Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Religião

“Fora da Igreja não há salvação”

KOŚCIÓŁ

Mateus Campos Felipie/Unsplash | CC0

Vanderlei de Lima - publicado em 18/05/20

Para entender a contento essa questão de fé, convém analisar a sua interpretação ao longo da história

A expressão “Fora da Igreja não há salvação” aparece nos escritos de São Cipriano de Cartago († 258), na obra Sobre a unidade da Igreja (n. 6 e 14), e nas Cartas 141,5; 185,42 e 50, de Santo Agostinho de Hipona († 430). A Igreja fez sua essa afirmação, de modo especial nos Concílios de Latrão IV (1215), Florença (1438-45) e Vaticano II (1962-65). 

Este último afirma textualmente: “O santo Concílio ‘ensina, apoiado na Sagrada Escritura e na Tradição, que esta Igreja, peregrina na terra, é necessária à salvação. De fato, só Cristo é mediador e caminho de salvação. Ora, Ele se torna-nos presente no seu Corpo, que é a Igreja. Ao afirmar-nos expressamente a necessidade da fé e do Batismo, Cristo confirma-nos, ao mesmo tempo, a necessidade da própria Igreja, na qual os homens entram pela porta do Batismo. É por isso que não se podem salvar aqueles que, não ignorando que Deus, por Jesus Cristo, fundou a Igreja Católica como necessária, se recusam a entrar nela ou a nela perseverar” (Lumen Gentium, 14). Tal afirmação “formulada de modo positivo, significa que toda a salvação vem de Cristo-Cabeça pela Igreja que é o seu Corpo” (Catecismo da Igreja Católica n. 846), nunca de outra fonte. 

Para entender a contento essa questão de fé, convém analisar a sua interpretação ao longo da história. Os Padres da Igreja (homens que não necessariamente eram sacerdotes, mas recebem essa designação (Padres = Pais) por terem colaborado muito na formulação da reta fé) tinham em mente a condenação eterna dos que se afastavam da Igreja (apóstatas) e caíam no cisma (separação da Igreja sem negar verdades de fé) ou na heresia (afastamento da Igreja por negar verdades de fé). Tal interpretação se estendeu pela Idade Média e passou a incluir entre os condenados ao suplício eterno os pagãos, judeus e muçulmanos. Todavia, no próprio período medieval, alguns teólogos passaram a distinguir – sabiamente – entre incredulidade culpada e não culpada. Enquanto os primeiros, ao que tudo indica, se perderiam, os não culpados se salvariam, ainda que para isso Deus precisasse intervir milagrosamente.

Do século XVI em diante, ante a descoberta de povos não católicos nas Américas e na Ásia, a interpretação do dogma foi repensada: toda essa gente se perderia ou se salvaria por sucessivos milagres divinos? – Ora, o jesuíta São Roberto Belarmino, na obra De controversiis Liber III; De Ecclesia Militante, cap. 3, deu a entender que há duas formas de pertencer à Igreja: a visível (dos batizados) e a invisível (dos não batizados, mas de consciência reta). No século XVII, o pensamento dos Padres da Igreja sobre o Batismo de desejo – ou seja, se alguém se prepara para o Batismo, mas falece antes, morre já como cristão graças ao seu desejo de ser batizado – foi retomado com ênfase e ampliado para as modalidades de desejo explícito e implícito. O primeiro caso (explícito) é a doutrina clássica dos Santos Padres e o segundo (implícito) surge naquele século e se concretiza no teor de vida moralmente reto de alguém que, sem culpa própria, desconhece a fé católica (Suarez. De Fide teológica. Disputatio XII, 4,22).

O tema voltou na Encíclica Mystici corporis, de Pio XII, em 1943, mas foi melhor explicitado numa Carta do Santo Ofício ao Cardeal Cushing, arcebispo de Boston, em 08/08/1949, e, mais especialmente, no Concílio Vaticano II. Este reafirma, em suma, o seguinte: a única e verdadeira Igreja de Cristo subsiste, integralmente, na Católica Apostólica Romana. Portanto, quem a recusa, conscientemente, coloca em seriíssimo risco a sua salvação eterna (cf. Lumen Gentium 8 e 14; Dignitatis Humanae 1); no entanto, Deus leva em consideração a pureza de vida daqueles que desconhecem a Igreja ou, sem culpa própria, a conhecem de modo errôneo (cf. Lumen Gentium, 16).

Essas colocações rejeitam tanto o relativismo (“Todas as religiões são iguais”) quanto o rigorismo (“só se salva quem pertence visivelmente à Igreja”), mas nos leva a adorar os imperscrutáveis desígnios de Deus a nosso respeito e a afirmar que “Fora da Igreja não há salvação”. Quem se salva, salva-se por Cristo em sua Igreja; pertence a Ela de algum modo: visível ou invisível.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaIgreja Católica
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia