Aleteia

5 lições para levarmos conosco depois da quarentena

LOVE
Halfpoint | Shutterstock
Compartilhar

Em breve começaremos a retomar a nossa rotina normal. Porém, alguns hábitos adquiridos nos últimos meses não precisam ser abandonados

De certa forma, os últimos meses se tornaram um retiro espiritual involuntário. Não nos inscrevemos nele, mas realmente precisamos por isso.

Eu tenho lido livros que tentava ler há anos. Passo tardes inteiras sentado em uma cadeira de vime no jardim. Ando sem rumo com meu bebê e examinamos de perto todas as flores no quintal. Paramos e cheiramos cada uma, exclamando o quão maravilhoso é cada perfume.

Não penso em nada em particular. Não estou resolvendo problemas ou fazendo atividades acadêmicas. Só estou contemplando a vida. Eu vejo como é  bom sentir o sol no meu braço, como é abençoado estar vivo. Em um dia típico e normal, cheio de trabalho e recados, eu não teria nenhum desses pensamentos. Então, pelo menos para mim, esse retiro forçado trouxe grandes benefícios.

Isso não significa que a vida agora seja normal ou deva ser considerada ideal daqui adiante. Estou particularmente ciente de que minha experiência feliz não é nada parecida com a experiência de muitas outras pessoas, para quem este tempo foi muito, muito difícil por causa de doenças, solidão, tristeza ou dificuldades econômicas. Não posso deixar de notar, no entanto, que muitos dos meus vizinhos também estão adotando novas rotinas. Mais pessoas saem para passear à noite, sentam no quintal com a família e brincam com os filhos. Apesar das dificuldades, o espírito humano sempre foi capaz de enfrentar uma situação ruim e revertê-la para o bem. Conseguimos vencer o mal e criar beleza onde parece haver apenas sofrimento. As famílias têm a oportunidade de se aproximar. Temos a chance de considerar o que é realmente importante para a vida.

Contudo, mais cedo ou mais tarde, começaremos a retornar a rotina normal. Porém, os hábitos dos últimos meses não precisam ser totalmente abandonados. Antes de abrir as asas para sair do casulo e esquecer tudo sobre essa estranha vida paralela que tivemos, pode ser útil pensar em algumas lições que levaremos conosco dessa experiência.

1
Ficar entediado

Ficar entediado é uma sensação estranha. Hoje à tarde, separei para ler uma biografia sobre uma mulher nascida para o estilo de vida típico da quarentena. Depois de uma hora, cansei de ler. Eu olhei para os meus filhos e os convidei a brincar comigo. Sem sorte. Tentei ler mais, mas apenas olhei para a página. Fechei o livro e vi as folhas tremularem na brisa. Como um fazendeiro antigo, analisei o céu ocidental em busca de sinais. Não sei exatamente por que estava entediado. Para mim, estar entediado é uma sensação de coceira, como se eu devesse estar fazendo alguma coisa, mas não há nada a fazer. O tédio é um produto de um vício em ocupação. Esse vício foi quebrado nos últimos meses. Não fiz muita coisa esta tarde, mas estava contente. No futuro, não quero que meus dias continuem assim indefinidamente, mas uma tarde preguiçosa ocasional para ficar em casa lendo, sair com a família ou simplesmente relaxar é um hábito que eu gostaria de proteger.

2
Passar mais tempo com a família

Eu nunca compreendi a importância das celebrações de aniversário em família até que a gente ficou impossibilitado de se reunir para comemorar. Houve tantos fins de semana no passado que eu me permiti ficar tão ocupado que até me esquecia de ligar para meus avós. Até com meus filhos eu deixei de passar tempo suficiente. Sim, eu os levo a todos os treinos e jogos e os assisto jogar. Tento me manter o mais engajado possível em suas vidas, mas nos últimos meses, sem atividades organizadas, tive a chance de ficar sentado e conhecê-los de uma maneira diferente. Jogamos cartas, lavamos a louça juntos depois do jantar, conversamos em caminhadas e jogamos bola no quintal. Não quero olhar para o final da minha vida e me arrepender de não ter dado tempo suficiente à minha família. Estar com eles é uma verdadeira bênção.

3
Desacelerar

Como a maioria das pessoas, minha vida sempre foi cuidadosamente programada. Ser organizado me permite prosperar no trabalho e na criação de uma família de seis filhos. Mas isso tem um custo. Há uma implacabilidade em uma programação diária rigorosa que desgasta a pessoa depois de um tempo. Foi muito bom desacelerar.  É como se um peso tivesse sido retirado de meus ombros. Meu cronograma de trabalho voltou a funcionar e, em breve, os jogos de futebol dos meus filhos recomeçarão, mas uma coisa que aprendi é que talvez seja bom eliminar alguns dos agendamentos em excesso. Não quero ter de volta um estilo de vida frenético. Quero ter a chance de desacelerar.

4
Os pequenos negócios são maiores do que pensamos

Não estou tentando defender uma questão política ou econômica quando digo que as pequenas empresas se revelaram incrivelmente vitais e que deveriam ser protegidas. Eu moro em um bairro com várias pequenas empresas a poucos quarteirões, e o que se tornou cada vez mais óbvio é que essas empresas são mais do que dinheiro – elas são pessoas. Vê-los lutar é especialmente difícil, pois os donos e as pessoas que trabalham nessas empresas são vizinhos nossos e suas contribuições dão vida à nossa vizinhança. Tornou-se mais importante do que nunca continuar apoiando essas pequenas empresas. Elas são mais essenciais do que pareciam.

5
A Igreja é essencial

Tive que expulsar meus paroquianos de nossas missas nas últimas seis semanas. Foi a coisa mais difícil que já tive que fazer. Sei que muitos choraram porque não puderam ir à missa. Eles estão famintos espiritualmente e mal podem esperar para voltar. Somos extremamente abençoados em nossa comunidade, pois nossas igrejas estão se abrindo novamente. Em outros lugares, porém, eu sei que a luta espiritual continua. Algum dia, estou confiante, em um futuro não muito distante, todos teremos a oportunidade de ir novamente à missa todos os dias, se assim o desejarmos. Rezo para que, quando eu acordar e estiver cansado e sem vontade de ir à igreja, eu me lembre dos últimos meses.

Tenho certeza de que existem muitos outros momentos e lições reveladoras que você poderia compartilhar conosco, maneiras pelas quais essa experiência desafiadora iluminou sua vida nesses últimos meses. Em relação ao estranho sofrimento que estamos vivenciando, isso também deve passar. Mas tomara que as boas ideias duramente conquistadas nesse período nunca se percam!

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia