Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
Em foco

Sacerdotes exilados do povo

CORONAVIRUS MASS

Piero CRUCIATTI | AFP

Reportagem local - Padre Paulo Ricardo - publicado em 08/04/20

Os fiéis em todo o mundo sofrem por estarem privados da Missa, e os padres, por estarem privados do seu povo

“O sacerdote chegou, tirou a pedra do altar e a guardou em sua mala; em seguida, queimou os maços de algodão que tinham óleo sagrado e jogou fora as cinzas; esvaziou a pia de água benta, apagou a lâmpada do sacrário e o deixou aberto e vazio, como se a partir daquele momento a Sexta-Feira da Paixão tivesse se tornado permanente.”

Na terça-feira passada [i.e., 17 de março] — primeiro dia sem Missas públicas em nossa diocese [devido ao surto da Covid-19] —, lembrei-me dessa cena do romance Retorno a Brideshead, de Evelyn Waugh, no qual o sacerdote fecha a capela da família Marchmain. E veio-me particularmente à memória a última linha: “como se a partir daquele momento a Sexta-Feira da Paixão tivesse se tornado permanente”.

Eu reconheço que a analogia não é perfeita, porque nossa situação não é exatamente idêntica à da Sexta-Feira Santa. A Missa ainda está sendo celebrada (embora privadamente), Nosso Senhor Eucarístico ainda está presente e nossas igrejas ainda estão abertas para que as pessoas possam rezar dentro delas. No entanto, apesar de necessária, a suspensão da celebração pública da Missa, de fato, provoca uma tristeza não muito diferente daquela causada pela Sexta-Feira Santa. É como se estivéssemos exilados de alguém que amamos: sabemos onde Ele está, mas não podemos estar com Ele.

Outro exílio doloroso é o dos sacerdotes, afastados de seu povo. Os fiéis em todo o mundo sofrem por estarem privados da Missa. Os sacerdotes sofrem por estarem privados do seu povo. Esses homens deram suas vidas pelo rebanho de Cristo, e agora se esforçam para compreender como serão suas vidas longe do rebanho. “Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado”, diz a exortação de São Pedro aos pastores da Igreja (1Pd 5, 2). Mas o que fazer quando o rebanho não está mais conosco… e não pode estar?

Toda essa situação põe em evidência esta verdade sobre nós, párocos: fomos ordenados propter homines — para servir o povo de Deus. Nossas vidas não fazem sentido sem um povo ao qual servir ou um rebanho do qual cuidar. Quando lhe perguntaram o que achava dos leigos, São John Henry Newman fez esta conhecida observação: “A Igreja seria ridícula sem eles”. De fato, os sacerdotes parecem ridículos numa situação como essa.

Infelizmente, temos consciência do que acontece quando um sacerdote perde a perspectiva sobrenatural e o senso do sagrado. Ele não apenas se torna inútil, mas perigoso. Um sacerdote deve, acima de tudo, concentrar-se no que é sagrado. Mas agora enxergamos a outra parte da equação com mais clareza. O sacerdote concentra-se no sagrado não por causa de si, mas pelos outros. Pois todo sumo sacerdote escolhido dentre os homens, diz a Carta aos Hebreus, “é designado para agir em nome dos homens perante Deus para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados” (5, 1). Sem a presença daqueles por quem age, portanto, um sacerdote pode perder de vista seu objetivo.

Nesse sentido, a suspensão da Missa pública pode e deveria se tornar uma ocasião para o crescimento espiritual, como todas as cruzes que suportamos. Temos de tirar todo o bem possível desse sofrimento.

Então, o que isso pode significar para um sacerdote?

Bem, para começar, a ausência dos fiéis pode lembrar aos sacerdotes que, na Missa, nos colocamos diante do Senhor em nome de nosso rebanho. É claro que os fiéis não estão presentes, mas nós estamos, e para representá-los. Isso realça a diferença entre alguém que conduz uma oração e um sacerdote. Aquele simplesmente coordena e guia uma ação em grupo, precisando apenas da autorização para fazê-lo, não da aprovação divina.

Porém, um sacerdote é designado para agir em nome dos homens perante Deus. Ele se coloca diante do Todo-Poderoso como personificação das orações e sacrifícios de seu rebanho — quer estejam ou não presentes. A ausência dos fiéis deveria, pois, aumentar nossa estima por essa verdade.

Outra luz que resplandece é da generosidade evangélica e da criatividade de tantos sacerdotes sem rebanho. Durante o bombardeio da Inglaterra na Segunda Guerra Mundial, o monsenhor Ronald Knox se refugiou em Mells para trabalhar na tradução de partes da Sagrada Escritura. Subitamente, ele se tornou capelão de uma escola feminina que havia sido evacuada de Londres para aquela cidade pacata. Não era o melhor cenário para o estudioso Knox, nem se tratava de uma situação desejada por ele. Mas sua resposta foi generosa, criativa e duradoura. Daquela capelania surgiram duas de suas melhores obras: O Credo em Câmera Lenta e A Missa em Câmera Lenta.

Assim também muitos sacerdotes separados de seus fiéis estão tirando o máximo proveito da situação. Apesar do contexto triste e diferente daquilo que teriam escolhido, eles não desistiram. Estão tentando encontrar formas inusitadas de evangelizar. E a internet possibilita o uso de soluções criativas, tendo muitos visto nela oportunidades para chegar ao rebanho que já não está presente.

Além disso, toda essa situação revela a verdadeira natureza do ministério sacerdotal: é realmente uma questão de paternidade espiritual, diz respeito à presença de um pai perante seus filhos. A impossibilidade de estar presente realça de forma dolorosa a necessidade dessa presença.

Isso também mostra que toda a tecnologia que possuímos, que tendemos a enxergar como a solução para a evangelização, é insuficiente, apenas um paliativo. É um paradoxo fascinante o fato de que, nesta situação, dependemos ainda mais da tecnologia e ao mesmo tempo percebemos com maior clareza suas limitações. Por mais úteis que sejam, e-mails, transmissões ao vivo, vídeos etc. não podem nos colocar verdadeiramente em contato uns com os outros. Eles apenas nos sustentarão até que a verdadeira comunicação humana — sem mediação, face a face, pessoa a pessoa —  possa ser recuperada.

Não há nada que possa substituir a presença do pastor junto aos seus fiéis. E o coração de um sacerdote não pode contentar-se com uma conexão virtual. Ele anseia pelo real.

Finalmente, podemos tirar uma última rosa desses espinhos: uma valorização cada vez maior da devoção de nosso povo. A ausência de uma Missa pública dominical impactará consideravelmente as vidas de todos os católicos, quer eles percebam, quer não. Mas muitos se dão conta disso. Eles anseiam pela Missa, ainda vão à igreja para rezar e desejam receber tudo o que um sacerdote deseja oferecer. A dor e o anseio que sentem deveriam nos encorajar a nos fazermos dignos deles.

Passamos por um advento inesperado em plena Quaresma. Estamos esperando e portanto nos preparando para o momento em que o sacerdote de Cristo poderá estar com seu rebanho novamente.

Por Pe. Paul Scalia, tradução da Equipe Christo Nihil Praeponere, publicado pelo site do Padre Paulo Ricardo 

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CoronavírusDepressão
Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia