Aleteia

Como o cristianismo conseguiu ganhar força depois de duas pandemias

CRUCIFIX
© By Kristyna Henkeova | Shutterstock
Compartilhar

Alguns comportamentos dos cristãos durante as pandemias dos séculos primeiro e segundo levaram à expansão da Igreja

Você sabia que o cristianismo se tornou a força dominante no Ocidente por causa de duas pandemias?

Em seu livro The Rise of Christianity (“A expansão do Cristianismo”), o estudioso Rodney Stark explica que foram duas grandes epidemias, uma em 165 e outra cem anos depois, que abriram o caminho para o cristianismo no Ocidente.

“Se a sociedade clássica não tivesse sido perturbada e desmoralizada por essas catástrofes, o cristianismo poderia nunca ter se tornado uma fé tão dominante”, diz ele.

Mas como isso aconteceu? E o que podemos aprender com esses cristãos do passado?

Primeiro: os cristãos tinham esperança diante das dificuldades. Os deuses pagãos em que os romanos se baseavam falharam em tempos difíceis. “Em contraste, o cristianismo ofereceu um relato mais satisfatório do motivo pelo qual esses tempos terríveis caíram sobre a humanidade”, escreve Stark. “O cristianismo projetou um retrato esperançoso e entusiasmado do futuro.” Os cristãos sabem que as dificuldades virão – e sabemos que a vida é cheia de beleza e graça de qualquer maneira.

Segundo: os cristãos tinham esperança diante da morte. Stark diz que encontrou pela primeira vez a ideia de que o cristianismo se levantou em meio à pandemia no livro de William McNeill, Plagues and Peoples (“Pragas e Pessoas”).”Outra vantagem que os cristãos tinham sobre os pagãos era que os ensinamentos de sua fé tornavam a vida significativa, mesmo em meio à morte súbita e surpreendente”, escreveu McNeill. “[Todo] um remanescente destruído de sobreviventes da guerra, da pestilência ou de ambas puderam encontrar um consolo imediato e caloroso na visão da existência celestial”.

Terceiro: os cristãos se destacaram na construção da comunidade. Como estamos aprendendo da maneira mais difícil em nosso tempo, a comunidade é absolutamente necessária para a sobrevivência humana. O que está chegando a nós como uma lição dolorosa do que esquecemos veio aos primeiros cristãos como uma descoberta emocionante. “O cristianismo não cresceu por causa de milagres nos mercados, porque Constantino disse que deveria ou porque os mártires lhe deram tanta credibilidade. Cresceu porque os cristãos constituíam uma comunidade intensa”, escreveu Stark. Os cristãos ofereciam cuidado e dignidade aos desabrigados e pobres, permitiam que estranhos encontrassem um lugar em uma nova cidade e foram pacificadores em meio à violência étnica. “Os valores cristãos do amor e da caridade foram, desde o início, traduzidos em normas de serviço social e solidariedade comunitária”, escreveu Stark.

Quarto: o cristianismo se saiu bem porque os cristãos eram caridosos. Os cristãos serviam aos outros com cuidado e intencionalidade, promovendo a cura e a esperança. Stark menciona uma carta de Páscoa de Dionísio, bispo de Alexandria, comemorando os cristãos que ajudavam os doentes. Dionísio escreveu: “A maioria dos nossos irmãos cristãos mostrou amor e lealdade ilimitados, nunca se poupando e pensando apenas no outro. Indiferentes ao perigo, eles cuidavam dos doentes, atendendo a todas em suas necessidades e ministrando-os em Cristo. ”

Quinto: os primeiros cristãos eram grandes evangelizadores. A característica mais importante de todas, no entanto, diz Stark, foi a propensão do cristianismo a compartilhar a Boa-Nova. “[O] principal meio de seu crescimento foi através dos esforços unidos e motivados de um número crescente de crentes cristãos, que convidavam seus amigos, parentes e vizinhos para compartilhar a ‘boa- nova'”, disse ele.

Mas será que tudo isso ainda descreve os cristãos de nosso tempo? Ainda temos esperança? Os cristãos ainda constroem comunidades fortes? Estamos ansiosos e entusiasmados em evangelizar?

Pode ser que a esperança na pandemia tenha vindo de outro lugar. E pode ter sido que fizemos pouco – fizemos o mínimo, ou menos, e não evangelizamos, mas acusamos, reclamamos e criticamos. O que me leva a pensar no outro motivo pelo qual a Igreja primitiva triunfou: o perdão.

A igreja primitiva não era perfeita. Em 250, o imperador exigiu que todos os cidadãos romanos se sacrificassem publicamente pelos ídolos. Muitos cristãos – incluindo líderes da Igreja – fugiram, deixando seus rebanhos abandonados.

Para avançar, a Igreja teve que encontrar uma maneira de perdoar os “caducados” – aqueles que haviam se comportado com covardia. Esse esforço ajudou a dar ao Sacramento da Reconciliação a sua forma atual

Nós também podemos ficar com raiva da Igreja, de nossos vizinhos ou de nós mesmos, pela maneira como todos nos comportamos na pandemia. Porém, agora precisamos, acima de tudo, de ter esperança, construir comunidades, servir, evangelizar e perdoar.

É um novo dia, e o campo está maduro para a colheita!

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia