Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 06 Março |
Bem-aventurada Rosa de Viterbo
home iconEstilo de vida
line break icon

Até que ponto a internet substituiu a vida de verdade?

Juan M. Otero - publicado em 04/05/20

A internet e as ferramentas digitais têm nos ajudado muito durante a pandemia e o confinamento

Um amigo, que conhece minha visão um tanto crítica da internet e das tecnologias digitais, me perguntou outro dia, com um pouco de ironia:

– Agora que estamos confinados, você deixou de lado suas críticas e se tornou um grande amigo da tecnologia?

A pergunta é muito oportuna: não há dúvida de que, graças à internet, conseguimos lidar muito melhor com os desafios do confinamento.

Graças à internet, conseguimos manter nossos relacionamentos pessoais por meio de todos os tipos de ferramentas fabulosas (WhatsApp, Zoom, Hangouts e tantas outras), compartilhando alegrias, tristezas, medos e esperanças.

Graças à tecnologia digital, muitos de nós pudemos continuar trabalhando.

Graças ao YouTube, muitas pessoas conseguiram manter sua prática religiosa, assistindo a transmissões de cerimônias religiosas na Praça de São Pedro, Fátima ou Medjugorje. Outros – através do Zoom ou de outras ferramentas – rezaram o rosário em família ou comunidade.

Graças às plataformas da internet, como Netflix ou HBO, na ausência de opções de lazer fora de casa, pudemos desfrutar de filmes ou séries divertidos.

Graças aos sites de compras, conseguimos adquirir muitas coisas sem sair de casa ou nos colocar em risco.

Conheço pessoas que têm se divertido juntas através de diferentes plataformas, organizando competições de karaokê.

E a lista poderia continuar.

Em suma, graças à internet e algumas de suas ferramentas fantásticas, hoje em dia conseguimos continuar cultivando e desenvolvendo o mais valioso de nossa humanidade.

Em vista de tudo isso, o que eu deveria responder ao meu amigo? Minha visão da internet e da tecnologia melhorou? Bem, a resposta é… sim e não.

Em parte, melhorou, por um motivo. Forçados a usar a tecnologia para nos relacionar, tivemos que fazer um esforço de alfabetização digital e originalidade, para explorar como podemos usar nossas ferramentas digitais a serviço do contato pessoal com outras pessoas.

Penso que nessas semanas de confinamento usamos a tecnologia digital muito melhor do que costumamos fazer, colocando-a a serviço de nossos relacionamentos pessoais e eficiência no trabalho.

Agora, como sou um pouco teimoso, minha visão da Internet permaneceu um pouco cética. Na verdade, acho que a quarentena ajudou a aquietar um pouco o entusiasmo de muitos tecnófilos.

Depois de várias semanas reduzindo nossos relacionamentos e experiências àqueles que podemos ter por meio de uma tela, ficou claro que eles não podem ser comparados a relacionamentos e experiências face a face, carne e sangue.

Estamos todos ansiosos para sair para passear, abraçar um amigo, compartilhar um lanche com os avós, olhar uma bela paisagem ao cair da noite. Até os estudantes – quem poderia imaginar – sentem falta da escola. E os professores sentem falta dos alunos.

Penso que essas semanas em casa nos mostraram que muitos dos relacionamentos e experiências que podemos ter pela Internet se tornam apenas um substituto do contato pessoal.

Como não posso abraçar meu filho, envio-lhe um WhatsApp. Como não posso ir ver minha avó, ligo para ela no Skype. Como não posso assistir a uma aula, assisto a uma conferência no YouTube. Se não posso caminhar na praia, assisto a um documentário sobre o tema.

O fato de termos esses substitutos é fantástico, pois isso nos permite substituir a realidade presencial quando isso é necessário.

Minha preocupação com a tecnologia digital é que ela nos oferece substitutos tão atraentes e maravilhosos que, encantados com eles, em circunstâncias menos extraordinárias do que hoje, podemos esquecer que as experiências cara a cara são ainda melhores. O brilho do substituto pode acabar eclipsando a realidade que ele pretende reforçar ou complementar.

Essa quarentena, em certa medida, abriu meus olhos para as maravilhas da tecnologia e da internet. Mas, acima de tudo, confirmou a suspeita de que a vida presencial é muito mais maravilhosa.

Tags:
CoronavírusInternettecnologiaTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
4
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
Quantos anos tinha São José quando Jesus nasceu?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia