Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório
Histórias Inspiradoras

O padre mártir de Auschwitz que foi crucificado com Jesus na Sexta-Feira Santa

BEATO PEDRO EDUARDO DANKOWSKI

CC

Gerardo Rodríguez - Reportagem local - publicado em 06/04/20

Beatificado por São João Paulo II: conheça a extraordinária história do sacerdote que viveu o seu calvário no campo de concentração

Campo de concentração de Auschwitz, sábado anterior ao Domingo de Ramos de 1942. O verdugo, alemão, tem um nome: Hans. A vítima, da Polônia, também: Pedro. Sobre o alemão, a crônica do campo de concentração registrou somente o primeiro nome e o cargo, “Arbeitsdienstführer” (chefe de operações). Do polonês, foi registrado que o número era 24.529, que seu nome completo era Piotr Edward (Pedro Eduardo) Dankowski e que se tratava de um sacerdote católico.

Nesse dia, na recontagem matutina, outro sacerdote é testemunha do golpe cruel. Derrubado por um soco, já no chão, ele é chutado na cabeça e na barriga. O chefe também quebra os seus óculos. O motivo? No dia anterior, o pe. Pedro não tinha podido ir ao trabalho porque estava muito doente. Para o verdugo, a impossibilidade real de trabalhar parecia um mero capricho: “Você não quis trabalhar”.

Depois, mandou amarrarem um tronco grosso nos ombros do sacerdote, que se contorcia de dor. Bem depois ele foi mandado para a enfermaria.

No dia seguinte, Domingo de Ramos, muito consciente de estar colocando a sua vida em risco, o pe. Ladislau Puczka decidiu visitar o seu amigo e ouviu sua confidência: “O kapo Hans anunciou a minha via sacra para esta Semana Santa”.

E foi assim. Em plena enfermaria, ao longo dos dias seguintes, o pe. Pedro sofreu novas torturas.

Na Sexta-Feira Santa, quando o pe. Ladislau entrou na enfermaria para visitar novamente o amigo, encontrou-o tal como a Vítima Divina do Calvário estava naquele mesmo dia: na cruz. Debilitado, extenuado, brutalmente espancado, ele tinha um tronco amarrado aos ombros. Recebida a absolvição, ele se despediu do amigo: “Até o céu!”. Naquele mesmo dia, o pe. Pedro foi morto a socos e chutes pelo kapo. Era 3 de abril de 1942.

Quando a II Guerra Mundial começou, o pe. Pedro não ficou indiferente ao sofrimento do seu povo e chegou a se juntar ao movimento de resistência em Podhale, dirigindo uma rádio clandestina junto com seu irmão Estanislau e redigindo comunicados. Ao mesmo tempo, prestava ajuda a todos os perseguidos pela Gestapo que fugiam pelas montanhas rumo à Hungria.

O comandante local alemão o advertiu de que ele estava sendo vigiado e poderia ser detido a qualquer momento. Mas o pe. Pedro se negou a fugir e mesmo a se esconder e decidiu permanecer no lugar que o bispo havia lhe confiado para exercer o seu ministério sacerdotal.

Em 10 de maio de 1941, ele foi preso e levado ao “palace”, local de interrogatórios e torturas – uma das mais “fáceis” era ter que dormir no chão gelado tremendo de frio durante a noite inteira. De lá, foi levado a uma prisão em Tarnów, de onde foi mandado para o campo de concentração de Auschwitz em 15 de dezembro de 1941.

No campo de concentração, o pe. Pedro foi obrigado a trabalhar muito além das próprias forças, cavando valas para a instalação de canais. Sua condição de sacerdote católico o transformou em objeto de especial perseguição do kapo Hans, que lhe deu um trabalho extra: cavar diariamente a própria cova e depois enchê-la de terra. Apesar de tudo, o pe. Pedro não perdia a sua serenidade; e, mesmo que o trabalho o deixasse esgotado, ele conseguia cantar hinos católicos para animar os outros. E assim continuou até a Semana Santa de 1942.

O pe. Pedro tinha sido ordenado sacerdote em 1931. Era muito devoto de Nossa Senhora e herdeiro de uma longa tradição familiar religiosa. Cordial, amável, aberto a todos, sabia conversar com as pessoas simples e com grandes intelectuais e ganhava a confiança dos fiéis que recorriam ao seu confessionário e lhe pediam orientação para as suas necessidades espirituais e humanas.

São João Paulo II o beatificou em 13 de junho de 1999.


Beato Karl Leisner

Leia também:
Ordenado às escondidas, celebrou sua única Missa no campo de concentração




Leia também:
“Estou morrendo, é verdade, mas estou morrendo para estar contigo eternamente”

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
MártiressacerdoteSemana SantaTestemunho
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia