Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

COVID-19 se agrava na América Latina

VENEZUELA

Shutterstock | Edgloris Marys

Agências de Notícias - publicado em 07/06/20

O contraste com a situação na Europa, onde o coronavírus fez estragos entre o final de fevereiro e o início de maio, em especial, não poderia ser maior

A América Latina luta contra o feroz avanço da pandemia de coronavírus. O número de casos de contágio de COVID-19 no mundo chega a 6,7 milhões de pessoas, e o total de óbitos é de 395.500 desde o início da pandemia na cidade de Wuhan, no centro da China, em dezembro passado.

Há algumas semanas, o epicentro do novo coronavírus se encontra na América Latina, com mais de 1,2 milhão de casos e mais de 60.000 falecimentos. Mais da metade das mortes é no Brasil, com cerca de 645.000 casos e 35.000 mortes.

Desde quinta-feira, o país é o terceiro com mais mortes. Sua situação sanitária ameaça seus vizinhos, como Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Peru, Colômbia e Venezuela.

Com 127 milhões de habitantes, o México registra 13.170 mortes e 110.026 casos positivos, conforme o último balanço de sexta-feira. O pico de disseminação e de mortalidade não impediu o governo de iniciar a reabertura econômica e social do país.

O Peru, o segundo território da região em número de casos (187.400) e o terceiro em óbitos (5.162), tem um sistema de saúde à beira do colapso para as mais de 9.000 pessoas hospitalizadas, além de sofrer uma dramática escassez de oxigênio para pacientes gravemente doentes.

– Prado e Versalhes reabrem –

O contraste com a situação na Europa, onde o coronavírus fez estragos entre o final de fevereiro e o início de maio, em especial, não poderia ser maior.

Neste sábado (6), joias históricas e culturais do Velho Continente, como o Museu do Prado, em Madri, ou o Palácio de Versalhes, nos arredores de Paris, reabriram suas portas.

Um mês antes do que o Louvre, em Paris, o Prado começou a receber visitantes em paralelo a outros dois grandes museus da capital espanhola – Reina Sofía e Thyssen.

A Espanha, que registrou mais de 27.000 óbitos até o momento, segue na segunda-feira com seu cauteloso desconfinamento por fases, com Madri e Barcelona entrando na segunda e penúltima etapa. Nela, é autorizada a reabertura das praias para banho recreativo e liberado o interior dos restaurantes.

Com mais de 29.000 mortes, a França declarou ontem que a situação está “controlada”, uma vez que o vírus agora circula em “baixa velocidade”, segundo o presidente do conselho científico que assessora o governo, Jean-François Delfraiss.

No Reino Unido, onde também está sendo aplicada uma suspensão progressiva das restrições, o número de óbitos por COVID-19 passou de 40.000 na sexta-feira.

No continente africano, os parques nacionais da África do Sul anunciaram, neste sábado, que vão reabrir a partir de segunda-feira. Ficaram mais de dois meses fechados por causa da pandemia.

Muito apreciados pelos fãs de safáris, estes parques, entre eles o Kruger (nordeste), serão acessíveis, no início e por razões sanitárias, apenas para visitas de carro. Excursões, hotéis e espaços para acampamento situados nos parques serão reabertos somente mais à frente.

– Reunião da OPEP –

Nos Estados Unidos, o mercado de ações encerrou a semana com euforia, registrando uma alta de 3,15% em Wall Street. O movimento foi estimulado pelo anúncio da inesperada queda na taxa de desemprego, em maio, nos Estados Unidos. Para os especialistas, é um sinal de que a economia está se recuperando mais rápido do que o esperado.

Isso levou o presidente Donald Trump a declarar que seu país “superou em grande parte” a crise do novo coronavírus. Com 109.000 mortes e 1,9 milhão de casos registrados oficialmente, os EUA são, de longe, o país mais afetado do mundo pela COVID-19.

(Com AFP)

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia