Aleteia

Como celebrar em casa o sábado de Páscoa da Ressurreição

"Noli me tangere" - Beato Angélico (1438-1440). Convento de San Marcos, Florencia.
Compartilhar

Roteiro para fazer em sua casa a Celebração da Palavra deste Sábado

A celebração da Ressurreição de Jesus continua nas próximas semanas, até culminar em Pentecostes. Até o final do período de confinamento por causa do coronavírus, a Aleteia, em colaboração com a revista Magnificat, continuará oferecendo estes guias para você realizar na sua casa a Celebração da Palavra de Deus.

ROTEIRO DA CELEBRAÇÃO:

  • Se você está sozinho, é preferível ler as leituras e orações da missa deste domingo ou acompanhar a missa pela televisão.
  • Esta celebração requer ao menos a participação de duas pessoas.
  • Pode ser celebrada na noite de sábado (vigília do domingo) e na tarde do domingo. No entanto, a manhã de domingo é o momento mais apropriado.
  • Esta celebração se adapta particularmente ao contexto familiar.
  • Deve-se colocar o número de cadeiras necessário diante de um espaço de oração, respeitando a distância de um metro entre cada cadeira.
  • Deve-se colocar uma cruz ou o crucifixo.
  • Acende-se uma ou várias velas, que devem ser colocadas em um suporte seguro. Ao final da celebração, elas devem ser apagadas.
  • Se você tem flores no jardim, colha algumas para colocá-las no ambiente de oração, pois sua presença é particularmente indicada neste domingo Laetare, em previsão da alegria da Páscoa. 
  • Designa-se uma pessoa para dirigir a oração (em ordem de prioridade: um diácono, um leigo que tenha recebido o ministério de leitor ou acolitado, o pai ou a mãe de família.
  • A pessoa encarregada de dirigir a oração estabelecerá a duração dos momentos de silêncio.
  • Serão designados leitores para as leituras.
  • Preparar-se-á com antecedência a oração universal (que aparece neste guia) e se designará uma pessoa para sua leitura.
  • Podem-se preparar os cantos apropriados.

SÁBADO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

Celebração da Palavra

 “Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura”

 

Sentados. O condutor da celebração toma a palavra: 

Irmãos e irmãs:
Jesus Cristo ressuscitou verdadeiramente.
Somos testemunhos de sua ressurreição. Aleluia!

A passagem evangélica deste dia
nos permite reviver algumas
das aparições do Senhor ressuscitado.

Revivemos o drama dos discípulos e apóstolos
de Jesus condenado ao pior escárnio:
a morte na cruz. Tudo parecia terminado.

Revivemos a emoção daqueles corações desesperados,
que redescobriram a esperança mais profunda
ouvindo a voz do mestre
e emocionando-se diante da pureza de seu olhar.

Nós, como eles, gostaríamos de sair para as ruas e praças
e gritar de alegria: ele ressuscitou!
É verdade que estamos confinados em nossas casas.
Mas não há razão para desencorajar nosso entusiasmo.

Também do confinamento
podemos testemunhar a ressurreição:
testemunhando com nossas palavras e nossa vida
o mandamento do amor, o qual Ele nos deixou.

Pausa

Neste Sábado de Páscoa da Ressurreição,
circunstâncias excepcionais continuam
a nos impedir de participar da celebração da Eucaristia.
No entanto, hoje mais do que nunca
devemos atualizá-la
amando-nos uns aos outros,
como Tu, Senhor, nos amaste.

Depois de um verdadeiro momento de silêncio, todos se levantam e fazem o sinal da cruz dizendo:

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

O condutor continua:

Para nos prepararmos para receber a Palavra de Deus
para que ela possa nos regenerar,
reconheçamos nossos pecados.

Segue o rito penitencial.

Senhor, tende piedade de nós.
Porque pecamos contra ti.
Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia.
E dai-nos a vossa salvação.

Que Deus Todo-Poderoso tenha misericórdia de nós,
perdoe os nossos pecados,
e nos conduza à vida eterna.

Amém

Recitamos ou cantamos:

Senhor, tende piedade.
Senhor, tende piedade.
Cristo, tende piedade.
Cristo, tende piedade.
Senhor, tende piedade.
Senhor, tende piedade.

 

ORAÇÃO

O condutor recita a oração:

Senhor nosso Deus, que, na vossa imensa bondade, ofereceis a todos os povos o dom da fé, olhai benignamente para os vossos filhos e fazei que, renascidos pelo sacramento do Baptismo, sejam revestidos da vida imortal na glória celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

R/. Aleluia

A pessoa encarregada da primeira leitura permanece de pé, enquanto as outras pessoas ficam sentadas.

 

PRIMEIRA LEITURA

Leitura dos Atos dos Apóstolos (4, 13-21)

Naqueles dias:
Os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas,
ficaram admirados ao ver a segurança
com que Pedro e João falavam,
pois eram pessoas simples e sem instrução.
Reconheciam que eles tinham estado com Jesus.
No entanto viam, de pé, junto a eles,
o homem que tinha sido curado.
E não podiam dizer nada em contrário.
Mandaram que saíssem para fora do Sinédrio,
e começaram a discutir entre si:
‘O que vamos fazer com esses homens?
Eles realizaram um milagre claríssimo,
e o fato tornou-se de tal modo conhecido
por todos os habitantes de Jerusalém,
que não podemos negá-lo.
Contudo, a fim de que a coisa
não se espalhe ainda mais entre o povo,
vamos ameaçá-los, para que não falem mais a ninguém
a respeito do nome de Jesus.’
Chamaram de novo Pedro e João
e ordenaram-lhes que, de modo algum,
falassem ou ensinassem em nome de Jesus.
Pedro e João responderam:
‘Julgai vós mesmos, se é justo diante de Deus
que obedeçamos a vós e não a Deus!
Quanto a nós, não nos podemos calar
sobre o que vimos e ouvimos.’
Então, insistindo em suas ameaças,
deixaram Pedro e João em liberdade,
já que não tinham meio de castigá-los,
por causa do povo.
Pois todos glorificavam a Deus
pelo que havia acontecido.
Palavra do Senhor.

O mesmo leitor, ou outro que for designado, lê o Salmo

SALMO (117)

R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
Dai graças ao Senhor, porque ele é bom!
‘Eterna é a sua misericórdia!’
O Senhor é minha força e o meu canto,
e tornou-se para mim o Salvador.
‘Clamores de alegria e de vitória
ressoem pelas tendas dos fiéis.
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
A mão direita do Senhor fez maravilhas,
a mão direita do Senhor me levantou,
a mão direita do Senhor fez maravilhas!’
O Senhor severamente me provou,
mas não me abandonou às mãos da morte.
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
Abri-me vós, abri-me as portas da justiça;
quero entrar para dar graças ao Senhor!
‘Sim, esta é a porta do Senhor,
por ela só os justos entrarão!’
Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes
e vos tornastes para mim o Salvador!
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
EVANGELHO

Para aclamar o Evangelho, cantamos o Aleluia triunfal:

R/ Aleluia, aleluia, aleluia.
Este é o dia do triunfo do Senhor,
dia de alegria e júbilo.
R/ Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho segundo Marcos (16, 9-15)

Depois de ressuscitar,
na madrugada do primeiro dia após o sábado,
Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena,
da qual havia expulsado sete demônios.
Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus,
que estavam de luto e chorando.
Quando ouviram que ele estava vivo
e fora visto por ela, não quiseram acreditar.
Em seguida, Jesus apareceu a dois deles,
com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo.
Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros.
Também a estes não deram crédito.
Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos
enquanto estavam comendo,
repreendeu-os por causa da falta de fé
e pela dureza de coração,
porque não tinham acreditado
naqueles que o tinham visto ressuscitado.
E disse-lhes:
‘Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura!
Palavra da Salvação.

O Evangelho conclui sem aclamação. Todos se sentam. O condutor volta a ler lentamente, como se fosse um eco distante:

No profundo do nosso coração marcado pelo pecado,
deixemos ecoar esta palavra do Senhor,
que é endereçada pessoalmente a cada um de nós:

“Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura”

Permanecemos três minutos em silêncio para meditar. 

 

PAI NOSSO

O condutor da celebração introduz o Pai Nosso

Unidos no Espírito e na comunhão da Igreja,
fiéis à recomendação do Salvador,
ousamos dizer:

Reza-se o Pai Nosso

Pai Nosso que estais nos Céus,
santificado seja o vosso Nome,
venha a nós o vosso Reino,
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do Mal.

E imediatamente todos prosseguem proclamando: 

Teu é o reino, o poder e a glória para sempre, Senhor.

O condutor segue dizendo: 

Acabamos de juntar nossa voz
à do Senhor Jesus para rezar ao Pai.
Nós somos filhos no Filho.
Na caridade que nos une,
renovados pela Palavra de Deus,
podemos trocar um gesto de paz,
sinal de comunhão
que recebemos do Senhor.

Faz-se o gesto da paz.

Sentamo-nos.

 

COMUNHÃO ESPIRITUAL

O condutor diz:

Como não podemos receber a comunhão sacramental, o Papa Francisco nos convida urgentemente a realizar a comunhão espiritual, também chamada de “comunhão do desejo”. O Concílio de Trento nos lembra que “trata-se de um desejo ardente de alimentar-se deste pão celestial, unidos a uma fé viva que trabalha pela caridade, e isso nos torna participantes dos frutos e graças do Sacramento”. O valor da nossa comunhão espiritual portanto, depende da nossa fé na presença de Cristo na Eucaristia, como fonte de vida, amor e unidade, e de nosso desejo de receber a Comunhão, apesar de tudo.

Com esta disposição, convido-vos a reclinar a cabeça, fechar os olhos e viver um momento de recolhimento.

Pausa em silêncio

No mais profundo de nossos corações
deixemos crescer o desejo ardente de nos unirmos a Jesus,
em comunhão sacramental,
e de fazer que seu amor se faça vivo em nossas vidas,
amando nossos irmãos e irmãs como Ele nos amou.

Permanecemos cinco minutos em silêncio em um diálogo de coração a coração com Jesus Cristo. Podemos elevar um canto de ação de graças. Colocamo-nos de pé, e todos juntos pronunciam esta oração:

Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amém

 

BÊNÇÃO

O condutor da Celebração, com as mãos juntas, pronuncia em nome de todos a fórmula da bênção:

Pela intercessão de São N.
[padroeiro da paróquia],
de todos os santos e santas de Deus,
que o Senhor da perseverança e da fortaleza
ajude-nos a viver o espírito de
sacrifício, compaixão e amor de Jesus Cristo.

Desta forma, em comunhão com o Espírito Santo,
daremos glória a Deus,
Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo,
pelos séculos dos séculos.

R. Amém.

Todos juntos olhando para a cruz pedem a bênção do Senhor:

Desça sobre nós a bênção de Deus e permaneça para sempre. Amém.

Todos fazem o sinal da cruz.
Os pais podem fazer o sinal da cruz na testa dos filhos pequenos.
É possível concluir a celebração elevando um cântico à Virgem Maria.

Regina caeli, laetare, alleluia,
quia quem meruisti portare, alleluia,
resurrexit sicut dixit, alleluia;
ora pro nobis Deum, alleluia.

Rainha do Céu, alegrai-vos, Aleluia!
Porque Aquele que merecestes trazer em Vosso ventre, Aleluia!
Ressuscitou como disse, Aleluia!
Rogai por nós a Deus, Aleluia!

Boletim
Receba Aleteia todo dia