Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Por que a mentira é tão grave?

FORMAT

Georgejmclittle - Shutterstock

Reportagem local - publicado em 17/05/20

O Senhor considera a mentira uma obra do Demônio: «Vós tendes por pai o diabo, [... ] nele não há verdade; quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44)

O Catecismo da Igreja ensina que os 10 Mandamentos enunciam obrigações graves.

«Que devo fazer de bom para ter a vida eterna;  – Se queres entrar na vida, observa os mandamentos» (Mt 19, 16-17).

Ninguém pode dispensar-se das obrigações dos 10 Mandamentos, pois eles foram gravados por Deus no coração do ser humano e tratam de deveres essenciais.

A mentira

O Mandamento relacionado à mentira é o Oitavo Mandamento.

Ele diz: «Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo» (Ex 20, 16).

O oitavo mandamento proíbe falsificar a verdade nas relações com outra pessoa.

As ofensas à verdade exprimem, por palavras ou por atos, a recusa em empenhar-se na retidão moral: são infidelidades graves para com Deus e, nesse sentido, minam os alicerces da Aliança.

A verdade ou veracidade é a virtude que consiste em mostrar-se verdadeiro nos atos e em dizer a verdade nas palavras, evitando a duplicidade, a simulação e a hipocrisia.

Diante de Pilatos, o próprio Cristo proclama que «veio ao mundo para dar testemunho da verdade». Isso já deveria bastar para nos dar a dimensão da importância de só dizer a verdade e nunca mentir.

Ofensas à verdade

Um tipo de ofensa à verdade é o falso testemunho e perjúrio. Trata-se de uma afirmação contrária à verdade feita publicamente. É um tipo de mentira que reveste-se de gravidade particular – perante um tribunal, é um falso testemunho; quando mantida sob juramento, é um perjúrio.

Estes modos de agir contribuem quer para condenar um inocente, quer para absolver um culpado ou aumentar a pena em que tiver incorrido o acusado. E comprometem gravemente o exercício da justiça e a equidade da sentença pronunciada pelos juízes.

No contexto das redes sociais, esse tipo de mentira – difundir fake news – serve para destruir a imagem de uma pessoa usando a internet.

Nesse sentido, somam-se ao falso testemunho a maledicência e a calúnia, que destroem a reputação e a honra do próximo.

A honra é o testemunho social prestado à dignidade humana e todos gozam do direito natural à honra do seu nome, à boa reputação e ao respeito. Por isso, a maledicência e a calúnia lesam as virtudes da justiça e da caridade.

A gravidade mentira

Chegamos assim ao núcleo da mentira.

A mentira consiste em dizer o que é falso com a intenção de enganar.

O Senhor considera a mentira uma obra do Demônio: «Vós tendes por pai o diabo, [… ] nele não há verdade; quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44).

A mentira é a ofensa mais direta à verdade. Mentir é falar ou agir contrariamente à verdade, para induzir em erro. Lesando a relação do homem com a verdade e com o próximo, a mentira ofende a relação fundamental do homem e da sua palavra com o Senhor.

A gravidade da mentira mede-se pela natureza da verdade que ela deforma, atendendo às circunstâncias, às intenções de quem a comete e aos danos causados àqueles que são suas vítimas.

Quando se torna pecado mortal

Embora a mentira, em si, não constitua mais que um pecado venial, torna-se pecado mortal quando lesa gravemente as virtudes da justiça e da caridade.

O propósito deliberado de induzir o próximo em erro, por meio de afirmações contrárias à verdade constitui uma falta contra justiça e contra a caridade. A culpabilidade é maior quando a intenção de enganar pode ter consequências funestas para aqueles que são desviados da verdade.

A mentira (porque é uma violação da virtude da veracidade) é uma autêntica violência feita a outrem. Este é atingido na sua capacidade de conhecer, a qual é condição de todo o juízo e de toda a decisão.

A mentira contém em gérmen a divisão dos espíritos e todos os males que a mesma suscita. É funesta para toda a sociedade: destrói pela base a confiança entre os homens e retalha o tecido das relações sociais.

(Cf. CIC 2464 a 2487)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
mentiraPecadoVerdadeVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia