Aleteia

5 estratégias de Jesus para lidar com pessoas difíceis

ANGRY WORK
Compartilhar

Jesus sabia fazer perguntas, sabia quando ignorar pessoas e situações e nunca era defensivo

Como devemos lidar com pessoas difíceis? Algumas pessoas em nossas vidas podem ser difíceis simplesmente porque nos desafiam, porque são diferentes, porque apenas convivemos com elas (a proximidade evidencia os pontos fracos) ou porque nós é que somos difíceis!

Independentemente disso, o ser humano tem a capacidade de aprender a aceitar o inconveniente, o incongruente e o incômodo em sua vida. E aqui nos referimos a pessoas e acontecimentos.

Heather King escreve:

“[Quando] somos abertos e receptivos a tudo o que o mundo tem a oferecer e ao que todo mundo tem a nos ensinar, então tudo se ilumina por dentro. Vemos que tudo está ou pode estar conectado à nossa busca pela beleza e organização. Tudo “pertence”: bonecas velhas, diários decrépitos, botões descartados. Pessoas difíceis.”

Encarar as pessoas difíceis sob uma luz tão positiva parece uma tarefa difícil. Mas podemos começar aprendendo a lidar com elas de maneira semelhante a Cristo. As escrituras nos ensinam algumas maneiras pelas quais Jesus lidou com pessoas difíceis:

1
Jesus fazia perguntas

No capítulo 12 do Evangelho de Lucas, Jesus é solicitado a resolver uma disputa familiar e basicamente responde: “Quem você pensa que eu sou, juiz Judy?” (certo, esta é uma tradução bastante flexível, mas você entendeu). É interessante notar que Jesus faz muitas perguntas nas Escrituras. Às vezes, elas eram retóricas ou desafiadoras, mas com esses questionamentos Ele também buscava feedback. Ao fazer perguntas, Jesus enfatizava sua abertura para a outra pessoa. É engraçado, mas nós, humanos, tendemos a não fazer muitas perguntas. Assumimos, pontificamos, damos palestras, observamos, interrompemos e julgamos. Mas raramente fazemos perguntas a outras pessoas. Ao usar perguntas com frequência, acho que Jesus modela o comportamento de um bom comunicador, alguém que se preocupa com a outra pessoa o suficiente para se envolver com ela e desafiá-la. Mesmo – e talvez especialmente – quando elas são difíceis de lidar.

2
Jesus nunca ficou encurralado

Às vezes, as pessoas nos encurralam com suas suposições e julgamentos e podemos começar a pensar se a maneira como elas nos veem é mais objetiva do que como nos vemos. É difícil quando sentimos que os outros nos entendem mal ou não tiram um tempo para nos conhecer antes de julgar. Mas, como Jesus, não precisamos nos sentir definidos pelas projeções de outras pessoas. Nossa identidade reside e é encontrada em Deus, não naquilo com que as outras pessoas tentam nos pressionar.

3
Jesus sabia quando ignorar

Lembra-se daquela época em que Jesus assinala todos os seus antigos vizinhos e amigos em Nazaré, sua cidade natal? Eles estavam tão perturbados que pensaram em jogá-lo de um penhasco. Jesus, vendo que não havia raciocínio com essas pessoas, caminha entre a multidão, ignora a raiva deles e “segue seu caminho” (Lucas 4). Às vezes, pessoas difíceis fazem birras, falam duramente ou nos tratam de maneira abusiva (isso acontece nas redes sociais o tempo todo). A dica é: afaste-se.

4
Jesus não era defensivo

No capítulo 10 do Evangelho de Marcos, Tiago e João dizem basicamente a Jesus: “Queremos que o Senhor faça por nós o que pedirmos”. Uau! Mas Jesus não era co-dependente; portanto, a carência e a falta de limites não o ameaçavam. Ele sabia quando dizer não e quando dizer sim – e não se machucava quando não fazia as outras pessoas felizes. Às vezes, as pessoas podem exigir mais de nós do que aquilo que podemos lhes dar. Sem percebermos, tentamos satisfazer uma pessoa carente ou agressiva (que raramente fica satisfeita!). Mas Jesus não tenta as pessoas, por favor. Jesus não precisa se proteger de outras pessoas; a vontade de Deus é segura. É daí que vem a sua não-defesa.

5
Jesus era flexível

Em Mateus 15, uma mulher exige que Jesus cure a sua filha e Jesus diz que não. Mas então ele é tocado pela resposta de fé da mulher e opera a cura. Jesus aborda os outros com a mente aberta. Mesmo quando ele tinha noções preconcebidas, Ele permitia que o Espírito o mudasse. O Espírito Santo pode levar você, ou a pessoa que normalmente é difícil, a agir de uma maneira diferente e inesperada. Quando estamos fechados para os outros, nos fechamos para o Espírito Santo, que está trabalhando em nós e na outra pessoa.

Portanto, peça a ajuda de Cristo, rezando:

“Jesus, ajude-me a vê-lo em todos, até nas pessoas que me desafiam. Ilumine-me com seu amor radiante, para que eu possa vê-lo mesmo nas pessoas mais difíceis. Todo ser humano é feito à sua imagem. Ajude-me a reconhecê-lo e amá-lo neles. Amém.”

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia