Aleteia

“A verdadeira história do Clube Bilderberg”

HOLY INNOCENTS NEW YORK CITY 2019
Compartilhar

Saibamos, pois, que o mal existe, é astuto, tem poderes, sabe mentir e manipular, no entanto, continuemos a rezar e a agir sem desespero, pois “se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Há sociedades secretas que se dizem detentoras de mecanismos com os quais são capazes de controlar a vida de toda a humanidade até nos mínimos detalhes.

É com esse pano de fundo que o jornalista Daniel Estulin escreveu uma obra de 320 páginas (Editora Planeta), por ele apresentada com as seguintes palavras: “Neste livro pretendo contar a parcela de verdade de nosso presente e futuro próximo que ninguém expõe. A verdadeira história do Clube Bilderberg documenta a história da subjugação impiedosa da população por parte de seus governantes. O leitor assistirá ao nascimento de um Estado Policial Global que ultrapassa o pior pesadelo de Orwell, com um governo invisível, onipotente, que manipula os fios desde a sombra, que controla o governo dos Estados Unidos, da União Europeia, a Organização Mundial da Saúde, as Nações Unidas, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e qualquer outra instituição similar. Tudo está aqui: a história do terrorismo promovida pelos governos, o atual controle da população através da manipulação e do medo e, o mais espantoso de tudo, projetos futuros da Nova Ordem Mundial” (p. 11).

Um dos meios mais usados pelo poderoso Clube Bilderberg é a imprensa, uma vez que, segundo Estulin, “imprensa livre é um mito porque é propriedade dos poderosos”. Há, em grande parte dos órgãos de comunicação, portanto, “um pacto de silêncio, ativo ou passivo. Os jornais importantes, as rádios nacionais e as cadeias de TV se negam a cobrir o tema [Bilderberg] e não se atrevem a falar dele” (p. 17).

O grande projeto do Clube centra-se no controle do poder total sobre toda a humanidade. Para conseguir esse domínio o grupo cria situações de insegurança à população em geral e depois oferece uma solução a seu modo. Nessa solução, porém, já está inoculado o veneno do controle geral. Veneno que as pessoas amedrontadas e inseguras aceitam sem questionar. Tornaram-se tão fragilizadas pelo medo que acatam qualquer “proteção” que seja a elas oferecida. Assim, “O Clube Bilderberg está lutando para romper a fortaleza psicológica do indivíduo e deixá-lo sem defesas” (p. 18).

Como o Clube faria isso? Manipulando as iniciativas pessoais. No campo educacional, há, ano a ano, uma redução do coeficiente intelectual médio da população devido à má qualidade do ensino oficial. Contudo, o Clube de Bilderberg faz com que sejam divulgadas notícias segundo as quais esse coeficiente está crescendo. “Eles sabem que quanto menor o nível intelectual dos indivíduos, menor será a sua capacidade de resistir ao sistema imposto” (p. 19).

O livro pode impressionar o leitor não habituado à temática, no entanto, o autor parece muito seguro do que afirma; demonstra ter grande conhecimento da história que ele interpreta à luz da ação desse grupo secreto (cf. p. 94-143, 181-183 etc.); adiciona fotos (p. 165-173), fotocópias de documentos (p. 174-180) e bibliografia. Isso posto, pergunta-se: Que pensar? Duas colocações vêm ao caso.

1) Que salvo um ou outro detalhe em que o autor possa ter enfeitado, há, sim, uma trama real para destruir os valores cristãos da humanidade. Isso está comprovado também por outros autores com seus estudos pontuais como são, especialmente, os dos argentinos Dr. Jorge Scala e Monsenhor Juan Cláudio Sanhuja. Estulin mostra, todavia, que, apesar de tanto poder, o Clube de Bilderberg nem sempre consegue avançar em suas metas mais radicais como desejaria, pois a resistência do povo é grande (cf. p. 255). Isso se explica: por mais poderosa que seja, a criatura nunca derrotará o Criador (cf. Sl 2,1-5) em seus planos benevolentes de amor à humanidade. Ao contrário, têm uma derrota maior os grupos que, como Bilderberg, atacam – direta ou indiretamente – a fé cristã.

2) Podem os barulhentos e poderosos manipuladores conseguir seus momentos de fama, enquanto Deus parece dormir. Na hora oportuna, porém, o Senhor ouve o clamor dos seus discípulos, levanta-se e derrota as ondas revoltas que ameaçam fazer sucumbir a barca de Cristo, que é a Igreja (cf. Mt 5,35-41).

Saibamos, pois, que o mal existe, é astuto, tem poderes, sabe mentir e manipular, no entanto, continuemos a rezar e a agir sem desespero, pois “se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8,31s). 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia