Aleteia

Quem foram os cátaros?

EKSKOMUNIKA I INNE KARY KOŚCIELNE
Shutterstock
Compartilhar

A doutrina do catarismo resumida em 10 pontos

Corria o século XII e na Europa surgiram alguns clérigos que pregavam por conta própria. Chamavam-se “bons cristãos”. Eles renunciaram à Igreja.

Esse movimento, o catarismo, enraizou-se em algumas partes da Europa até o século XIV.

França, Renânia, Itália, Bélgica, Inglaterra, Catalunha e a Coroa de Castela são os pontos no mapa onde eles estavam presentes. Que eram? Por que eles se revoltaram? O que defendiam?

Sergi Grau Torras é doutor em Filosofia e licenciado em História. Especialista em catarismo, é autor do livro La invención de los cátaros (Angle Editorial, 2016).

Ele assegura que foi construída uma imagem em torno dos cátaros que tem convencido, mas “tem pouco a ver com a realidade”.

Seu objetivo é contar a história real a partir de tudo o que permanece documentado.

Cátaro vem do grego puro, limpo

“Os cátaros foram cristãos que renunciaram à liturgia, à hierarquia e à Igreja e que se apresentavam como uma alternativa”, explica Sergi Grau.

Ele destaca 10 características que nos permitem esclarecer as ideias sobre o catarismo e distinguir a realidade da ficção:

1
Renegam o batismo

Eles acreditavam que é necessário ter a consciência de se tornar parte da Igreja. Seu ritual era uma espécie de batismo espiritual que consistia na imposição das mãos, momento a partir do qual se convertiam em “bons cristãos” e deviam cumprir fielmente o Evangelho. Segundo eles, a Igreja havia perdido este valor.

2
Pregam em pares

Cumprir o Evangelho significa também pregá-lo. Eles faziam isso em pares e de forma itinerante. Os cátaros não estavam sempre em um lugar físico particular, pois acreditavam que Deus estava onde eles estavam.

3
Acreditam na reencarnação

Entendem que “a alma não morre, mas passa de corpo a corpo”.

4
Apresentam outra visão da origem do mal no mundo

Trata-se de um novo caminho para a salvação da alma e uma nova reflexão. Defendem que o mal vem de outro Deus que não tem nada a ver com cristianismo, mas surge a partir de uma criação demoníaca.

5
A mulher tem um papel importante e pode pregar

De acordo com Sergi Grau, “as mulheres viram os cátaros como um grupo onde podiam desenvolver a religião como faziam os homens”.

6
Contam com uma sólida formação

Vale destacar que eles traduziram a Bíblia ao catalão, ao castelhano e ao francês.

7
Seu tesouro: o Santo Graal

Diz a lenda que esta igreja guardava o Santo Graal no Mosteiro de Montsegur, na Catalunha (Espanha).

8
Cinco documentos são preservados

Dos quais três se referem a cerimônias: A Ceia Secreta, O livro dos dois princípios, O ritual occitano de Lyon, O anônimo e Summa Catharis.

9
Sua herança: a pregação

Apesar de serem considerados hereges, o catolicismo partilha com eles a importância da pregação – e sua arma principal para neutralizar os cátaros era, precisamente, a pregação, como mostra a vida de São Vicente Ferrer.

10
Um cátaro contemporâneo é Juan de San Grial

Trata-se do russo Johann Bereslavskiy, fundador da nova escola cátara, e está em constante contato com líderes das diferentes religiões cátaras em todo o mundo, bem como personagens intelectuais proeminentes, como mestres do sufismo e do budismo zen. Em 2001, este místico recebeu o Prêmio da Paz Albert Einstein.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia