Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a mentira é tão grave?

FORMAT
Georgejmclittle - Shutterstock
Compartilhar

O Senhor considera a mentira uma obra do Demônio: «Vós tendes por pai o diabo, [… ] nele não há verdade; quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44)

O Catecismo da Igreja ensina que os 10 Mandamentos enunciam obrigações graves.

«Que devo fazer de bom para ter a vida eterna;  – Se queres entrar na vida, observa os mandamentos» (Mt 19, 16-17).

Ninguém pode dispensar-se das obrigações dos 10 Mandamentos, pois eles foram gravados por Deus no coração do ser humano e tratam de deveres essenciais.

A mentira

O Mandamento relacionado à mentira é o Oitavo Mandamento.

Ele diz: «Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo» (Ex 20, 16).

O oitavo mandamento proíbe falsificar a verdade nas relações com outra pessoa.

As ofensas à verdade exprimem, por palavras ou por atos, a recusa em empenhar-se na retidão moral: são infidelidades graves para com Deus e, nesse sentido, minam os alicerces da Aliança.

A verdade ou veracidade é a virtude que consiste em mostrar-se verdadeiro nos atos e em dizer a verdade nas palavras, evitando a duplicidade, a simulação e a hipocrisia.

Diante de Pilatos, o próprio Cristo proclama que «veio ao mundo para dar testemunho da verdade». Isso já deveria bastar para nos dar a dimensão da importância de só dizer a verdade e nunca mentir.

Ofensas à verdade

Um tipo de ofensa à verdade é o falso testemunho e perjúrio. Trata-se de uma afirmação contrária à verdade feita publicamente. É um tipo de mentira que reveste-se de gravidade particular – perante um tribunal, é um falso testemunho; quando mantida sob juramento, é um perjúrio.

Estes modos de agir contribuem quer para condenar um inocente, quer para absolver um culpado ou aumentar a pena em que tiver incorrido o acusado. E comprometem gravemente o exercício da justiça e a equidade da sentença pronunciada pelos juízes.

No contexto das redes sociais, esse tipo de mentira – difundir fake news – serve para destruir a imagem de uma pessoa usando a internet.

Nesse sentido, somam-se ao falso testemunho a maledicência e a calúnia, que destroem a reputação e a honra do próximo.

A honra é o testemunho social prestado à dignidade humana e todos gozam do direito natural à honra do seu nome, à boa reputação e ao respeito. Por isso, a maledicência e a calúnia lesam as virtudes da justiça e da caridade.

A gravidade mentira

Chegamos assim ao núcleo da mentira.

A mentira consiste em dizer o que é falso com a intenção de enganar.

O Senhor considera a mentira uma obra do Demônio: «Vós tendes por pai o diabo, [… ] nele não há verdade; quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44).

A mentira é a ofensa mais direta à verdade. Mentir é falar ou agir contrariamente à verdade, para induzir em erro. Lesando a relação do homem com a verdade e com o próximo, a mentira ofende a relação fundamental do homem e da sua palavra com o Senhor.

A gravidade da mentira mede-se pela natureza da verdade que ela deforma, atendendo às circunstâncias, às intenções de quem a comete e aos danos causados àqueles que são suas vítimas.

Quando se torna pecado mortal

Embora a mentira, em si, não constitua mais que um pecado venial, torna-se pecado mortal quando lesa gravemente as virtudes da justiça e da caridade.

O propósito deliberado de induzir o próximo em erro, por meio de afirmações contrárias à verdade constitui uma falta contra justiça e contra a caridade. A culpabilidade é maior quando a intenção de enganar pode ter consequências funestas para aqueles que são desviados da verdade.

A mentira (porque é uma violação da virtude da veracidade) é uma autêntica violência feita a outrem. Este é atingido na sua capacidade de conhecer, a qual é condição de todo o juízo e de toda a decisão.

A mentira contém em gérmen a divisão dos espíritos e todos os males que a mesma suscita. É funesta para toda a sociedade: destrói pela base a confiança entre os homens e retalha o tecido das relações sociais.

(Cf. CIC 2464 a 2487)

Boletim
Receba Aleteia todo dia