Aleteia

3 grandes coisas que devemos aprender com as crianças

KIDS
Evgeniiand - Shutterstock
Compartilhar

Em nossa vida adulta, deveríamos carregar sempre estas virtudes infantis

“Em verdade vos digo que, se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos Céus”, diz Jesus em Mateus 18, 3.

Qualquer cristão deve levar a sério essas palavras. Mas o que exatamente significa “tornar-se como criancinhas”?

Existem qualidades que possuímos quando crianças, habilidades que temos em virtude de sermos crianças, que muitas vezes parecem nos iludir quando crescemos. Devemos crescer fora da infantilidade, sim, mas existem atitudes, modos de ser e características infantis que nunca devemos perder. O tempo gasto com uma criança pequena pode nos lembrar disso. Aqui estão três coisas (entre outras) que as crianças podem nos ensinar:

1
Honestidade

Cuidado com o que você pergunta a uma criança, porque você pode obter uma resposta direta. E, embora seja verdade que a honestidade franca às vezes pode doer, nós, adultos, podemos nos lembrar de que, se pudermos “gentilmente dizer sim quando queremos dizer sim e não quando queremos dizer não”, nossos relacionamentos podem ser melhores. As crianças nos mostram que ser honesto consigo mesmo e com os outros é uma maneira de reduzir o ruído e a confusão, e viver de maneira mais autêntica.

2
Gratidão

“Dai graças em todas as circunstâncias”, diz São Paulo em 1 Tessalonicenses 5, 18. Isso não é apenas nos bons tempos, mas também durante pandemias e todo tipo de dificuldades. Como isso é possível? As crianças geralmente são felizes sem motivo aparente – elas conseguem rir, pular e brincar até mesmo quando as coisas mais difíceis estão acontecendo ao seu redor. Isso porque elas sabem demonstrar gratidão diante da graça que está diante delas. Elas apenas se concentram no que traz alegria em meio a dificuldades ou preocupações.

3
Curiosidade

“A curiosidade matou o gato”, diz o velho ditado. Mas há um tipo de curiosidade que as crianças possuem que os adultos fariam bem em imitar. As crianças gostam de fazer perguntas e nenhuma pergunta é muito boba ou insignificante. A curiosidade de uma criança procura descobrir e entender não explorar, mas deliciar-se em saber algo mais. Como adultos, se tivéssemos uma curiosidade mais saudável, ouviríamos com mais atenção as outras pessoas e estaríamos mais inclinados a descobrir algo novo sobre nós mesmos, as outras pessoas e o mundo ao nosso redor.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia