Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como superar as frustrações após um período difícil na vida

FACE MASK
Compartilhar

O isolamento social tem sido muito difícil, mas a reabertura também traz seus desafios

O isolamento social necessário como medida preventiva para diminuir a taxa de contágio do coronavírus criou inúmeras fontes de frustração.

O processo gradual de reabertura da vida pública, que ocorre em velocidades diferentes em lugares distintos, alivia algumas fontes de estresse ao mesmo tempo que cria outras.

  • Meia hora de espera para entrar em uma loja por causa da limitação no número de pessoas autorizadas a entrar: frustração.
  • É impossível visitar pais e amigos, porque eles vivem num local onde as regras são diferentes das da nossa cidade: frustração.
  • Você não pode sequer estar presente ao funeral de um conhecido ou familiar: frustração.
  • Seu casamento ou sua festa foi adiada: frustração.
  • A viagem que você planejava desde o ano passado foi cancelada: frustração.
  • Não haverá missas públicas antes do Pentecostes: frustração…

Grandes ou pequenos, todos estamos lidando com muitos desejos não realizados e sonhos desfeitos atualmente. Eles são ainda mais difíceis de aceitar e administrar, porque a sociedade anterior à crise não estava acostumada a aceitar limites. Era relativamente fácil ter acesso a muita coisa imediatamente.

No entanto – e essa é uma boa notícia – é possível usar essas frustrações para crescer e se tornar mais forte, seguir em frente e se reinventar com novos objetivos.

É isso que uma assistente social e conselheira de casamento e família, Bérengère de Charentenay, propõe que façamos. Ela descreve quatro etapas para superar as frustrações neste tempo de isolamento social e pandemia.

1
ACEITE SUAS EMOÇÕES

A frustração gera outras emoções: raiva, tristeza, decepção, medo… As emoções não são boas nem ruins em si mesmas, mas nos dão um indicador do que estamos passando. É importante saber como reconhecer e aceitar nossa frustração, nomeá-la e nos perguntar o que faremos com ela. Como agimos diante de nossas emoções é o que é bom ou ruim. Ou nos limitamos a explosões e reclamações, ou decidimos usar nossa frustração como trampolim para ações positivas.

2
ACEITE SEUS LIMITES

Ninguém é perfeito. Temos que aceitar nossas próprias limitações, bem como as das pessoas ao nosso redor, nossos parentes, nossos líderes políticos etc. “Se você pensa que é todo-poderoso, ficará muito desapontado”, alerta Charentenay. “A vida é cheia de frustrações, e nós as vivenciamos desde pequenos, a partir do momento em que nos separamos de nossa mãe. Mas é também o que ajuda uma criança a crescer e a se mexer. Experimentar a necessidade nos faz querer melhorar nossa situação, e é isso que torna nossa incompletude boa.”

3
DÊ UM PASSO ATRÁS

Quando ficamos frustrados, restam-nos duas opções: ficar presos em um impasse ou recuar e encontrar outro caminho. “Sempre posso dar um passo para o lado para contornar o obstáculo (dentro dos limites da legalidade!) Ou pelo menos aceitá-lo”, diz de Charentenay. Tome o exemplo de não poder visitar os avós – você pode inventar outra maneira de estar presente, apesar de tudo: ligue para eles, escreva um cartão… Se tivermos que passar horas na fila em frente às lojas ou esperar pelo transporte público, planejemos fazer algo com esse tempo para que não seja totalmente desperdiçado: ouvir um podcast, ler um livro, aprender um idioma.

4
EVITE AGIR COMO VÍTIMA

Superar a frustração implica aceitar a realidade como ela é. Em vez de sofrer passivamente como vítima, podemos ter a oportunidade de experimentar algo diferente do que tínhamos planejado. “Vamos tentar analisar profundamente o que nos motiva, o que nos faz sentir vivos e vamos definir metas novas, concretas e alcançáveis. Vamos ser independentes dessa frustração “, aconselha de Charentenay. Em outras palavras, vamos assumir o controle de nossas vidas, dando liberdade à nossa criatividade e imaginação, apesar das limitações de nossa situação e das frustrações que elas geram.

Boletim
Receba Aleteia todo dia