Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEstilo de vida
line break icon

Crises pedem solidariedade, solidariedade pede sacrifícios

SOLIDARITÉ DIOCÈSE PARIS

Diocèse de Paris

Distribution de l'aide alimentaire à la paroisse Saint-Ambroise (Paris) le 27 mars 2020

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 05/04/20

A solidariedade encontra-se inscrita em todos nós, mas sempre seremos tentados pelo individualismo, pelo egoísmo e pela cobiça

A esperança cristã não é otimismo cego, mas sabedoria que nasce da experiência de sermos amados e protegidos, de modo imprevisto, por Deus. À luz dessa esperança, crises não deveriam ser ocasiões de desespero e confusão, mas sim oportunidades de aprendizado e discernimento.

Quando uma recessão econômica, causada pela redução da atividade produtiva em função do isolamento social, se soma às mortes causadas pelo coronavírus, precisamos muito dessa esperança e desse discernimento.

Um mundo mais solidário

Como vimos em outro artigo, a grande diretriz socioeconômica da doutrina social da Igreja para enfrentar uma crise é a solidariedade (exposta em Sollicitudo rei socialis, de São João Paulo II, de 1987, e Caritas in veritate, de Bento XVI, de 2009) – acompanhada pela subsidiariedade (ver O protagonismo social na pandemia).

Na atual pandemia, parece haver um consenso cada vez maior sobre a importância da solidariedade. A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que reúne os países mais ricos do mundo), jádeclarou  que a cooperação internacional e a solidariedade são indispensáveis para a superação da crise. Nessa perspectiva, países têm prestado ajuda técnica e até enviado profissionais para outros mais afetados pela Covid-19. Os pacotes de ajuda econômica emergencial dos governos têm priorizado a ajuda aos mais pobres, o apoio a empresas que não demitam seus funcionários, etc. As legislações se adaptam para proteger os que mais estão sofrendo com a paralização da economia.

No campo privado, empresas e instituições financeiras têm procurado dar sua contribuição, se readequando para não demitir funcionários, usando suas instalações para dar assistência à população, criando facilidades para seus devedores e/ou feito grandes doações a populações afetadas pela crise econômica. Os cidadãos, individualmente, também procuram dar sua contribuição, com programas de compras a pequenas empresas em risco, manutenção de empregados domésticos, mesmo que não venham trabalhar, e – evidentemente – mantendo o chamado “isolamento social” (não importa aqui se “horizontal” ou “vertical”).

A satisfação de ser solidário

Tais comportamentos nascem de análises que mostram como a solidariedade permite que todos superem mais rapidamente a crise, com menos prejuízo individual para cada um. Contudo, também correspondem a uma tendência inata no ser humano.

Fomos criados para o bem, ainda que tenhamos uma inclinação para o mal, fruto do pecado (cf. Catecismo da Igreja Católica, CIC 1706-1707). A solidariedade encontra-se inscrita em todos nós, mas sempre seremos tentados pelo individualismo, pelo egoísmo e pela cobiça. Momentos de crise fazem com que tenhamos que assumir decididamente uma dessas duas possibilidades: a solidariedade ou o individualismo. 

A solidariedade nos dá satisfação. Contudo, nas dificuldades, para ser eficiente, implica em sacrifícios. É relativamente fácil ser solidário quando se dá algo que não nos falta, mas na crise precisamos dar aquilo que poderá nos faltar. Não se trata de distribuir a abundância, mas compartilhar a carência. Nesses momentos, a história mostra que, onde a maioria estava disposta a fazer mais sacrifícios pelo bem comum, foi possível superar mais rapidamente as tragédias de pestes, guerras, terremotos e tsunamis.

A motivação para o sacrifício

A solidariedade pode nascer num movimento instintivo, como resposta natural frente ao sofrimento do outro. Mas a instintividade é incerta. Para que a solidariedade seja efetiva, as sociedades precisam se educar para praticá-la. Infelizmente, vivemos num contexto que frequentemente educa mais para o individualismo e para a fuga do sacrifício. A pandemia, nesse sentido, pode ser uma grande ocasião educativa.

Contudo, para os cristãos, a solidariedade não nasce apenas da constatação de que é necessária ou da instintividade. É uma resposta à consciência de que somos muito amados por Deus que realizou, por nós, o supremo sacrifício de seu Filho. Por isso, a solidariedade cristã não deveria temer o sacrifício.

Aproveitando o tempo quaresmal, podemos todos nos perguntar qual sacrifício estamos fazendo em solidariedade aos nossos irmãos que mais sofrem com a pandemia e a recessão econômica.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CaridadeCoronavírussolidariedade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia