Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pandemia: seminarista que era médico volta ao hospital para ajudar doentes

Compartilhar

Os superiores enviaram os seminaristas para suas casas quando o governo decretou a quarentena, mas ele pediu ao reitor que lhe abrisse uma exceção

Era 15 de março quando o governo da Espanha decretou estado de alarme devido à pandemia. Os aspirantes ao sacerdócio que estudavam no seminário San Fulgencio, na diocese de Cartagena, foram enviados pelos superiores, provisoriamente, para as casas de suas famílias. Nesse contexto, o seminarista Abraham Martínez Moratón, que era médico antes de iniciar sua formação sacerdotal, pediu ao reitor que lhe abrisse uma exceção: em vez de ir para casa, ele queria permissão para voltar a trabalhar no hospital atendendo doentes de covid-19.

Permissão obtida, Abraham se colocou à disposição de seus antigos chefes no Hospital Reina Sofía e começou a trabalhar ainda em 16 de março.

Desde então, além de trabalhar diretamente com os enfermos, ele tem conciliado os estudos de teologia com as revisões de medicina mais relacionadas com a covid-19. Junto com o trabalho e os estudos, os vínculos de amizade e cooperação se fortaleceram: Abraham reencontrou antigos companheiros, que se surpreenderam com o seu retorno nestas circunstâncias, e acrescenta que foi um “grande presente” conhecer todos os demais colaboradores do hospital e fazer com eles “um trabalho em equipe muito bom”.

“Foi uma bênção ir todos os dias trabalhar e, pela estrada de Alicante, ver o Cristo de Monteagudo. E é uma santificação dia a dia ver a face de Cristo nos pacientes e rezar mais por eles. Quero ser discípulo de Jesus. Ele é que é o médico dos corpos e das almas”.

Especializado em Medicina Familiar e Comunitária, o seminarista vê a relação profunda entre a medicina do corpo e a sua vocação também de médico da alma, mas confessa que, no início, tentou se esquivar do chamado de Deus:

“Eu dizia para Deus: se já estou te ajudando na medicina, para que mais? Mas também é verdade que eu sempre dizia a Ele, e continuo dizendo, que seja feito o que Ele quiser para mim. Ele me deu muitas pistas e me dizia em alto e bom som, com sinais luminosos, que o meu caminho era o seminário. Então eu fui me aprofundando e me apaixonando tanto que tive que dizer: ’tá bom’, Senhor, Tu conquistaste o meu coração; eu não me sinto digno desse caminho, mas, se é o que Tu queres…”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia