Aleteia

Como a educação online pode despertar um crescimento intelectual real

HOMEWORK
byswat | Shutterstock
Compartilhar

É a oportunidade perfeita para os alunos tomarem consciência das possibilidades de sua própria educação

Eu estou ensinando online há mais de dois meses. Estudantes, professores e administradores estão travando essa batalha.

E ninguém com quem conversei gosta especialmente disso. Limitações notáveis ​​estão embutidas na educação online: falta de interação pessoal autêntica, o risco de falta de zelo e o isolamento dos adolescentes, para citar alguns.

Mas, em vez de me concentrar em tudo isso, vou descrever um benefício potencial dessa situação educacional: os alunos podem se apropriar de seu aprendizado.

Essa possibilidade passa mente do professor constantemente: capacitar os alunos a desejarem o conhecimento por si mesmos e a aprenderem por conta própria.

O objetivo é elevado, e talvez um pouco ambicioso para o ensino médio. Mas não é absurdo. É atingível. Porque o conhecimento é uma coisa boa: nós o amamos por si só.

Agora que não estamos lá pessoalmente para estimular e incentivar os alunos, eles podem aprender algo sobre si mesmos e sobre seus próprios desejos. O que vocês amam? O conhecimento ou o entretenimento passivo? A excelência ou a mediocridade?

Só porque estou escrevendo sobre adolescentes, não significa que os adultos possam passar por cima dessas perguntas. Também estamos aprendendo lições dolorosas sobre nós mesmos em nosso trabalho em casa.

Mas, no caso dos adolescentes – e também das crianças – talvez essa forma bizarra de prisão domiciliar os ajude a se apropriar da aprendizagem.

Quem sabe eles possam aprender uma lição que nunca poderíamos ter ensinado a eles no ambiente de apoio da sala de aula: os professores ajudam na aprendizagem, mas o aluno deve querer.

Primeiro, uma ressalva sobre a “apropriação da aprendizado”. Existem muitos livros, artigos e cursos de desenvolvimento profissional organizados em torno desse conceito.

A “apropriação” se parece com isso: compreensão, desejo e memória. Primeiro, os alunos devem entender o que um autor (biólogo, romancista, teólogo etc.) está dizendo. Então, tendo gostado de entender o material, seu desejo de aprender sobre um assunto é motivado. Por fim, o conteúdo se torna parte deles.

Compreender parece simples. Mas apreciar o que um autor está realmente dizendo e o que ele realmente não está dizendo traz um desafio difícil. Isso é especialmente verdade na teologia, onde os estudantes chegam com preconceitos da cultura laica.

A teologia moral apresenta ampla oportunidade para mal-entendidos. Eu esclareço esses tipos de mal-entendidos mais facilmente pessoalmente.

Deixado por conta própria, um aluno deve se concentrar muito para entender o que o livro diz sobre o propósito do casamento, por exemplo.

E agora eles têm mais tempo para ler e reler as palavras do livro. Essa luta com o conteúdo produz entendimento.

Fico constantemente tentado a causar um curto-circuito neste processo. Em uma sala de aula física, eles têm uma pergunta e eu tenho uma resposta. Depois que eu falo, eles estão convencidos da verdade sagrada, e tudo está bem. Exceto que não é isso que acontece.

Em vez disso, eles leem algo, não entendem, pedem esclarecimentos com base no medo da prova de sexta-feira e esquecem o que nunca entenderam. Agora, na quarentena, eles têm o conteúdo e si mesmos, sem muita ajuda minha.

O desejo pode se relacionar a todo tipo de coisa nobre ou vergonhosa. Mas, intelectualmente, lidar bem com conceitos difíceis leva ao desejo de saber mais.

Nós, professores, lembramos do nosso primeiro sucesso real e sem ajuda, em provar um teorema, traduzir um parágrafo ou entender as causas de uma guerra.

Somente após esse primeiro pequeno sucesso podemos desejar e gostar de estudar geometria, espanhol ou história.

Essa alegria, desejo ou paixão brota de um interesse e de pequenos sucessos na busca desse interesse. Esses sucessos compõem e constroem o verdadeiro conhecimento. Esta é uma mudança no aluno. É uma mudança em relação à verdadeira ausência desse conhecimento até alguns pouco meses atrás. E, quem sabe, o atual tédio doméstico pode gerar interesse pela geografia europeia ou os painéis solares.

Por fim, a solidão pode construir memória. Os cristãos de antigamente treinavam sua memória arduamente, e às vezes terceirizamos ou negligenciamos completamente a nossa memória.

Mas longos períodos de tempo sozinhos podem treiná-los. Aqui está uma oportunidade de adquirir conhecimentos que eles podem acessar pelo resto de suas vidas.

Esta é a chance que esses meninos e meninas têm agora. Apesar dos esforços hercúleos de professores, funcionários e administradores, os alunos estão quase por conta própria com as fontes de conhecimento.

E o conhecimento deve sair da página (ou da tela) e entrar em suas almas. Mas eles têm dons, tempo e graça para fazer isso agora. Meus alunos francamente me impressionam por sua diligência. Talvez eles nunca mais tenham em sua vida em tempo ocioso assim. Não sou ingênuo e sei que eles poderiam passar todo esse tempo livre vendo TV. Mas, novamente, eles podem fazer diferente. E talvez alguns grandes intelectuais futuros estejam sendo despertados nesta quarentena.

Boletim
Receba Aleteia todo dia