Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

'Megaquarentena' muda face de Santiago após aumento abrupto de casos de COVID-19

BARCELONA

Shutterstock | Mironov Vladimir

Agências de Notícias - publicado em 17/05/20

A medida drástica foi adotada na semana em que os casos de coronavírus dispararam, dobrando em dez dias, totalizando neste sábado 41.428 contagiados

Com ruas quase vazias e maior controle, Santiago começou a viver neste sábado (16) uma “megaquarentena” imposta após um abrupto aumento de casos e mortes do novo coronavírus na última semana, que mudou drasticamente o panorama na capital chilena.

Segundo as autoridades, que há dois meses vinham evitando confinar completamente a cidade, as atividades normais para uma manhã de sábado diminuíram em 85% na metrópole de sete milhões de habitantes.

“Temos quarteirões e mais quarteirões completamente vazios e a gente entende que este é um bom começo”, disse à imprensa o ministro da Saúde, Jaime Mañalich, no aeroporto de Santiago, após fazer um sobrevoo por todas as comunas da cidade, postas em confinamento obrigatório desde as 22h locais de sexta-feira.

A medida drástica foi adotada na semana em que os casos de coronavírus dispararam, dobrando em dez dias, totalizando neste sábado 41.428 contagiados. Nas últimas 24 horas morreram sete pessoas, elevando o total de vítimas fatais a 421.

O panorama é especialmente preocupante em Santiago, pois 80% dos contagiados no Chile estão na capital, onde a ocupação de leitos nos serviços de urgência estava em críticos 90%.

Três pacientes graves foram transferidos durante o dia para a cidade de Concepción (450 km ao sul de Santiago) para abrir espaço nas unidades de tratamento intensivo da capital chilena, onde se esperam dias críticos nas próximas semanas.

Embora a taxa de letalidade (número de falecidos com relação ao total de casos) no Chile seja baixa, com o aumento explosivo dos contágios – até esta semana não passavam dos 1.000 por dia e na quarta-feira superaram os 2.600 -, as autoridades esperam que ela também suba.

“Estamos mantendo a taxa de letalidade perto de 1%, mas ao ver uma quantidade maior de contagiados, obviamente a quantidade de falecidos aumenta”, disse neste sábado Arturo Zúñiga, vice-secretário de redes de assistência do ministério da Saúde.

– “Pouquinha gente nas ruas”-

Nas principais ruas de Santiago não se viam quase pessoas caminhando neste sábado. Na Alameda, a principal avenida do centro da cidade, alguns carros particulares e ônibus do transporte público circulavam, todos quase vazios. Havia também pouquíssimos pedestres, constatou a AFP.

“Os começos são sempre muito enérgicos, com muito senso de responsabilidade, mas de modo geral considero que está muito bem, melhor do que poderia esperar. Vi pouquinha gente” nas ruas, disse à AFP Carlos, taxista de 57 anos.

Em várias comunas, viam-se muitas motocicletas de serviços de entrega autorizados a circular durante a quarentena e algumas pessoas passeavam timidamente com seus animais de estimação durante os 30 minutos permitidos pelo confinamento.

Pequenos comércios permaneciam abertos, assim como os supermercados, onde a entrada era controlada.

Em grandes mercados atacadistas como La Vega e Lo Valledor, onde normalmente há grandes aglomerações, havia muito menos gente após um maior controle policial nos acessos do que nos dias anteriores.

Maior efetivo policial e militar – foram mobilizados 14.000 homens – controlavam o tráfego e supervisionavam as permissões com as quais é possível circular durante a quarentena.

O panorama é muito diferente do que o registrado há poucos dias. O Chile tinha optado até agora por uma estratégia de quarentenas “dinâmicas” ou parciais, que em alguns casos abrangiam apenas partes de algumas comunas e em Santiago muitas pessoas haviam encontrado formas de evitar as restrições e conseguiam também se movimentar pela cidade.

“Sob o meu ponto de vista, a população tem agido de forma responsável”, disse à AFP Valentín Vera, engenheiro civil que se deslocava de bicicleta para evitar o contágio do coronavírus.

“Mas na última semana, vimos disparar o número de contágios e não é a norma. Por isso, a autoridade nacional teve que tomar esta medida (do confinamento total)”, emendou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
CHILE
Reportagem local
Duas igrejas são incendiadas durante protesto...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia