Aleteia

Quando Santa Dulce dos Pobres arrombou 5 casas velhas para alojar doentes

Irmã Dulce
Redes Sociais / Reprodução
Compartilhar

“Olhe, doutor, enquanto o senhor não me arranjar um lugar onde botar os doentes, eu vou fazer isso mesmo. Onde eu encontrar uma casa velha, eu arrombo!”

O pe. Gabriel Vila Verde compartilhou em seu Facebook um trecho curioso da biografia “Irmã Dulce, a Santa dos Pobres“, escrita por Graciliano Rocha:

No início da missão de Santa Dulce junto aos pobres, ela foi reprovada por ter arrombado cinco casas velhas, para colocar seus doentes. O diretor do Centro de Saúde da Bahia fez uma intimação, dizendo:

– Olha, Irmã Dulce, o que a senhora está fazendo… Está arrombando casa dos outros e botando doentes…

Ela respondeu:

– Olhe doutor, enquanto o senhor não me arranjar um lugar onde botar os doentes, eu vou fazer isso mesmo. Não vou negar ao senhor, não. Onde eu encontrar uma casa velha, eu arrombo!

– A senhora está doida!

– Não, não tô não!

O diretor saiu para verificar as casas, e encontrou diversos doentes em estado terminal, mas todos bem cuidados, com roupas e alimentos. A situação era tão comovente que o rapaz saiu calado. Minutos depois, dois funcionários do Centro de Saúde chegavam ao local, com biscoitos, leite e doces para os doentes. Quem havia mandado? O próprio diretor do Centro.

Bendita seja a teimosia dos Santos!

(Do livro: “Irmã Dulce, a Santa dos Pobres”, de Graciliano Rocha)

Boletim
Receba Aleteia todo dia