Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Janeiro |
Conversão de São Paulo
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

De uma paciente terminal para uma enfermeira: "Eu cuidarei de você por tudo o que fez"

WOMAN, MEDICAL MASK,

Petr Pohudka | Shutterstock

Silvia Lucchetti - publicado em 22/04/20

Enfermeira descreveu, em carta, como é o trabalho ao lado dos pacientes com Covid-19 - um retrato do sofrimento que está acometendo as UTI's do mundo todo

O prefeito de Volvera, uma pequena cidade no norte da Itália, publicou a comovente carta escrita por uma enfermeira de um hospital local.  “Não quero descrever o que a mídia está transmitindo: números, estatísticas, decretos e proibições”, diz a carta “Gostaria de [compartilhar como é estar] ao lado de pacientes positivos para COVID…  O COVID é muito mais que um vírus desonesto.”

O testemunho é um retrato do que está acontecendo nas unidades de terapia intensiva de hospitais em todo o mundo. Acima de tudo, a tragédia da doença  une pacientes, familiares e profissionais de saúde em uma experiência de extremo sofrimento. E esse tipo de testemunho traz luz e esperança.

Nos hospitais, onde o espectro da morte paira como uma ameaça sempre presente, a batalha implacável não é apenas para salvar vidas, mas também pela causa igualmente difícil, mas menos visível, de defender a dignidade dos seres humanos que ali estão.

A COVID-19 tem o poder de fazer com que os doentes se sintam reduzidos a apenas seus corpos, aos quais as pessoas podem conectar mecanicamente fios e tubos. Eles se vêem em uma situação que parece condenar seus parentes à culpa excruciante de estar ausentes no momento sagrado da morte de seu ente querido.

Às vezes, as circunstâncias parecem endurecer o coração daqueles que lutam para curá-los, pois médicos e enfermeiros são forçados a evitar buscar os olhos daqueles de quem tratam, a fim de sustentar o enorme esforço para o qual são chamados.

Uma vídeo chamada para dizer adeus

Todo esse sofrimento é descrito na carta compartilhada pela enfermeira. A carta  fala de uma mãe de quatro filhos que procura desesperadamente olhar a enfermeira nos olhos, para amolecer seu coração apelando à sua maternidade comum, implorando para ser reconhecida como uma pessoa, mesmo que esteja morrendo. Ela descreve um telefonema para os quatro filhos da paciente, durante os quais o médico informa a paciente e seus entes queridos sobre seu grave prognóstico.

A enfermeira, diante desse desespero, usa seu próprio smartphone para fazer uma chamada de vídeo para que a paciente possa se despedir da família. Eles se vêem pela última vez, com lágrimas nos olhos e palavras de amor infinito.

Então, a enfermeira que escreveu a carta diz: “O paciente morre. Você decide sair e deixar o resto para seus colegas. E você vê que, conforme os procedimentos exigem, eles a pulverizam com desinfetante, envolvem-na em um lençol e a levam para o necrotério. Sozinha … sozinha … seus pertences pessoais, reunidos em uma bolsa preta serão incinerados.”

“Obrigado, cuidarei de você por tudo o que fez.”

Quando o carro fúnebre carregando o caixão vira à esquerda e o carro do único filho do paciente que estava presente no necrotério vira à direita, tudo parece perdido e sem sentido. O vírus triunfou, destruiu outra vida. No entanto, não conseguiu esvaziar esta morte de profundo significado.

Um legado precioso permanece para aqueles que continuam vivendo. A enfermeira conta: “[O paciente] pega sua mão e diz: ‘Obrigado. Eu cuidarei de você por tudo o que fez’. E você acha difícil não chorar”.

Essas palavras ressoam com bênção e esperança para todos, crentes e não crentes. Diante dessa imensa tragédia, a única salvação está em nossa humanidade, no dom de reconhecer nos olhos dos outros – na alegria, mas ainda mais na dor – uma alma como a nossa.

Aqui está o post do prefeito, Ivan Marusich, que reproduz na íntegra a carta da enfermeira:

“Nestes tempos difíceis, vamos lembrar quem somos e a imutável dignidade humana de cada um de nós. Somos filhos de Deus, irmãos e irmãs em Cristo. Mesmo as indignidades e desumanidades de uma pandemia não podem mudar isso. Não vamos esquecer de procurar o rosto de Cristo um no outro.”

Tags:
CoronavírushospitalPandemia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
2
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
3
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
4
FAMILY PRAY
Philip Kosloski
Oração para manter as crianças longe do perigo
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
7
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia