Aleteia
Terça-feira 29 Setembro |
Beato João de Montmirail
Religião

São João Paulo II, esse conhecidíssimo desconhecido

MARTIN ATHENSTAEDT / DPA / AFP

Francisco Borba Ribeiro Neto | Sun May 24 2020

Conhecemos bastante São João Paulo II, mas nós e o mundo seremos muito mais felizes à medida que nos aprofundarmos em toda a riqueza de sua mensagem e de seu testemunho

No último 18 de maio comemoramos o centenário do nascimento de São João Paulo II. Lendo os inúmeros artigos escritos sobre ele, vemos um paradoxo: poucos homens de seu tempo foram tão conhecidos e admirados como ele, mas sua mensagem permanece pouco conhecida e aprofundada.Um ponto de viradaA facilidade de comunicação no mundo de hoje levou a uma curiosa inversão. No passado, os papas eram pouco conhecidos pela maioria dos fiéis. Demorava muito para que um documento pontifício fosse traduzido e lido pelos católicos de um país (isso quando era traduzido). Os atos e o comportamento do Sumo Pontífice eram ainda menos conhecidos. A relação da comunidade católica com a hierarquia passava quase totalmente pela missa dominical e pelos párocos, algumas vezes pelos bispos. Hoje acontece o contrário: particularmente nas grandes cidades e onde parte dos católicos não é praticante, os fiéis nem têm ideia de quem seja o seu pároco – mas todos sabem que o papa é Francisco e antes dele era Bento XVI. Documentos pontifícios são lançados já em várias línguas, lidos e discutidos na grande imprensa. As ações e comportamentos dos papas são as maiores oportunidades de anúncio e os testemunhos mais conhecidos para todo o planeta.São João Paulo II representa justamente o ponto de virada dessa tendência. Foi, como alguns bem apontam, o primeiro grande líder do mundo globalizado. Ultrapassou os limites das causas nacionais, se tornou um fenômeno de mídia em todos os países, marcou simultaneamente pessoas que o viram e que não o viram. Com ele, católicos de todo o mundo ganharam um ponto para o qual olhar, um exemplo em que se espelhar. É uma graça de Deus que os papas, agora que estão tão visíveis para o mundo, sejam personalidades tão especiais…Mas a força desse testemunho fez com que ficássemos muito centrados em sua pessoa, sem dúvida excepcional, e olhássemos pouco para sua mensagem – que frequentemente foi reduzida e até distorcida. Com ele e, atualmente, com Francisco acontece algo parecido: quem gosta de uma declaração sua a repete, quem não gosta o ataca, mas tanto um quanto outro fazem pouco esforço para entender integralmente o que foi dito…Dois papas semelhantes, ainda que aparentemente opostosEssa semelhança entre São João Paulo II e Francisco merece ser mais aprofundada, pois isso nos ajuda a superar certos esquematismos. Tanto um quanto outro vieram “da periferia” da estrutura de poder da Igreja, ainda que por lados opostos. Um veio da Polônia, considerada “um fim de mundo” pelos europeus dos anos ’70; outro da Argentina, outro “fim de mundo”, agora para o mundo globalizado atual.Ambos passaram pela experiência da ditadura e da perseguição à Igreja, ainda que um tenha enfrentado uma ditadura de esquerda e outro uma ditadura de direita. Vieram de países com grande orgulho nacional, mas com muitas dificuldades em sua história. Trabalharam no mundo laico antes de se ordenarem e demonstram grande apreço pelos trabalhadores e pelas classes populares – não nos deixemos enganar pelo fato de um ter tido que enfrentar os erros do comunismo e hoje o outro ter que enfrentar aqueles do capitalismo! Ambos buscam uma Igreja cada vez mais conformada a Cristo, ainda que tenham uma visão aguda de sua responsabilidade social e política.Mas provavelmente o ponto em comum mais importante – e menos comentado por admiradores e detratores dos dois papas – seja sua relação pessoal com a misericórdia de Deus. Para ambos, a misericórdia é não só um tema de devoção pessoal, mas aquilo que a Igreja pode oferecer de mais valioso para o mundo atual – onde, apesar de todos os discursos de tolerância e respeito à diversidade, cada um de nós vale por aquilo que é capaz de fazer e não pelo amor que recebe (enquanto que, na lógica da misericórdia, o ser humano vale pelo amor que recebe e não por aquilo que fez de bom ou de mal).O testemunho de Bento XVIPor ocasião do centenário de São João Paulo II, o Papa Emérito Bento XVI escreveu uma carta que salienta justamente esse aspecto do magistério de São João Paulo II. Ratzinger foi, sem dúvida, um dos mais próximos e fiéis colaboradores de Wojtyła – por isso, seu testemunho tem um valor particular.Muitos se opuseram a São João Paulo II dizendo que era um “rigorista”, isso é, uma pessoa que coloca os critérios morais acima das pessoas (nos Evangelhos, os fariseus seriam exemplos típicos de rigoristas). Bento XVI explica que isso não é verdadeiro justamente por causa do grande valor que Wojtyła dava à misericórdia. O seguimento rigoroso dos princípios morais não dá a última palavra para aqueles que se movem pelo amor recebido. Quem experimenta a misericórdia, quer corresponder a esse amor – e por isso procura não errar, mas sabe que não é o erro define a sua vida, mas sim o amor.Me permito acrescentar uma ideia. São João Paulo II não era um rigorista também porque valorizava muito a experiência humana (influência da escola filosófica da Fenomenologia, à qual seguia como acadêmico). Assim, acreditava que os valores morais correspondem à experiência humana, se levada até suas últimas consequências. A indissolubilidade do matrimônio, por exemplo, não é um valor apenas porque Deus assim o deseja (o que, sem dúvida, é verdade) ou porque a sociedade instituiu uma norma, mas porque os casais serão mais felizes se viverem seu matrimônio até à morte. Essa percepção abre um diálogo imenso com a cultura de hoje, que São João Paulo II começou na sua teologia do corpo e que deve ser continuado por nós.Conhecemos bastante São João Paulo II, mas nós e o mundo seremos muito mais felizes à medida que nos aprofundarmos em toda a riqueza de sua mensagem e de seu testemunho.
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoutrinaIgrejaIgreja CatólicaJoao Paulo IIPapaSantos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
ROSARY
Redação da Aleteia
Exorcista alerta sobre os perigos de "falar" ...
Aleteia Brasil
Com afastamento do pe. Robson, o Santuário de...
Redação da Aleteia
Papa Francisco: "Não usem o nome de Deus para...
HOLY COMMUNION
Redação da Aleteia
A Santa Missa não pode ser trocada por oraçõe...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Gaudium Press
Sabia que a aliança de casamento pode ter a f...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia