Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

R. D. Congo: “o país está a afundar-se cada vez mais”

AFP

Fundação AIS - publicado em 11/06/20

A violência neste país africano tem ganho contornos dramáticos

É um relato dramático e, ao mesmo tempo, de quase desilusão. O Padre Anatole, comboniano, enviou uma mensagem para a Fundação AIS em Lisboa onde descreve o clima de insegurança que se vive na República Democrática do Congo e, simultaneamente, de descrédito nas autoridades.

Na mensagem, o sacerdote natural de Butembo, no Kivu do Norte, fala em ataques contra as populações e num “clima de insegurança”, acusando os responsáveis políticos de estarem alheados desta realidade, “ignorando o bem-estar do povo”.

A violência neste país africano tem ganho, de facto, contornos dramáticos. Na semana passada, dia 2 de Junho, foram assassinados 16 civis na província de Ituri, no leste do país, uma das regiões mais atingidas pela violência.

Dois dias depois, a 4 de Junho, a organização Médicos Sem Fronteiras alertava para o facto de a República Democrática do Congo ser já o segundo país do mundo, depois da Síria, com maior número de deslocados internos.

Esta realidade foi sublinhada também na passada sexta-feira, dia 5 de Junho, pela ONU. Desde Setembro, já se registaram pelo menos 1300 mortos e 500 mil deslocados neste país africano.

Michelle Bachelet, a Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, disse mesmo, numa declaração citada pela agência de notícias AFP, estar “chocada com o aumento dos ataques brutais contra civis inocentes realizados por grupos armados e com a reacção da polícia e das forças militares, que também cometeram violações graves, incluindo homicídio e violência sexual”.

O Padre Anatole descreve precisamente, na mensagem enviada para a AIS, uma série de ataques ocorridos nos meses de Janeiro, Fevereiro e Maio. A par de pessoas assassinadas, diz o sacerdote, há também inúmeros sequestros, casas queimadas, destruição de equipamentos sociais…

O ataque mais recente descrito pelo padre comboniano foi a 28 de Maio. “Os rebeldes do LRA (Lord’s Resistance Army – Exército de Resistência do Senhor) invadiram a aldeia de Bambilo, situada na província de Bas-Uele, no norte da República Democrática do Congo, na Diocese de Bondo, e levaram consigo não apenas os bens, mas também as pessoas”, diz o Padre Anatote, acrescentando que “parte da população está dispersa na floresta”.

Sobre o modo de actuação destes grupos, o padre comboniano sublinha que as povoações atacadas estão, normalmente, em “aldeias perdidas na floresta, onde o acesso é difícil, para não dizer impossível, porque não há estradas”. “Assim, os grupos armados, como o LRA, podem agir na tranquilidade, sem serem incomodados por ninguém, e são as populações pacíficas que sofrem.”

A República Democrática do Congo é um país muito rico em recursos minerais e é, simultaneamente, o segundo maior país de África. Mas também é um dos mais pobres do mundo.

O actual presidente da República, Félix Tshisekedi, sucedeu a 24 de Janeiro deste ano a Joseph Kabila, que esteve no poder desde 2001. O mandato de Kabila terminou em 2016 mas foi sucessivamente adiando a convocação de eleições o que acabou por desencadear uma grave crise política, com repressão violenta de manifestações da oposição. A tomada de posse do novo presidente não pacificou o país que vive, desde há anos, mergulhado em conflitos armados especialmente na zona leste e nordeste.

Na mensagem enviada para Lisboa, o Padre Anatole diz que a República Democrática do Congo “ainda não saiu do túnel do sofrimento” e que a eleição de Tshisekedi “não retirou o país do buraco: pelo contrário, está a afundar-se cada vez mais”.

Para o Padre Anatole, a RDC vive um tempo de “confusão e incerteza no cenário político”, agravado pela “violência e assassinatos que alimentam grande parte do leste do país”, uma vida social “que ainda não se desenvolve”, e uma defeituosa gestão da pandemia do COVID-19 que tem vindo a ser “feita sem comunicação clara”.

Nas palavras deste missionário percebe-se um sentimento de revolta pela ineficácia e aparente desinteresse da classe política perante o caos em que se encontra o país. “Continua a violência, as violações e os assassinatos contra a população pacífica que vive nas províncias de Ituri e Kivu do Norte, mais precisamente no território de Beni e arredores. Estas mortes ocorrem regularmente, mas não se fala sobre isso. Tudo acontece num silêncio inexplicável, diríamos num silêncio de morte. As informações na televisão são sobre outros assuntos. A vida do povo é esquecida.”

A ausência de respostas dos responsáveis políticos marca esta mensagem enviada para a Fundação AIS que é, também, um grito de alerta para uma tragédia que o mundo parece querer ignorar. “A insegurança é o dia-a-dia da população do leste da RDCongo e isto acontece há cerca de uma década”, diz o Padre Anatole. “O povo vive na insegurança. Dá a impressão que está aparte. O bem-estar do povo não é tido em consideração nos debates políticos. A Assembleia Nacional, o Senado, fala de outros assuntos, dos cargos, dos salários, dos debates políticos, mas o bem do povo Congolês está ausente. Ausente. Ausente…”

(Departamento de Informação da Fundação AIS)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ÁfricaMissionáriosPobreza
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia