segurança de que não vão ser atacados”, diz o Bispo, acrescentando que nestes momentos é importante a presença da Igreja. “Não podemos pensar só na nossa pele. Temos de pensar no sofrimento do povo em geral. Os missionários estão lá para estarem junto do povo.”

A onda de violência em Cabo Delgado está a deixar já marcas profundas também na vida das populações. Calcula-se que já terão morrido mais de 500 pessoas desde Outubro de 2017 quando os ataques tiveram início. Uma das consequências imediatas desta violência tem sido o abandono das terras. O medo leva as pessoas a abandonar o trabalho agrícola, o que tem provocado já situações de crise alimentar, de fome. O Bispo de Pemba diz mesmo que as pessoas “precisam de comida”. Isso é urgente. E também habitação. E D. Luiz Lisboa faz um apelo.“Temos muita gente deslocada, muita gente que perdeu a sua casa por causa do ciclone, e também nos ataques e que ainda não têm casa. Estão a viver [em casa de alguém numa situação de] favor. Então, a ajuda que nós temos é muito pouca diante de tanta necessidade. Quanto mais ajuda vier…”

(Departamento de Informação da Fundação AIS)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Perseguição
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia