Aleteia
Quinta-feira 01 Outubro |
São Bavão de Gand
Atualidade

Racismo é uma doença social e espiritual que mata pessoas

KNEELING

EVA MARIE UZCATEGUI | AFP

Reportagem local | Jun 10, 2020

Cardeal de Boston aponta o antídoto para o veneno do racismo: a comunidade e a solidariedade

O cardeal Sean O’Malley, OFM, arcebispo de Boston, divulgou nessa semana um artigo sobre o racismo e os protestos decorrentes do assassinato de George Floyd nos EUA. Eis a íntegra do texto do cardeal O’Malley:

* * *

Queridos amados em Cristo,

Por quatrocentos e um anos, esta terra, que se tornaria os Estados Unidos da América, teve que lidar com um câncer moral e maligno que é o racismo.

Quando a palavra racismo é invocada, ela é frequentemente identificada em termos pessoais: Alguém cujas atitudes, convicções e ações têm como alvo um grupo de outros indivíduos devido a cor.

Este é um significado válido, mas apenas parcial do termo. Desde pessoas como Fredrick Douglas e Harriet Tubman até líderes contemporâneos, pensadores e ativistas, os afro-americanos tentaram consistentemente expandir o entendimento geral do racismo.

Em palavras e ações, eles apontaram para a realidade do racismo sistêmico e estrutural. O racismo e a escravidão encontram um elo comum neste país, a negação da humanidade e a dignidade de outras pessoas.

Como nação, abolimos a escravidão legalmente, mas não lidamos com seu legado duradouro. Se rejeitarmos a escravidão, devemos rejeitar e denunciar as atitudes desumanas que promovem a discriminação, a desigualdade e a violência.

O racismo pode ser explícito, mas também pode ser ignorado e não reconhecido. No entanto, todas as suas manifestações são mortais e corrosivas para a sociedade civil.

Assim como o COVID-19, o racismo pode infectar qualquer pessoa, independentemente da região, religião, raça ou etnia; ele é altamente contagioso, facilmente transmitível à outras pessoas, e muitas vezes invisível e disfarçado naquelas outras aparentemente saudáveis.

O racismo é uma doença social e espiritual que mata pessoas. O assassinato de George Floyd, um cidadão afro-americano, nas mãos de quatro policiais desonestos foi tragicamente bastante familiar para a comunidade afroamericana.

Durante toda nossa vida, convivemos com a realidade do Livro Verde dos Viajantes Negros (the Negro Travelers Green Book), identificando locais onde os afro-americanos se firmam e permanecem em nosso país com menor probabilidade de serem atacados.

Vimos o linchamento brutal da Klu Klux Klan de pessoas negras inocentes. Agora testemunhamos novamente uma violência hedionda perpetrada por alguns, aqueles no quais foram confiados o dever de proteger.

A morte de George Floyd deixa claro que premissas e atitudes racistas, muitas vezes implícitas, são tecidas através de estruturas básicas – políticas, jurídicas, econômicas, culturais e religiosas – nos Estados Unidos.

Os primeiros dias do meu sacerdócio foram vividos em Washington, DC, na 16th St., no coração da cidade. Eu estava lá na noite em que o Dr. Martin Luther King Jr. foi assassinado.

A cidade foi incendiada com 700 fogos, tanques foram alinhados nas ruas ao redor da Casa Branca e soldados com baionetas estavam em cada esquina. O assassinato do Dr. King provocou desespero e raiva em toda a comunidade afro-americana nos Estados Unidos.

Desde então, houve avanços importantes e significativos dos direitos civis e a eleição de um presidente afroamericano.

Contudo, saber que cinquenta anos depois quatro policiais teriam o direito de assassinar um homem negro com tal impunidade, deixa claro até onde ainda devemos chegar para alcançar a igualdade racial.

Nas semanas seguintes ao assassinato de Dr. King em 1968, durante a Marcha dos Povos Pobres (Poor People’s March) em Washington, uni-me às pessoas e às famílias da Cidade da Ressurreição (Resurrection City) no Lincoln Memorial; policiais que estavam fora do serviço, em seus dias de folga, atiraram gás lacrimogêneo em nosso acampamento e gritaram para nós palavrões desprezíveis.

Eu não o fiz, e agora não julgamos todos os policiais com base nos atos criminosos e repreensíveis daqueles poucos que traem seus irmãos e irmãs de uniforme.

A grande maioria dos policiais, principalmente em Boston, sob a liderança da Comissão Gross, atuam como socorristas heróicos e altruístas que levam a sério sua missão e enfrentam perigo para proteger os outros.

O antídoto para o veneno do racismo é a comunidade e a solidariedade. Os protestos em resposta ao assassinato de George Floyd, na minha opinião, foram predominantemente pacíficos e focados na necessidade urgente de abordar o racismo como uma realidade sistêmica, cultural e jurídica.

Alguns manifestantes violentos e infiltrados fora da cidade, poucos em número, mas por intenção desproporcionalmente visível, não tinham interesse em justiça, nem muito menos em conquistas.

Como o governador Baker afirmou, eles devem ser punidos legalmente e não devem manchar o significado maior das marchas e manifestações pacíficas que testemunhamos.

Reconhecemos que a Igreja Católica nos Estados Unidos deve enfrentar nossa cumplicidade histórica na escravidão e nossa necessidade de cura racial. No entanto, uma parte importante do legado da fé católica é o nosso ensino social.

A Igreja Católica é uma comunidade de pessoas de todas as cores, nacionalidades e etnias. O ensino moral católico baseia-se no fato de que todas as pessoas – sem considerar raça, religião, etnia ou nacionalidade – são criadas à imagem de Deus.

Este ensino rejeita qualquer forma de racismo, pessoal ou sistêmico. Nossa fé nos chama à liderança para quebrar barreiras e enfrentar a injustiça. Violar a dignidade humana é desonrar a presença de Cristo em cada pessoa.

Daqui para frente, a realidade do racismo em nossa sociedade e o imperativo moral da igualdade e justiça racial devem ser incorporados em nossas escolas, em nossos ensinamentos e em nossas pregações.

Devemos manter os compromissos de igual dignidade e direitos humanos em todas as instituições da nossa sociedade, na política, no direito, na economia, e na educação.

O ensino católico sobre justiça social mede a maneira na qual uma sociedade age de maneira justa ou não. Nosso trabalho não será realizado até que homens, mulheres e crianças afro-americanos sejam tratados igualmente em todos os aspectos da vida nos Estados Unidos.

O assassinato de George Floyd é uma prova dolorosa do que é e tem estado em jogo para os afro-americanos – o fracasso da sociedade em proteger de muitas maneiras suas vidas e as de seus filhos.

Como católicos, somos ensinados a nutrimos e a protegermos a vida desde o seu início até o seu fim natural e cada um dos momentos entre elas.

As manifestações e protestos dos dias de hoje foram pedidos de justiça e expressões dolorosas de profunda dor emocional, das quais não podemos nos afastar.

Eles nos chamam para afirmar o valor inestimável da vida de cada pessoa. Eles nos chamam a redobrar nosso compromisso de promover o respeito e a justiça para todas as pessoas.

Eles nos chamam para apoiar e defender a verdade que as vidas negras são importantes.

Com a certeza de minhas orações contínuas,

Devotamente vosso em Cristo,

Cardeal Sean O’Malley, OFM, Cap.

Arcebispo de Boston

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
MalPecado
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Com afastamento do pe. Robson, o Santuário de...
A12
3 armas fortes de São Miguel Arcanjo
Gelsomino Del Guercio
A misteriosa linha reta que une 7 santuários ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Silvia Lucchetti
Gestante com câncer recusa aborto: ela e o be...
SAINT MICHAEL
Arcanjo Miguel
15 de agosto: começa a Quaresma de São Miguel...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia