Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

Moçambique: situação humanitária “está cada vez mais dramática”

MOZAMBIQUE

EU Civil Protection and Humanitarian Aid-(CC BY-NC-ND 2.0)

Fundação AIS - publicado em 14/06/20

Denuncia o bispo de Pemba, D. Luiz Fernando Lisboa, à Fundação AIS

A situação humanitária em Cabo Delgado, no norte de Moçambique, “está cada vez mais dramática”, denuncia o Bispo de Pemba à Fundação AIS, precisamente duas semanas depois de a região de Macomia ter sido palco de um violento ataque por parte de grupos jihadistas.

Por causa dos ataques, que têm vindo a aumentar de frequência nos últimos tempos, está a registar-se a fuga das populações, calculando-se que haverá já mais de 200 mil deslocados nos principais centros urbanos da província, nomeadamente na cidade de Pemba.

“O alojamento não é suficiente para todos, porque aqui em Pemba, por exemplo – explica D. Luiz Fernando Lisboa –, as famílias estão a receber [os desalojados], mas há também grandes acampamentos sem as condições necessárias. Não há tendas suficientes, não há comida que chegue, porque é muita gente.” A agravar esta situação, e porque agora “é a época do frio”, como sublinha o Bispo, faltam “mantas, e cobertores” para distribuir a todas as pessoas.

Falando ao telefone com a Fundação AIS, o Bispo de Pemba adiantou que espera reunir com a Alta Comissária das Nações Unidas para abordar este assunto, embora reconheça que a ONU já está a ajudar: “Queremos ver uma maneira de melhorar ainda essa ajuda”.

Esta crise humanitária está a acontecer numa altura particularmente difícil por causa da pandemia do Covid19, que está a afectar também, e muito, a província de Cabo Delgado.

“O Covid 19 agravou [esta situação] com toda a certeza”, reconhece D. Luiz Fernando Lisboa. “Nos acampamentos, as pessoas estão muito juntas e nas famílias é a mesma coisa. As casinhas são pequenas, com vinte, trinta pessoas, imagine… Nós distribuímos milhares e milhares de máscaras… As pessoas estão a usar máscaras mas não há distanciamento. É uma situação potencialmente perigosa.”

Sobre os mais recentes ataques a Macomia, nos dias 28, 29 e 30 de Maio, o Bispo de Pemba sublinha a dimensão dos estragos: a cidade “está toda destruída”. Para já, regista-se uma certa acalmia. Nos últimos dias não tem havido movimentações de grupos armados, mas isso é normal, garante o prelado. “Eles têm estado em silêncio mas isso tem acontecido das outras vezes. Ficam alguns dias em silêncio e depois vêm com algum tipo de assalto. Então, nós estamos todos na expectativa. Depois do ataque a Macomia, ficaram em silêncio.”

Sobre o ataque a Macomia e a fuga das Irmãs de São José, como a Fundação AIS noticiou então, D. Luiz Fernando Lisboa confirma que as religiosas estiveram posteriormente no local para avaliarem os estragos. Mas foi uma visita muito rápida.

“Elas foram lá [à missão] aí meia hora, e voltaram. Está toda destruída a cidade. Não há clima nenhum para ficar lá.” Algo de semelhante aconteceu com os Monges Beneditinos. O ataque a esta missão, situada na aldeia de Auasse, ocorreu no dia 12 de Maio levando à fuga dos religiosos para o mato onde se esconderam até terem conseguido abandonar a região rumo à Tanzânia, onde se encontra um convento da congregação.

Os quatro monges ainda estão nesse país que faz fronteira com o norte de Moçambique, e, como explicou o Bispo de Pemba à Fundação AIS, “só vão voltar quando nós dissermos que podem e devem voltar”. “Por enquanto, ainda não há segurança. Não há possibilidade disso, não.”

Consequência também da onda de violência e dos ataques dos grupos jihadistas às comunidades religiosas, pelo menos “sete ou oito paróquias” estão como que encerradas, ou pelo menos sem actividade há já algum tempo. Uma situação que se agravou também por causa da pandemia do coronavírus.

“Estamos num compasso de espera. São cerca de sete, oito paróquias. Não diria fechadas mas sem actividades porque não há condições para isso. Não há celebrações, não há catequese, nada. E já há vários meses. Há algumas comunidades que há alguns meses não têm nada.”

(Departamento de Informação da Fundação AIS)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ÁfricaPerseguiçãoPobreza
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia