Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconReligião
line break icon

A beleza, da Sexta-feira Santa ao Domingo de Páscoa

resurrection

Luca Giordano | Public Domain

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 12/04/20

O desfigurado da cerimônia da Paixão não seria compreensível sem o fulgor da ressurreição

Nesse período de quarentena, recebemos diariamente, pelas redes sociais, uma infinidade de instruções sobre saúde e bem viver, notícias verdadeiras ou falsas, piadinhas engraçadas ou de gosto duvidoso, histórias edificantes, vídeos de música, etc. Entre essas mensagens, uma se sobressai: um vídeo do ator Antônio Fagundes declamando um poema intitulado “Curar”, que fala sobre o isolamento e introspecção das pessoas numa pandemia e de como elas, após esse período, se reencontraram para construir um mundo melhor. É fácil encontrar o vídeo na Web, e Aleteia publicou um ótimo artigo explicando a história da poesia.

Esse poema se sobressai porque conta um pouco da vida de todos nós nesse tempo de pandemia, mas a recobre com o manto de uma verdadeira beleza. Não aquela falsa, que procura nos seduzir e nos enganar, mas aquela verdadeira, que nos enche de compaixão, esperança e coragem, sem negar a realidade, mas mostrando a força do desejo de bondade e felicidade que permanece, ora evidente, ora escondido, no coração de cada um de nós. Como diz um documento do Pontifício Conselho para a Cultura, a beleza nos abre para a verdade, isto é, faz com que a verdade seja mais evidente, que percebamos melhor a correspondência entre nosso anseio de vida e a Verdade que criou o mundo. 

A beleza que salva e a pandemia

A cultura popular consagrou uma expressão de Dostoievski, “a beleza salvará o mundo”. Contudo, os que a citam frequentemente se esquecem de duas coisas. A primeira é que a frase vem pronunciada por um cristão convicto, o príncipe Míchkin, referindo-se à beleza que é Cristo. A segunda, é que a frase é proferida, no romance, em tom sarcástico, considerada um absurdo proferido pelo protagonista, citado no título da obra como “O idiota”.

É extraordinária a força tanto da frase quanto do personagem de Dostoievski. Como um mundo que caminhava para um tempo cada vez mais secular (o livro foi publicado em 1874), que valoriza o sucesso a qualquer preço e o individualismo, foi se render à frase religiosa de um anti-herói fracassado? A própria sobrevivência da frase é um sinal de como a beleza salva o mundo – não pelo êxito e pela força, mas pelo amor que dá sentido e gosto à vida.

Também nesses tempos de pandemia, a ciência bem utilizada, a solidariedade e a ação responsável da população e dos governantes poderão evitar muitas mortes e muito sofrimento. Mas a salvação pela qual todos ansiamos, de forma dramática, nas dificuldades, ou até distraída, nas facilidades, permanece a mesma. Ao associá-la com a beleza, Dostoievski deixou as pegadas da nostalgia de Deus marcadas no solo da nossa cultura e da nossa mentalidade.

O desfigurado

O Cardeal Joseph Ratzinger, inicia uma mensagem de 2002 comentando que sempre se impressiona com um aparente paradoxo na liturgia das Vésperas. Ao longo do ano, a antífona do Salmo 45 (44, sobre a beleza do Rei e suas núpcias) vem do seu terceiro versículo: “Tu és o mais belo entre os filhos dos homens, dos teus lábios emana graça”. Na Semana Santa, contudo, o mesmo salmo sobre a beleza vem precedido da antífona: “Não existe nele beleza nem aparência; nós vimos um rosto transfigurado de dor” (cf. Is 53, 2).

Como “o mais belo entre os filhos dos homens” pode ter “um rosto desfigurado de dor”, a tal ponto das pessoas nem mesmo quererem olhar para ele, como diz o profeta? Em sua mensagem, Ratzinger lembra que esse rosto jamais corresponderia aos ideais de beleza preconizado, por exemplo, pelos filósofos gregos.

O homem desfigurado da antífona é Cristo flagelado e morto na cruz. Sua dor é a “prova” do amor de Deus pelo ser humano. Por isso, a tradição popular sempre teve uma deferência particular para com a liturgia e as comemorações da Sexta-Feira “da Paixão” – termo que vem do latim, significando sofrer, mas que também se tornou para nós sinônimo de um amor desenfreado. A beleza da Sexta-feira Santa é nos mostrar que a verdade última de nosso ser é que desejamos um amor que supere toda a dor e todo o limite de nossa condição humana, que o sofrimento – por grande que seja – pode não ser a última palavra sobre o nosso destino, pois existe um amor ainda maior que ele.

A iconografia oriental, frequentemente pinta, na cruz, o Cristo já ressuscitado e glorioso. Quer nos mostrar que a verdade última do desfigurado não é sua aparência sofrida, mas a vitória do Seu amor. No fundo, a beleza luminosa do Domingo da ressurreição pareceria quase cínica sem a dor excruciante da Sexta-feira Santa. Mas também o desfigurado da cerimônia da Paixão não seria compreensível sem o fulgor da ressurreição.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Páscoa
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia