Aleteia

Como celebrar este Domingo da Misericórdia em casa

THE MIRACULOUS DRAUGHT OF FISHES
Compartilhar

Este é o folheto digital para você fazer em sua casa a CELEBRAÇÃO DA PALAVRA deste Domingo da Divina Misericórdia

A celebração da Ressurreição de Jesus continua nas próximas semanas, até culminar em Pentecostes. Até o final do período de confinamento por causa do coronavírus, a Aleteia, em colaboração com a revista Magnificat, continuará oferecendo estes guias para você realizar na sua casa a Celebração da Palavra de Deus.

ROTEIRO DA CELEBRAÇÃO:

  • Se você está sozinho, é preferível ler as leituras e orações da missa deste domingo ou acompanhar a missa pela televisão.
  • Esta celebração requer ao menos a participação de duas pessoas.
  • Pode ser celebrada na noite de sábado (vigília do domingo) e na tarde do domingo. No entanto, a manhã de domingo é o momento mais apropriado.
  • Esta celebração se adapta particularmente ao contexto familiar.
  • Deve-se colocar o número de cadeiras necessário diante de um espaço de oração, respeitando a distância de um metro entre cada cadeira.
  • Deve-se colocar uma cruz ou o crucifixo.
  • Acende-se uma ou várias velas, que devem ser colocadas em um suporte seguro. Ao final da celebração, elas devem ser apagadas.
  • Se você tem flores no jardim, colha algumas para colocá-las no ambiente de oração, pois sua presença é particularmente indicada neste domingo Laetare, em previsão da alegria da Páscoa. 
  • Designa-se uma pessoa para dirigir a oração (em ordem de prioridade: um diácono, um leigo que tenha recebido o ministério de leitor ou acolitado, o pai ou a mãe de família.
  • A pessoa encarregada de dirigir a oração estabelecerá a duração dos momentos de silêncio.
  • Serão designados leitores para as leituras.
  • Preparar-se-á com antecedência a oração universal (que aparece neste guia) e se designará uma pessoa para sua leitura.
  • Podem-se preparar os cantos apropriados.

 

SEGUNDO DOMINGO DA PÁSCOA

FESTIVIDADE DA DIVINA MISERICÓRDIA

Celebração da Palavra

 “A misericórdia do Senhor é eterna. Aleluia”

 

Sentados. O condutor da celebração toma a palavra: 

Irmãos e irmãs:
o Domingo, primeiro dia da semana,
é para os cristãos o dia do Senhor,
o dia instituído para celebrar sua Ressurreição.

Por esse motivo, principalmente neste segundo domingo da Páscoa,
como gostaríamos de poder sair de nossas casas
e ir até nossa amada igreja paroquial
reencontrar a assembleia de nossos irmãos e irmãs
e receber o Corpo de Cristo,
alimentando-nos com sua presença real!

Irmãos e irmãs:
nosso coração está ardendo para participar
da missa de Domingo para que, fortalecidos pelo sacramento,
possamos nos tornar para os outros o que recebemos:
o Corpo de Cristo que ama os seus que estão no mundo,
e os ama até o fim.

Infelizmente, neste Domingo da Misericórdia,
compartilhamos a preocupação com o presente,
medo diante do futuro,
sofrimento e, em alguns casos, doença e morte.

Como é possível que, no momento em que
precisamos da graça da missa de domingo,
nós temos que ficar em casa confinados?

Irmãos e irmãs, não vamos ficar tristes:
Jesus ressuscitou verdadeiramente!
Estamos trancados em casa?
Jesus ressuscitado estará presente entre nós,
pois assim ele prometeu,
sempre que nos reunimos para rezar em seu nome.

Quando lemos Sua Palavra em Igreja,
a mesma Palavra de Deus está presente entre nós.
Não vamos duvidar: Ele vai dirigir sua Palavra a nós.

Pausa

Neste Domingo da Divina Misericórdia,
circunstâncias excepcionais continuam
a nos impedir de participar da celebração da Eucaristia.
No entanto, hoje mais do que nunca
devemos atualizá-la
amando-nos uns aos outros,
como Tu, Senhor, nos amaste.

Depois de um verdadeiro momento de silêncio, todos se levantam e fazem o sinal da cruz dizendo:

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

O condutor continua:

Para nos prepararmos para receber a Palavra de Deus
para que ela possa nos regenerar,
reconheçamos nossos pecados.

Segue o rito penitencial.

Senhor, tende piedade de nós.
Porque pecamos contra ti.
Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia.
E dai-nos a vossa salvação.

Que Deus Todo-Poderoso tenha misericórdia de nós,
perdoe os nossos pecados,
e nos conduza à vida eterna.

Amém

Recitamos ou cantamos:

Senhor, tende piedade.
Senhor, tende piedade.
Cristo, tende piedade.
Cristo, tende piedade.
Senhor, tende piedade.
Senhor, tende piedade.

Recitamos o Glória:

Glória a Deus nas alturas
e paz na terra aos homens
por Ele amados.
Senhor Deus, Rei dos céus,
Deus Pai todo-poderoso:
nós Vos louvamos,
nós Vos bendizemos,
nós Vos adoramos,
nós Vos glorificamos,
nós Vos damos graças,
por vossa imensa glória.
Senhor Jesus Cristo,
Filho Unigénito,
Senhor Deus, Cordeiro de Deus,
Filho de Deus Pai:
Vós que tirais o pecado do mundo,
tende piedade de nós;
Vós que tirais o pecado do mundo,
acolhei a nossa súplica;
Vós que estais à direita do Pai,
tende piedade de nós.
Só Vós sois o Santo;
só Vós, o Senhor;
só Vós, o Altíssimo,
Jesus Cristo;
com o Espírito Santo
na glória de Deus Pai.
Amém

Gloria in excelsis Deo,
et in terra pax hominibus bonae voluntatis.
Laudamus te,
Benedicimus te,
Adoramus te,
Glorificamus te,
Gratias agimus tibi propter magnam gloriam tuam,
Domine Deus, Rex caelestis, Deus Pater omnipotens.
Domine fili unigenite, Jesu Christe,
Domine Deus, Agnus Dei, Filius patris,
Qui tollis peccata mundi, miserere nobis.
Qui tollis peccata mundi, suscipe deprecationem nostram.
Qui sedes ad dexteram Patris, miserere nobis.
Quoniam tu solus sanctus,
Tu solus Dominus,
Tu solus Altissimus, Jesu Christe,
Cum Sancto Spiritu in gloria Dei Patris.
Amen.

 

ORAÇÃO

O condutor recita a oração:

Deus de eterna misericórdia, que reanimais a fé do vosso povo na celebração anual das festas pascais, aumentai em nós os dons da vossa graça, para compreendermos melhor as riquezas inesgotáveis do Baptismo com que fomos purificados, do Espírito em que fomos renovados e do Sangue com que fomos redimidos. Por Nosso Senhor.

R/. Aleluia

A pessoa encarregada da primeira leitura permanece de pé, enquanto as outras pessoas ficam sentadas.

 

PRIMEIRA LEITURA

Leitura dos Atos dos Apóstolos (2,42-47)

Os que haviam se convertido
eram perseverantes em ouvir
o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna
na fração do pão e nas orações.
E todos estavam cheios de temor
por causa dos numerosos prodígios e sinais
que os apóstolos realizavam.
Todos os que abraçavam a fé viviam unidos
e colocavam tudo em comum;
vendiam suas propriedades e seus bens
e repartiam o dinheiro entre todos,
conforme a necessidade de cada um.
Diariamente, todos freqüentavam o Templo,
partiam o pão pelas casas e, unidos,
tomavam a refeição com alegria
e simplicidade de coração.
Louvavam a Deus e eram estimados por todo o povo.
E, cada dia, o Senhor acrescentava ao seu número
mais pessoas que seriam salvas.
Palavra do Senhor.

O mesmo leitor, ou outro que for designado, lê o Salmo

SALMO (117)

R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
A casa de Israel agora o diga:
‘Eterna é a sua misericórdia!’
A casa de Aarão agora o diga:
‘Eterna é a sua misericórdia!’
Os que temem o Senhor agora o digam:
‘Eterna é a sua misericórdia!’
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
Empurraram-me, tentando derrubar-me,
mas veio o Senhor em meu socorro.
O Senhor é minha força e o meu canto,
e tornou-se para mim o Salvador.
‘Clamores de alegria e de vitória
ressoem pelas tendas dos fiéis.
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
‘A pedra que os pedreiros rejeitaram,
tornou-se agora a pedra angular.
Pelo Senhor é que foi feito tudo isso:
Que maravilhas ele fez a nossos olhos!
Este é o dia que o Senhor fez para nós,
alegremo-nos e nele exultemos!
R/. Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes. Aleluia.
SEGUNDA LEITURA
Leitura da Primeira Carta de São Pedro (1,3-9)
Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.
Em sua grande misericórdia,
pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,
ele nos fez nascer de novo, para uma esperança viva,
para uma herança incorruptível,
que não se mancha nem murcha,
e que é reservada para vós nos céus.
Graças à fé, e pelo poder de Deus,
vós fostes guardados para a salvação
que deve manifestar-se nos últimos tempos.
Isto é motivo de alegria para vós, embora seja
necessário que agora fiqueis por algum tempo aflitos,
por causa de várias provações.
Deste modo, a vossa fé será provada como sendo
verdadeira – mais preciosa que o ouro perecível,
que é provado no fogo –
e alcançará louvor, honra e glória
no dia da manifestação de Jesus Cristo.
Sem ter visto o Senhor, vós o amais.
Sem o ver ainda, nele acreditais.
Isso será para vós fonte de alegria indizível e
gloriosa,
pois obtereis aquilo em que acreditais:
a vossa salvação.
Palavra do Senhor
SEQUÊNCIA DE PÁSCOA
Se os participantes desejarem, pode-se recitar a Sequência de Páscoa. Todo ficam em pé.

À Vítima pascal
Ofereçam os cristãos
sacrifícios de louvor
O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo, o Inocente,
reconciliou com o Pai os pecadores.
A morte e a vida
travaram um admirável combate:
depois de morto,
vive e reina o Autor da vida.
Diz-nos, Maria:
Que viste no caminho?
Vi o sepulcro de Cristo vivo,
e a glória do ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
vi o sudário e a mortalha.
Ressuscitou Cristo, minha esperança:
precederá os seus discípulos na Galileia.
Sabemos e acreditamos:
Cristo ressuscitou dos mortos:
Ó Rei vitorioso,
tende piedade de nós.

EVANGELHO

Para aclamar o Evangelho, cantamos o Aleluia triunfal:

R/ Aleluia, aleluia, aleluia.
Este é o dia do triunfo do Senhor,
dia de alegria e júbilo.
R/ Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho segundo São João (20, 19-31)

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana,
estando fechadas, por medo dos judeus,
as portas do lugar onde os discípulos se encontravam,
Jesus entrou e pondo-se no meio deles,
disse: ‘A paz esteja convosco’.
Depois destas palavras,
mostrou-lhes as mãos e o lado.
Então os discípulos se alegraram
por verem o Senhor.
Novamente, Jesus disse: ‘A paz esteja convosco.
Como o Pai me enviou, também eu vos envio’.
E depois de ter dito isto,
soprou sobre eles e disse: ‘Recebei o Espírito Santo.
A quem perdoardes os pecados
eles lhes serão perdoados;
a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos’.
Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze,
não estava com eles quando Jesus veio.
Os outros discípulos contaram-lhe depois:
‘Vimos o Senhor!’. Mas Tomé disse-lhes:
‘Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos,
se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos
e não puser a mão no seu lado, não acreditarei’.
Oito dias depois, encontravam-se os discípulos
novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles.
Estando fechadas as portas, Jesus entrou,
pôs-se no meio deles e disse: ‘A paz esteja convosco’.
Depois disse a Tomé:
‘Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos.
Estende a tua mão e coloca-a no meu lado.
E não sejas incrédulo, mas fiel’.
Tomé respondeu: ‘Meu Senhor e meu Deus!’
Jesus lhe disse: ‘Acreditaste, porque me viste?
Bem-aventurados os que creram sem terem visto!’
Jesus realizou muitos outros sinais
diante dos discípulos,
que não estão escritos neste livro.
Mas estes foram escritos para que acrediteis que
Jesus é o Cristo, o Filho de Deus,
e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.
Palavra da Salvação.

Todos aclamam:

Aleluia, aleluia, aleluia.

Todos se sentam. O condutor volta a ler lentamente, como se fosse um eco distante:

“A misericórdia do Senhor é eterna”

Permanecemos três minutos em silêncio para meditar. Em seguida, todos se levantam e professam a fé da Igreja, recitando o símbolo dos apóstolos.

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
criador do céu e da terra.
E em Jesus Cristo, seu único Filho Nosso Senhor,
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo,
nasceu da Virgem Maria , padeceu sob Pôncio Pilatos,
foi crucificado, morto e sepultado,
desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia,
subiu aos Céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso,
donde há de vir a julgar os vivos e mortos.
Creio no Espírito Santo. Na Santa Igreja Católica,
na comunhão dos santos, na remissão dos pecados,
na ressurreição da carne, na vida eterna.
Amém.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL

Continuamos de pé. Os presentes podem pronunciar as intenções de oração que prepararam ou as que apresentamos aqui. Deixa-se um momento de silêncio entre cada intenção.

Irmãs e irmãos: Nestes dias santíssimos da Páscoa, elevemos a nossa oração ao Pai celeste pela Igreja e pelo mundo, dizendo (ou: cantando), com toda a confiança:

Para que os bispos, os presbíteros e os diáconos da Igreja sirvam os crentes e os que procuram a Cristo, ensinando, perdoando e dando a paz, oremos.

R/. Pela ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.

Para que os responsáveis no governo das nações trabalhem, sem perderem a coragem, pelos mais pobres e por maior justiça, oremos.

R/. Pela ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.

Para que os idosos e os doentes sem esperança encontrem a seu lado quem os ame e lhes dê a conhecer o Evangelho, oremos.

R/. Pela ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.

Para que Jesus, que esteve morto, mas está vivo, e tem as chaves da morte e do abismo, ilumine os corações dos que não crêem, oremos.

R/. Pela ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.

Para que a nossa comunidade aqui reunida acolha a salvação que Deus lhe dá e se deixe renovar por Jesus Cristo, oremos.

R/. Pela ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.

Senhor, nosso Deus e nosso Pai, fazei que o Espírito de Cristo ressuscitado nos revele a plenitude da sua Páscoa e inspire os nossos gestos e palavras, para sermos suas testemunhas. Ele que vive e reina por todos os séculos dos séculos.

R/. Amém

Permanecemos alguns minutos em silêncio em meditação pessoal.

 

PAI NOSSO

O condutor da celebração introduz o Pai Nosso

Unidos no Espírito e na comunhão da Igreja,
fiéis à recomendação do Salvador,
ousamos dizer:

Reza-se o Pai Nosso

Pai Nosso que estais nos Céus,
santificado seja o vosso Nome,
venha a nós o vosso Reino,
seja feita a vossa vontade
assim na terra como no Céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do Mal.

E imediatamente todos prosseguem proclamando: 

Teu é o reino, o poder e a glória para sempre, Senhor.

O condutor segue dizendo: 

Acabamos de juntar nossa voz
à do Senhor Jesus para rezar ao Pai.
Nós somos filhos no Filho.
Na caridade que nos une,
renovados pela Palavra de Deus,
podemos trocar um gesto de paz,
sinal de comunhão
que recebemos do Senhor.

Faz-se o gesto da paz.

Sentamo-nos.

 

COMUNHÃO ESPIRITUAL

O condutor diz:

Como não podemos receber a comunhão sacramental, o Papa Francisco nos convida urgentemente a realizar a comunhão espiritual, também chamada de “comunhão do desejo”. O Concílio de Trento nos lembra que “trata-se de um desejo ardente de alimentar-se deste pão celestial, unidos a uma fé viva que trabalha pela caridade, e isso nos torna participantes dos frutos e graças do Sacramento”. O valor da nossa comunhão espiritual portanto, depende da nossa fé na presença de Cristo na Eucaristia, como fonte de vida, amor e unidade, e de nosso desejo de receber a Comunhão, apesar de tudo.

Com esta disposição, convido-vos a reclinar a cabeça, fechar os olhos e viver um momento de recolhimento.

Pausa em silêncio

No mais profundo de nossos corações
deixemos crescer o desejo ardente de nos unirmos a Jesus,
em comunhão sacramental,
e de fazer que seu amor se faça vivo em nossas vidas,
amando nossos irmãos e irmãs como Ele nos amou.

Permanecemos cinco minutos em silêncio em um diálogo de coração a coração com Jesus Cristo. Podemos elevar um canto de ação de graças. Colocamo-nos de pé, e todos juntos pronunciam esta oração:

Concedei, Deus todo-poderoso, que a força do sacramento pascal que recebemos permaneça sempre em nossas almas. Por Nosso Senhor. Amém

 

ORAÇÃO DE BÊNÇÃO

Todos juntos olhando para a cruz pedem a bênção do Senhor: o condutor da Celebração, com as mãos juntas, pronuncia a fórmula da bênção:

Deus Pai, que pela ressurreição do seu Filho Único
nos deu a graça da redenção e nos adotou como filhos e filhas,
nos conceda a alegria de sua bênção.
R. Amém.

Cristo, que por sua redenção obteve para nós a perfeita liberdade,
conceda-nos participar da herança eterna.
R. Amém.

E que, ressuscitados com Ele no batismo pela fé,
através de uma vida santa
possamos chegar à pátria celestial.
R. Amém.

Todos juntos, com as mãos unidas, dizem:

A graça de Deus desça sobre nós e permaneça para sempre. Amém.

Amém.

Todos fazem o sinal da cruz.
Os pais podem fazer o sinal da cruz na testa dos filhos pequenos.
É possível concluir a celebração elevando um cântico à Virgem Maria, por exemplo, o : Regina caeli”.

Regina caeli, laetare, alleluia,
quia quem meruisti portare, alleluia,
resurrexit sicut dixit, alleluia;
ora pro nobis Deum, alleluia.

Rainha do Céu, alegrai-vos, Aleluia!
Porque Aquele que merecestes trazer em Vosso ventre, Aleluia!
Ressuscitou como disse, Aleluia!
Rogai por nós a Deus, Aleluia!

Boletim
Receba Aleteia todo dia